Macaca sai derrotada em jogo com dois pesos e duas medidas.

(Foto: ClickSport/Fabio Leoni)

O jogo foi feio, truncado, difícil de assistir. A Macaca até que tentou, mas jogar contra o Corinthians e o esquema sempre impecável de Tite já são difíceis, imaginem então jogar contra o Corinthians, no Itaquerão e com aquela famosa ajudinha do trio de arbitragem?

Ainda no primeiro tempo, o goleiro João Carlos defendeu o pênalti cobrado por Luciano, mas logo em seguida, Romero, que desnorteou a defesa da Macaca abriu o placar deixando o Corinthians a frente. Mas a vantagem durou bem pouco e em uma das raras falhas da defesa corinthiana, Felipe Azevedo não desperdiçou e deixou tudo igual. 

Já na segunda etapa da partida e com o Corinthians à frente, João Carlos brilhou novamente, defendendo dessa vez o pênalti de Romero.

Sem tirar nenhum mérito da equipe Corintiana e com as várias falhas do setor defensivo da Macaca, quem também chamou atenção na noite de ontem foi o Senhor Alessandro Darcie, árbitro da partida. Com dois pênaltis marcados pra equipe da Capital a pergunta que fica mais uma vez é – Qual o critério usado pra faltas dentro da pequena área? O critério seria o peso que uma camisa tem? 

Em dois lances parecidíssimos se não iguais, um lance de bola na mão dentro da área, batida de Felipe Azevedo cortada por Edilson, semelhante ao segundo pênalti a favor do Corinthians, mas Alessandro Darcie nada marcou. Já nos acréscimos do segundo tempo, Alessandro Darcie viu toque de mão de Fábio Ferreira ao tentar cortar passe de Romero. Mas assim como acontece desde aquela final de 1977, ou aquela quartas de final de 2015, a Ponte continuou guerreira até o último minuto.

Com 16 pontos, a Macaca ainda corre o risco de rebaixamento e também se complicou na briga pela classificação às quartas de final. A Macaca volta a campo no próximo sábado, onde recebe o Água Santa, às 16h, no Majestoso. Depois, fecha contra o Rio Claro, fora. 

Li Zancheta