LUAN - O MALUCO BELEZA DO GALO

 


 

Foto: Reprodução Internet

 

Quando me pediram pra fazer um texto sobre algum jogador que  considero como Ídolo, fiquei pensando durante um tempo, quem deveria ser o homenageado. Queria alguém que me representasse, alguém que tivesse a emoção que  tenho por meu time, que sentisse e amasse o Galo, como eu amo. Alguém que fosse JOGADOR/TORCEDOR na mesma sintonia que eu sou...E aí, e veio o Luan na mente.

 

Luan Madson não é apenas um jogador, ele vai além disso. É um bom jogador, um bom marido e um ótimo pai. O camisa 27 é a minha imagem como torcedora dentro de campo, por isso ele foi o escolhido.

 

O JOGADOR

 

Luan Madson Gedeão de Paiva ou apenas Luan é aquele, que precisa ser estudado pela NASA, porque entra dentro de campo e coloca RAÇA e EMOÇÃO durante os 90 minutos. É aquele que quando sai, deixa sintomas de saudades e um pedaço de tristeza no ar.

Desde o início da sua carreira, o atleta já se destacava,  mostrando o que queria ser: UM JOGADOR DE FUTEBOL. Mas não apenas um jogador, ele queria se destacar, ter o espírito da torcida e ser a cara da torcida. E  foi assim que Luan se tornou o maluquinho do Galo.

 

Luan, começou a sua carreira nas categorias de base do Clube Atlético Sorocaba, chegando a equipe principal, em 2008. Já naquele ano mostrou a que vinha: conquistou a 1° Copa Paulista de Futebol de 2008, o acesso para a série A do Paulista de 2012, e ainda foi o principal artilheiro do clube nas quatro edições da Série A2.

Após um longo tempo na equipe sorocabana, o atleta foi emprestado ao time da Ponte Preta.

Chegando na Macaca, não foi diferente, tornou-se um jogador DECISIVO e IDOLATRADO pela torcida, palavras ditas por uma torcedora da Macaca. No Campeonato Brasileiro de 2012, ele deixou a sua marca, tendo um belíssimo desempenho e se tornando assim, um alvo de vários clubes brasileiros, inclusive o Atlético Mineiro.

A relação de Luan com a torcida atleticana começou, quando ele ainda era jogador da Ponte Preta. Foi em uma partida entre a Macaca e o Galo,onde Luan era reserva, que esse amor pelo alvinegro mineiro surgiu.

 

Foto: Reprodução Internet

 

No banco de reservas, Luan começou a cantar o hino do Galo, fato esse que irritou os demais companheiros de time.

 

“ Lembro-me que estava cantando o hino do Galo (no banco), e dois, três meses depois, estava assinando com o clube.”

 

Luan chegou no Galo, para compor o grupo de reforços para a temporada 2013, temporada essa, que seria de Glórias para o time mineiro e para o atleta. Foi assinado um vínculo de 4 anos.

Sua participação no jogo contra o Tijuana, na primeira partida das quartas de finais foi decisiva. Ele marcou o gol de empate aos 46 minutos do segundo tempo, levando assim o Galo a semifinal da Libertadores, e ganhando do técnico Cuca, o apelido de TALISMÃ.

 

Luan mostrou um lado nesse jogo a torcida não conhecia, um Luan emotivo. Quando perguntado sobre as lágrimas, Luan respondeu:

 

“É um choro de felicidade, Deus sabe como sofri e tenho que agradecer. Depois à minha família e minha esposa que está em BH. Ela torce muito por mim e estou feliz. Este gol é para vocês. Valeu, Galo.”

 

De um jovem jogador, recém contratado com um problema no púbis à um Talismã maluco do time. Bem ao estilo Luan de ser.

 

Foto: Agência AP

 

Pela Copa do Brasil de 2014, Luan mais uma vez deixou sua marca, e foi de suma importância para o título. O camisa 27, marcou em todos os jogos, se tornando assim o artilheiro do Atlético, com cinco gols. Ao final, fez uma declaração de amor pelo time mineiro:

 

“ Eu amo o Galo. É o clube que abriu as portas do futebol brasileiro para mim, que apostou em mim. Sei da responsabilidade de vestir essa camisa. Estamos numa final e estamos prestes a conquistar um título inédito. A diretoria apostou em mim, e quero retribuir esse carinho.”

 

Poderia ser uma história de glórias e momentos bons, porém nem só de glórias é feita a vida de um jogador.

 

Em 2016, Luan passou por um momento conturbado, recebeu uma notícia que poderia se tornar até mesmo uma aposentadoria. Uma grave lesão no menisco e na cartilagem do joelho direito, onde ficaria 3 meses parado, ficando fora da final da Copa do Brasil, contra o Grêmio. Mas com o apoio da massa, o nosso menino maluquinho, voltou e voltou com uma vitória sobre o Palmeiras em pleno Allianz Parque! Isso que eu chamo de um belo retorno.

E suas conquistas não pararam por aí!

 

Neste ano de 2018, Luan atingiu a marca de 200 jogos e se tornou  mais xodó do que nunca da torcida atleticana.

O que poderia ser sua suposta aposentadoria, se tornou a sua força maior. Dois anos depois da sua cirurgia no joelho, Luan renasceu das cinzas como a Fênix, alcançando assim seu melhor nível futebolístico. Mas as emoções não acabam por aí!

 

A torcida pediu e a diretoria acatou, renovando seu contrato até abril de 2021. Ou seja teremos muitos anos de LOUCURA dentro de campo.

 

O Luan como jogador do Atlético participou dos seguintes títulos:

 

*Campeonato Mineiro 2013, 2015 e 2017.

 

*Copa Libertadores da América 2013.

 

*Recopa Sul-Americana 2014.

 

*Copa do Brasil 2014.

 

*Florida Cup 2016.

 

Fonte: Site Oficial do Clube Atlético Mineiro

https://www.atletico.com.br/profissional/luan/

 

Outros títulos recebidos


2014 - Destaque da Copa do Brasil no Troféu Telê Santana - Atlético


2015 - Ídolo da galera do Troféu Globo Minas - Atlético


2015 - Melhor meia do Troféu Guará - Atlético


2015 - Melhor meia do Troféu Telê Santana - Atlético


2018 - Ídolo da Galera no Troféu Globo Minas

 

Fonte: Página do Atleta no Galo Digital

https://www.galodigital.com.br/enciclopedia/Luan_Madson_Gedeão_de_Paiva

 

FICHA TÉCNICA


Nome: Luan Madson Gedeão de Paiva
Posição: Atacante
Data de Nascimento: 11 de agosto de 1990
Local: São Miguel dos Campos-AL


Foto: Bruno Cantini/Atlético

 

VIDA LONGA AO NOSSO MENINO MALUQUINHO.

 

Por Elluh Ferreira