MAIS UMA VIRADA EM CASA

 

 

A partida começou, o Atlético empreendeu o estilo de jogo inovador de Diniz, colocou o adversário na roda, não se deixou intimidar pela força ofensiva, teve domínio da partida, marcou gol e foi para o intervalo com a vantagem.

Quando voltou para o segundo tempo, apareceram falhas individuais de marcação, cansaço, sem poder de finalização e o pior: o time visitante virou o jogo e saiu vitorioso da Arena da Baixada.

O ora narrado aconteceu pela segunda vez consecutiva, nas duas contra um time mineiro. Confira a seguir como foi a partida que culminou em mais uma derrota do Furacão – a quarta seguida - diante do Cruzeiro na Copa do Brasil.

 

 

COMO FOI O JOGO

Atlético e Cruzeiro se enfrentaram nesta quarta-feira (16) na Arena da Baixada, no jogo de ida válido pelas oitavas de final da Copa do Brasil, para um público de 11.455 pessoas.

Em situações bastante distintas, já que o Furacão vinha de derrotas e o Cruzeiro de vitórias consecutivas, as equipes jogaram de igual para igual no primeiro tempo, ainda que o domínio da posse de bola fosse do time mineiro.

As chances para o Cruzeiro logo no início da partida não apresentaram tanto perigo à meta de Santos. O Atlético, ao seu turno, apareceu mais ofensivamente, com bolas de Rossetto e Thiago Carleto que testaram o goleiro da Raposa.

Com uma belíssima cobrança de falta de Carleto, o Atlético abriu o placar aos 41 minutos da primeira etapa. Na sequência, aos 44, o Furacão quase ampliou o marcador, não fosse o impedimento de Zé Ivaldo quando cabeceou a bola para o fundo das redes.

 

 

Foto: Site Oficial

 

 

Aos 45, Santos salvou o Atlético do empate, fechando o ângulo de Arrascaeta após ter recebido a bola na entrada da área, enganando a zaga atleticana.

No segundo tempo, o Atlético começou bastante ofensivo, com uma bola perigosa de cabeça do atacante Pablo passando pertinho da trave do goleiro Fábio, aos 3 minutos de jogo.

Mas não durou muito. Logo o time apagou e o domínio passou a ser do visitante. Aos 34 minutos não deu outra. Henrique, que não marcava gols há muito tempo, bateu um chute forte de longe aos 34 minutos, fazendo com a que bola desviasse na cabeça de Thiago Heleno e enganasse o goleiro Santos, empatando a partida em 1 a 1.

Sem conseguir finalizar desde a cabeçada perigosa de Pablo aos 3 minutos, o Furacão viu o Cruzeiro crescer na partida, não conseguindo segurar a virada, que aconteceu já nos acréscimos, aos 47 minutos, dos pés de Raniel, após falha individual de Zé Ivaldo que deixou o atacante da Raposa livre para marcar, 2 a 1 para o time mineiro.

Diante do Cruzeiro, o Atlético colecionou a quarta derrota consecutiva e precisará de uma vitória simples para levar a disputa para os penais, no jogo de volta.

Os cartões amarelos da partida saíram para Bergson e Camacho do Atlético e Egídio do Cruzeiro – que merecia o vermelho por um lance em Raphael Veiga.

 

 

TORCIDA ÚNICA?

Mostrando que não concorda com a determinação do Ministério Público, a torcida, de vontade própria, reservou um local para que os torcedores do Cruzeiro que foram até à Arena da Baixada acompanhar a partida, assistissem ao jogo todos juntos.

 

 

Foto: Gazeta do Povo

 

 

PRÓXIMO CONFRONTO

Como nesta fase da Copa do Brasil não há a vantagem do gol fora de casa, uma vitória simples do Furacão garante a disputa por pênaltis, enquanto que qualquer empate dá a classificação ao Cruzeiro.

O jogo de volta acontecerá somente no dia 16 de julho – ou seja, pós Copa – em Belo Horizonte/MG.

Pelo Brasileirão, o Atlético enfrentará o Fluminense no domingo (20/05), em pleno Maracanã, no jogo válido pela sexta rodada do Campeonato.

 

 

Por Daiane da Luz