NÃO FEZ MAIS DO QUE A OBRIGAÇÃO....

… Foi meu primeiro pensamento quando o jogo acabou!

 

Ouvi dizer "ué 5x1 tá ruim?". Não, não está ruim. A não ser que seja você que sofreu os gols, aí a história é outra, (e  disso eu prefiro nem lembrar). Depois, pós euforia, vi que não há motivos para não comemorarmos a vitória, entretanto, sem tirar os pés do chão.

Antes da partida começar, uma parte da torcida protestou em frente aos portões da Vila Belmiro, cobrando as tais contratações outrora prometidas, se fez efeito ou não, é cedo para afirmar, mas em campo, o elenco respondeu.


Com algumas mudanças no time e diante do pior público da temporada, o Santos recebeu o Luverdense na noite desta quinta-feira (10), e fez o que se esperava dele.


Foto: Ivan Storti/Santos.FC

 

O jogo:
O Luverdense começou pressionando, e abriu o placar aos 10' numa cobrança de falta, Vanderlei falhou e Itaqui converteu para a equipe visitante.
O Santos foi buscar o empate, e os 24' Gabriel fez o primeiro dele.
Sob vaias a equipe santista foi para o vestiário, e voltou mais ligada no jogo.
Aos 13' Gustavo Henrique virou para o Peixe, com direito a assistência de Vitor Bueno - titular depois de onze meses -, Gabigol, que ontem fez jus ao apelido, ainda fez mais dois, e aos 40' Yuri Alberto fechou a conta.

Com esse resultado, o Santos pode perder por até três gols
de diferença, lembrando que não há critério de gol fora de casa. Partida de volta, quinta-feira(17) em Lucas do Rio Verde-MT.

Gabigol, que vinha sendo muito cobrado nos últimos jogos, após essa vitória, chegou a marca de 65 gols com a camisa do Peixe em 173 jogos, e disparou na artilharia como maior goleador do clube na história da Copa do Brasil, com 18 gols.

Esse resultado não apaga a péssima atuação diante do Grêmio, mas alivia o clima na Vila Belmiro e, querendo ou não, é um passo importante em direção à próxima fase da Copa do Brasil. Porém é necessário melhorar o futebol apresentado, caso pretenda-se ir mais longe na competição.


 





Foto: Ivan Storti/Santos.FC

 

Por fim, o gesto de Alison passando a braçadeira de capitão à Vanderlei nos remete ao sentimento do torcedor. Uma pequena ilustração da situação, nós, os torcedores podemos ser o Alison, e Vanderlei representa o Peixe. Num jogo a gente xinga, no outro a gente apóia.  

O próximo jogo do Santos é contra o Paraná, domingo, às 19h, na Vila Belmiro, pelo Brasileirão.

Por Andra Jarcem