Jogando como nunca e perdendo ponto como sempre

pen1.jpg
Foto: Fernanda Martins

 

A história mais uma vez se repetiu. Jogamos como nunca e perdemos pontos como sempre. Até quando? Não aguentamos mais essas entrevistas de Maurício Barbieri falando que o time foi bem, que o time está se encaixando. Vai encaixar para quando? De nada adianta dominar todas as ações da partida e não transformá-las em gols. A situação está se complicando no campeonato, não fazemos ao menos nossa lição de casa.

A forte chuva que caiu no Brinco de Ouro atrapalhou o andamento da partida, é fato! Mas não devemos e não podemos colocar a total culpa nisso. A bola tem que entrar no sol ou na chuva. Eu já vi Lê em 2007 comer grama após seu gol contra a Inter de Limeira. Queremos essa vontade de vencer.  A arbitragem foi péssima e perdida? Eu diria que uma das piores que já vi. A equipe do Penapolense estava dentro da regra, a famosa catimba, visto que tinham de primeiro momento o resultado positivo. Portanto, por que o goleiro do time de Penápolis não cairia em todos os lances, não é mesmo? De pulso fraco foi o Sr. Adriano Assis Miranda, que caiu feito bobo nas graças do goleiro Samuel. O mesmo Samuel que no último tiro de meta ainda tirou uma com o juiz fazendo movimento de entregar a bola na mão dele quando o mesmo apitava para que o goleiro fosse mais rápido. Sarcástico.

 

OS GOLS

Como diz a regra de quem não faz toma, o Penapolense abriu o placar no Brinco de Ouro. Aos 2’ do segundo tempo Gilton fez falta desnecessária pela lateral. Na cobrança, o zagueiro Joilson subiu mais alto que a defesa bugrina e desviou para o gol. Com o campo encharcado, Luís Henrique aceitou. O Bugre agora mais do que nunca precisava sair para o jogo. Barbieri colocou Samudio e Lorran nos lugares de Uederson e Bruno Nazário. Aos 25’, o centroavante que nos fazia falta, autor de 3 gols em 3 jogos, recebeu dentro da área, dominou, passou entre as pernas do zagueiro e acertou um belo chute para estufar as redes adversárias.

pen.jpg

Eliandro deixa sua marca, mas Guarani não sai de empate contra o Penapolense (Foto: Gabriel Ferrari / Guarani Press)

 

Com o empate o Guarani continua na oitava posição. O próximo confronto é diante do Velo Clube, também em casa, às 20h, na próxima quarta-feira (22).

 

Ficha Técnica

Guarani x Penapolense

Local: Estádio Brinco de Ouro, em Campinas

Horário: 16h

Arbitragem: Adriano Assis Miranda, Fabricio Porfirio de Moura, Luis Alexandre Nilsen e Luiz Carlos Ramos Jr.

Gols: Joilson aos 2′ do 2ºT e Eliandro aos 26′ do 2ºT.

Cartões Amarelos: Diego Jussani (GUA); PV, Paulo Victor, Guilherme e Samuel (PEN)

Público e Renda: 3.736 – R$ 36.528,00

Guarani: Luís Henrique; Lenon, Diego Jussani, Alef e Gilton; Auremir, Evandro, Bruno Nazário (Lorran), Fumagalli e Uederson (Braian Samudio); Eliandro. Técnico: Maurício Barbieri.

Penapolense: Samuel; Crystian, Joilson, Guilherme e Léo Carvalho; PV, Carlinhos, Juliano (Paulo Victor) e André Cunha; Fio (Hygor) e Leandro Love (Gilvan). Técnico: Edison Só.

pen2.jpg

Foto: Jogos perdidos

 

TORCIDA

A maior torcida do interior e única da cidade com estrela no peito mais uma vez mostrou esse amor incansável pelo Guarani. Nem a forte chuva que caiu foi capaz de impedir que a torcida comparecesse. Só para não esquecer, nosso público mais uma vez foi maior que o do time da linha do trem. Brigatti agora não pode choramingar, porque foi atropelado no sábado.

 

Um grande abraço à nação bugrina, sofrida e apaixonada pelo verde e branco. Bugre, você é uma loucura sem explicação. Nos vemos no Brinco!

 

Por Fernanda Martins.