MISSÃO QUASE IMPOSSÍVEL

Em meio a um turbilhão de notícias bombásticas, desde a renúncia de Aidar, ao caso Maidana (onde o STJD aplicou multa no valor de cem mil reais ao clube), ou ao jejum de vitórias de Doriva no comando (que teve fim no último domingo, contra o Coritiba, fora de casa), e em uma situação não muito boa, o São Paulo vai até a Baixada Santista para uma missão dada como impossível para muitos.

Sabe-se que o Santos é o favorito em busca por uma vaga na final da Copa do Brasil, mas o futebol é imprevisível! E nessa quarta-feira (28), às 22h (horário de Brasília), esse favoritismo que o Santos possui, será apenas um dos obstáculos que o Tricolor precisará vencer.

Imagem: baressp.com.br

A equipe do Morumbi tentará provar que no futebol não há favoritos, mesmo que as circunstâncias teimem em dizer o contrário, já que os números não estão ao seu favor. O Tricolor não vence um clássico como visitante, por uma diferença de 3 gols ou mais, há 10 anos. A última vez foi em 2005, no Pacaembu, quando goleou o Corinthians por 5 a 1. Além disso, não elimina o Peixe em mata-mata há 15 anos, e também não o vence na Vila Belmiro por 3 gols de diferença há 57 anos, quando Pelé ainda jogava e o Tricolor goleou por 6 a 2 o time da Baixada Santista pelo Campeonato Paulista. A lista de tabus aumenta com a invencibilidade do Peixe na Vila, na “Era Dorival Júnior”, que soma 13 vitórias em 13 jogos, sendo 11 pelo Campeonato Brasileiro e 2 pela Copa do Brasil.

O treino desta segunda-feira foi bastante intenso. A parte técnica foi aprimorada em um exercício com bola, dividido em duas etapas. Na primeira parte, o auxiliar Eduardo de Souza estipulou 3 equipes (azul, amarela e branca), e os jogadores tinham que trocar passes em número determinado, antes de cruzarem a linha com a bola já dominada e encarar o outro adversário. Em seguida, divididos em dois times, os jogadores completaram o trabalho com um exercício em que foram utilizadas estacas pelo gramado, para determinar as áreas de jogo.

A novidade do treino foi o atacante Luis Fabiano, que ficou fora da vitória do Tricolor sobre o Coritiba, por conta de dores musculares. Ele participou das atividades junto com os companheiros, onde usou um colete laranja, diferente dos demais, e como coringa, podia tabelar com todos. Liberado pelo departamento médico, deve ficar à disposição de Doriva para o duelo contra o Santos.

Imagem: images.terra.com

 

Ao fim do treino, os jogadores titulares fizeram atividades regenerativas, para minimizar o desgaste físico.

Com dúvidas para escalar o time, já que não poderá contar com Thiago Mendes (suspenso), Rogério (defendeu o Vitória-BA pela competição), Carlinhos (estiramento na panturrilha esquerda) e Breno (que já faz atividades à parte, mas ainda não deve ter condição de jogo), a escalação do técnico Doriva poderá ser quase a mesma que foi a campo no domingo, contra o Coxa: Rogério Ceni no gol; Bruno e Matheus Reis nas laterais, fazendo a linha de quatro zagueiros com Lucão e Luiz Eduardo; Rodrigo Caio e Wesley como volantes; Michel Bastos e Ganso no meio-campo; e Alexandre Pato e Luis Fabiano como atacantes.

Vale lembrar que, além de contar com a sorte, o São Paulo poderá contar também com a maestria de Paulo Henrique Ganso, que tem mostrado eficiência nos últimos jogos, batendo seu próprio recorde de passes para gol em uma só temporada. Em 2015, até agora, foram 13 passes certeiros que resultaram em gols do Tricolor. Além do maestro, Alan Kardec voltou a jogar e já mostrou que veio com força e vontade, fazendo seu 1º gol após quase 7 meses longe dos gramados, no confronto de domingo, no Couto Pereira. O centroavante perdeu chances preciosas no Morumbi, contra o Santos, na quarta-feira passada, mas quem sabe agora ele não aproveite as que virão para se redimir, até consigo mesmo, dando esperança a todos os são-paulinos.

O Santos, que com a larga vantagem pode até perder por 2 gols de diferença, entrará no gramado da Vila como favorito, e sua provável escalação será: Vanderlei; Victor Ferraz (que ficou de fora das últimas partidas por conta de uma lesão), David Braz, Werley e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Geuvânio, Ricardo Oliveira e Marquinhos Gabriel.

O trio de arbitragem será composto pelos paulistas Luiz Flávio de Oliveira, como árbitro, Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse, como assistentes 1 e 2, respectivamente.

Nessa quarta-feira à noite, resta ao torcedor mais fervoroso, acreditar que o São Paulo é o “clube da fé”, e empurrar o time, com todo ânimo e fôlego. Não ficar cabisbaixo caso o Tricolor tome um gol. Apoiar e incentivar a equipe a se entregar em campo, porque é isso que eles precisam fazer: se entregar! O time precisa entender que, enquanto existir 1% de chance, a esperança não morre. Enquanto o árbitro não dá o apito final, o jogo não acaba. Superar os obstáculos, quebrar os tabus. Mostrar que a missão “quase” impossível, é possível, pois o futebol é imprevisível.

 

“Vai lá, vai lá, vai lá. Vai lá de coração...”

 

Por Renata Chagas