LAMENTÁVEL, MAS VIDA QUE SEGUE!

(Foto: Flickr do Cruzeiro/Vinnicius Silva)

 

Cruzeiro 0 X 3 Internacional 

O Cruzeiro enfrentou o Internacional pelo jogo de volta das semifinais da Copa do Brasil nesta quarta-feira (4), no estádio Beira-Rio com mais de 40 mil torcedores. O placar do primeiro jogo foi 1 à 0. Sendo assim, a equipe Celeste precisava marcar dois gols para se classificar e um golzinho levaria a decisão para os pênaltis. 

Logo nos primeiros segundos, o Inter assustou com uma boa chegada, mas o Cruzeiro respondeu com Pedro Rocha, mas o goleiro Marcelo Lomba defendeu. No rebote, David perdeu oportunidade de abrir o placar e quem sabe mudar a história do jogo. 

A partida estava interessante. As equipes buscavam oportunidades. Logo após os 15’, tudo estava mais equilibrado, algumas oportunidades para ambos os lados, mas sem tanta intensidade.

A partir dos 34’ o Inter se mostrou superior e começou a chegar mais, tanto que aos 39’ a equipe Colorada marcou seu primeiro gol. D’Alessandro cruzou na segunda trave e Guerrero de cabeça colocou dentro das redes. Inter 1 a 0. Esse placar obrigava o Cruzeiro à marcar dois gols para ir para as penalidades.

A volta para a etapa complementar foi totalmente estranha. O Cruzeiro não jogou bem. Com dores, o zagueiro Dedé saiu e entrou o argentino Ariel Cabral. Com isso, o volante Henrique assumiu a zaga. Aos 15’ saiu Pedro Rocha e entrou Fred.

Aos 24’ Nico López mandou para Guerrero matar no peito e marcar o segundo gol do jogo e o segundo dele. Inter 2 a 0. O Cruzeiro que não estava fazendo muita coisa, não conseguiu fazer nada mais mesmo. Equipe Colorada bem mais organizada, mesmo com toda a vantagem, buscava jogo. Ao contrário disso, a equipe Celeste sem brilho, apática e sem força de vontade.

Já aos 30’ outra substituição. Éderson Silva no lugar de Robinho, não adiantava mais. Com o placar agregado de 3 a 0 e o futebol em campo, apenas um milagre para os mineiros marcarem 3 gols e prorrogar para as penalidades. 

No finalzinho, 44’ com o Cruzeiro totalmente entregue, por cobertura, Edenílson, faz o terceiro do Internacional. Inter 3 a 0. Placar agregado 4 a 0. Cruzeiro eliminado da Copa do Brasil. 

Perder é aceitável. Não se pode ganhar todas. A indignação está pela atuação terrível dos cruzeirenses. Se esperava um jogo mais aguerrido, para frente, com mais chutes à gol, mais oportunidades. O primeiro tempo até não foi dos piores, mas o segundo...


(Foto: Flickr do Cruzeiro/Vinnicius Silva)

Ao final da partida, Thiago Neves deu declarações à Rádio Itatiaia. Segundo ele, adaptar muitos jogadores de última hora é algo complicado. O jogador disse ainda que o grupo ficou sabendo das mudanças apenas 3 horas antes da partida.

O técnico Rogério Ceni realmente fez algumas modificações bem ousadas, para não dizer desastrosas. Os gols saíram por falhas defensivas, depois do primeiro gol o Cruzeiro parecia não estar em campo. Por pior que possa ser, o placar foi justo. 

Os problemas não param. Óbvio que o resultado em campo é reflexo de tudo que acontece em todas as áreas do clube. Mesmo se uma mágica apagar 2019, as consequências desse ano não desaparecerão.

Vida que segue. Para as coisas não piorarem, o melhor a se fazer é focar as energias restantes no Brasileirão. O elenco precisa de toda garra e determinação para sair da briga na parte de baixo tá tabela. 

A sequência de jogos é complicada. Próximo jogo no domingo (08), no Mineirão, contra o Grêmio. Fora de casa, dia (14), contra o Palmeiras. Dia 21 também no Mineirão, contra o Flamengo. Ou seja, sem tempo para lamentações. Voltar para casa, treinar, encontrar algum equilíbrio, bola para frente e gols, claro. 


(Foto: Flickr Cruzeiro/ Vinnicius Silva)

 

Ficha técnica

Motivo: 2º jogo da semifinais da Copa do Brasil 

Data: 04/09/2019 (quarta-feira)

Horário:21:30

Local: Estádio Beira-Rio

 

Cruzeiro: Fábio, Jadson, Dedé (Ariel Cabral), Fabrício Bruno, Dodô, Henrique, Robinho (Éderson), Marquinhos Gabriel, Thiago Neves, David e Pedro Rocha (Fred). Técnico Rogério Ceni.

 

Internacional: Marcelo Lomba, Bruno, Rodrigo Moledo, Víctor Cueata, Uendel (Sarrafiire), Lindoso, Edenílson, Patrick (D’Alessandro), Nico López (Nonato), Paolo Guerrero. Técnico Odair Hellmann. 

 

Arbitragem: Flávio Rodrigues de Souza (SP).

 

#NasBatalhasComOCruzeiro

 

Sam Bella