MESMO SEM A CLASSIFICAÇÃO, ÀS CABULOSAS SÃO AS VERDADEIRAS GUERREIRAS DOS GRAMADOS

O Cruzeiro dependia de uma combinação complicada de resultados e acabou ficando de fora da próxima fase do Brasileiro A1



(Foto: Jorge Luis/Audax)

Pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro Feminino série A1, as Cabulosas enfrentaram o Audax-SP, às 19:00, na Arena Barueri, em São Paulo. 

Esse foi o último jogo da primeira fase e apenas os oito primeiros colocados se classificariam para a próxima etapa da competição. 

O retrospecto Celeste era razoável. Em 14 duelos, 20 pontos, 6 vitórias, 6 derrotas e dois empates. Apenas 3 pontos separavam o Cruzeiro do primeiro que estava se classificando, o Grêmio que jogaria contra o São Paulo, sétimo colocado. Também dependia do resultado do Flamengo… Ou seja, uma vitória, uma combinação de resultados e as nossas meninas seguiriam! Complicado! 

Nos três últimos confrontos o Cruzeiro ganhou por 1 a 0 da Ponte Preta, empatou por 1 a 1 com o Kindermann-SC e venceu o Minas Brasil-DF por 2 a 0. Já o adversário vinha de uma vitória por 2 a 1 sobre o Vitória-BA e dois péssimos resultados: 4 a 0 para o Flamengo e 9 a 0 para o Internacional! 

Apesar de não ter mais chances de se classificar, o Audax-SP prometeu não facilitar a vida Celeste. A disputa do futebol feminino é cheia de emoção e possibilidades. Nunca falta luta, dedicação, suor e muita raça! 

 

O JOGO

O jogo começou com marcação pesada do Audax-SP e o Cruzeiro tentando chegar. Independente dos outros jogos e seus resultados, “fazer o seu” era o que valeria a pena. 

Aos 17’ Janaína chegou pela direita, colocou a bola no veneno para Miriã  tentar o chute que foi para a linha de fundo. Inacreditável esse gol perdido. Até os 30’ domínio total das Cabulosas, com o adversário todo recuado. 

Algumas paradas para atendimento às atletas e nos acréscimos, dessa vez Miriã não desperdiçou e abriu o placar, aos 47’. Cruzeiro 1 a 0.

Apesar da vitória parcial, o Cruzeiro ainda não se classificaria. Poderia ter feito mais gols, aproveitado as chances e ampliado o saldo de gols que seria um diferencial, numa possível derrota de Flamengo e Grêmio.

Na etapa complementar, a Raposa chegava na profundidade, com tentativa de cruzamento. Esse parecia o caminho correto para marcar mais gols. A pressão Celeste era grande! E foi exatamente isso que aconteceu. Aos 9’, Duda cruzou pelo lado direito e Vanessinha chegou fulminante para fazer o segundo gol cruzeirense. Cruzeiro 2 a 0.


(Imagem: reprodução Instagram do Cruzeiro)

As cabulosas que eram todo ataque, toda pressão e toda vontade, ampliaram com uma bonita movimentação de Micaelly que passou por todo mundo, encontrou Janaína que chutou para o terceiro golaço. Cruzeiro 3 a 0. 

Virou passeio. Duda marcou mais um aos 41’, 4 a 0. Foi marcado pênalti aos 44’ e Micaelly não perdoou, Cruzeiro 5 a 0. Para fechar a tampa, mais um de Vanessinha aos 48’. Cruzeiro 6 a 0.

Infelizmente as Cabulosas não se classificaram para a segunda fase do Campeonato Brasileiro Feminino série A1. Mesmo com o placar elástico, a vitória de Flamengo e Grêmio impediram o avanço Celeste. 

A equipe feminina do Cruzeiro começou sua história no ano passado, em 2019. Conseguiu o acesso para a elite do futebol ficando em segundo lugar na competição. Em 2020 jogou a série A1, que equivale no masculino à série A. E não fez feio não. 

Apesar da classificação não acontecer, as Cabulosas merecem todo o respeito da torcida Celeste. Bravas guerreiras, honram a camisa azul e no ano que vem, com mais preparo, quem sabe o primeiro título nacional chegue para As Cabulosas! Parabéns para nossas jogadoras! 

 

Ficha Técnica 

Campeonato Brasileiro Feminino Série A1– 15ª rodada (1ª fase)

Audax-SP 0X6 Cruzeiro 

Data: 14/10/2020

Local: Arena Barueri/ Cidade de Barueiri-SP  

Hora: 19:30

Arbitragem: Flavio Roberto Mineiro Ribeiro

Cruzeiro: Mary Camilo, Janaína, Píres, Tatá (Micaelly), Eskerdinha, Vanessinha, Dedê, Patrícia (Kim), Miriã, Duda e Thamirys. Técnico: Marcelo Frigerio. 


 

Por Sam Bella, Colunista do Cruzeiro. 

 

*Esclarecemos que os textos trazidos nesta coluna não refletem, necessariamente, a opinião do Portal Mulheres em Campo.