Les Bleues demonstram seu favoritismo em campo, vencem o Brasil na prorrogação e se garantem nas quartas de final da Copa do Mundo

Henry comemora a classificação francesa

(Foto: Twitter oficial Fifa)

 

 

"A primeira parte foi muito complicada, muito tensa, e não conseguimos os passes certos. Nós não estávamos no nosso melhor - eu senti que não reconhecia o meu time lá fora. Eu disse as jogadoras para começarem a se divertir lá fora, aproveitar o jogo e ser um pouco mais pacientes quando estavam com a posse de bola. E foi o que vimos no segundo tempo. Vamos assistir muito de perto o jogo entre Espanha e EUA e estamos ansiosos pelas quartas-de-fina", disse a técnica Corinne Diacre.

 

O JOGO

A Seleção da França entrou em campo com um esquema diferente, saiu do tradicional 4-2-3-1 e foi para o 4-4-2 com: Bouhaddi; Mbock, Torrent, Renard, Majri, Asseyi, Bussaglia, Amandine Henry, Le Sommer, Diani e Gauvin. Mas apesar da mudança no esquema tático, o time só sofreu uma substituição, Thiney foi para o banco e no seu lugar entrou Viviane Asseyi.

Marcando em cima, a Seleção da França desde o início procurou controlar o jogo e escapar da forte marcação da seleção brasileira, com a maior posse de bola as Les Bleues criavam as melhores chances de gol principalmente com Amandine Henry e Le Sommer. Porém esse domínio durou pouco, a partir da metade do primeiro tempo, as francesas encontravam muita dificuldades para sair jogando e resolveram então explorar os pontos fracos das adversárias, a defesa. As vezes pelas pontas com Diani e pelo alto nas jogadas ensaiadas e nos escanteios. Aos 24' minutos a França até conseguiu fazer um gol. Depois de linda jogada, Diani cruzou e na dividida com a goleira Bárbara, a atacante Gauvin marcou, mas com a ajuda do VAR a árbitra anulou o gol marcando falta. Depois desse lance as francesas sentiriam um pouco e não controlavam mais a partida, o Brasil passou a ter a maior posse de bola mas para a sorte das Les Bleues não eram tão objetivas. Bem marcadas, jogadoras importantes como Le Sommer e Majri pouco apareciam. Com pouca iniciativa no ataque a França pouco produziu fazendo um primeiro tempo bem abaixo do esperado.

 

Gauvin comemorando o primeiro gol francês

(Foto: Twitter oficial Fifa)

A treinadora Corinne Diacre voltou para o segundo tempo sem alterações na sua equipe, porém com Majri e Le Sommer bem mais participativas e as francesas com uma postura totalmente diferente do primeiro tempo tomando mais iniciativa. Essa mudança logo deu resultado e a França abriu o placar logo no início. Aos 6' minutos após linda jogada, Diani cruzou e Gauvin desviou para o fundo do gol das brasileiras. A França tentou seguir o mesmo ritmo e até certo tempo conseguiu mas logo sofreram um golpe quando aos 18' minutos Thaisa marcou para as brasileiras empatando o jogo. Depois do gol sofrido, a França teve que manter a cabeça no lugar e tinha como a sua válvula de escape para o ataque Diani que infernizava a defesa brasileira. O jogo passou a ficar mais equilibrado e as duas seleções passaram a ter boas oportunidades para decidirem a partida que estava totalmente indefinida mas a segunda etapa terminou mesmo empatada e a partida indo para a prorrogação.

Na prorrogação a partida seguia equilibrada, e nos primeiros quinze minutos, as Les Bleues contaram com a sorte e com Mbock Bathy para escapar  do gol da virada, em um contra-ataque rápido do Brasil, Debinha perdeu o gol, para sorte da Seleção Francesa.

Mesmo com o susto, era nítida a superioridade das Les Bleues,  no entanto, a equipe de Corinne Diacre continuava pecando no último passe, sem conseguir finalizar com perigo, culminando no empate na primeira parte da prorrogação.

 

Comemoração da equipe francesa, com o gol da classificação

(Foto: Site oficial da Seleção Francesa)

 

Logo no início da última parte da prorrogação, veio o gol da classificação francesa. Em uma cobrança de falta, Henry aproveitou a bola aérea e chutou no canto esquerdo da goleira  Bárbara para selar o passaporte das Les Bleues às quartas de final do Mundial.

Com o placar ao seu favor, a França apenas dominou a posse de bola, e segurou o time brasileiro, até os minutos finais.

Agora a Seleção Francesa espera o vencedor do confronto de amanhã, entre Espanha e Estados Unidos

 

Por Jessica Martins e Rosileide Ribeiro