NÃO ACABA AQUI!

Com a derrota do Bangu por 2x1 para o Vasco neste domingo (07/04), no Maracanã, é chegado o momento que nenhum banguense gosta: encerrou-se para nós o Campeonato Carioca. Isso significa que nós só veremos o Alvirrubro voltar a campo no segundo semestre, para disputar a chatíssima Copa Rio, com partidas de nível bem abaixo do Carioca e em horário comercial - ou seja, quase ninguém quer ou consegue ir assistir. Normalmente, quando chega esse momento nós nos olhamos cabisbaixos, enquanto deixamos as arquibancadas, já conformados, e apenas dizemos algo como “acabou, né”, “é sempre assim”, ou “agora só ano que vem”.

 

Mas em 2019 foi diferente, ah, se foi! O Bangu terminou o Estadual em terceiro lugar, com a melhor campanha entre todos os times no segundo turno, e um elenco competitivo que saiu de campo aplaudido pela torcida em todos os jogos. Além disso, o Alvirrubro se classificou para duas competições nacionais no ano que vem, a Copa do Brasil e a série D do Campeonato Brasileiro. Depois de anos convivendo com incertezas e decepções, os banguenses finalmente conseguem vislumbrar um horizonte menos nebuloso para o time. Este ano, o Bangu mereceu a torcida que tem.

 

E a alegria da torcida só não foi maior por conta de um dos recursos mais controversos desta edição do Carioca: o árbitro de vídeo, popularmente chamado de VAR. Assim como na semifinal da Taça Rio, a tecnologia foi decisiva - infelizmente, mais uma vez contra o Bangu, ao indicar pênalti de Rodrigo Lobão sobre o vascaíno Lucas Mineiro, aos sete do segundo tempo. Bruno César bateu e abriu o placar para o Vasco, em um resultado que até então não condizia em nada com o andamento da partida até ali: o time da Zona Oeste tinha sido superior durante todo o primeiro tempo, criando as melhores oportunidades e jogando com facilidade na área do Vasco. Porém, o futebol é impiedoso.

 

Pouco tempo depois, aos 10, o goleiro Jefferson Paulino deu lindo passe para Jairinho, que puxou contra-ataque, tocou para Dieyson e este serviu Yayá, que só precisou escorar a bola para mandar para o fundo da rede e igualar o placar. O empate ainda era favorável ao Vasco, mas fez a torcida sonhar com a virada e cantar “eu acredito!” a plenos pulmões, para o Maracanã inteiro ouvir.

 

(Foto por João Carlos Gomes/Bangu Oficial)

 

Todos acreditaram. Mas infelizmente, não foi o suficiente. Aos 14, Yan Sasse recebeu passe de Cáceres pela direita, invadiu a área banguense e bateu forte bem no ângulo de Jefferson Paulino, ampliando para o Vasco.

 

Mesmo lutando até o fim, o Bangu foi eliminado. E só. Derrotado, jamais. Um time que começou o campeonato desacreditado, sem grandes investimentos ou espaço na mídia, encantou o Rio com seu futebol. Sem nenhuma estrela no elenco e depois de uma turbulenta troca de treinador no meio do campeonato, o Bangu deu um exemplo de humildade e trabalho coletivo, valores que o eterno ídolo do clube e atual técnico Ado de Souza conseguiu, junto com Marcão, passar para os jogadores.

 

O Bangu é gigante, e agora ninguém mais tem dúvidas disso. Voltamos a lotar os vagões dos trens rumo ao Maracanã para ver o Bangu jogar; voltamos a festejar em Moça Bonita; o grito de “gol” finalmente voltou às arquibancadas. Ano que vem voltaremos a encarar as estradas para seguir o Alvirrubro, para que todos saibam, nos quatro cantos do país: o Banguzão voltou!

 

A partida

Vasco 2x1 Bangu - Campeonato Carioca, semifinal, jogo único - 07/04/2019 às 16h

 

Estádio do Maracanã (Rio de Janeiro - RJ)

Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda

Assistentes: Michael Correia e Carlos Henrique Alves de Lima Filho

 

Vasco: Fernando Miguel; Cáceres, Werley, Ricardo Graça e Danilo Barcelos; Bruno Silva, Lucas Mineiro e Bruno César (Lucas Santos, 20'2ºT); Rossi (Yan Sasse, 27'/1ºT), Marrony e Tiago Reis. Técnico: Alberto Valentim.

 

Bangu: Jefferson Paulino; João Lucas, Rodrigo Lobão, Anderson Penna e Dieyson; Felipe Dias (Tchô, 17'/2ºT), Marcos Junior (Josiel, 35'/2ºT) e Alex Chander; Yaya, Jairinho e Anderson Lessa. Técnico: Ado.

 

Gols: Bruno César, 07'/2ºT (1-0); Yaya, 11'/2ºT (1-1); Yan Sasse, 14'/2ºT (2-1);

 

Cartões amarelo: Rossi, Yan Sasse, Pikachu, Gabriel Felix (VAS); Felipe Dias, João Lucas, Anderson Penna e Marcos Junior (BAN).

 

Por Gabriella Lima