Não nos representam!

Antes de mais nada, responda a uma simples pergunta: Você se sente representado pela atual gestão do Timão?

 

Bem meus caros leitores, há anos sinto que somos comandados por pessoas que não entendem, o verdadeiro significado do Corinthians.

Corinthiano é muito intenso, é 8 ou 80, é paixão aflorada, é feito de amor pelo clube. Somos diferentes de nascença. Ostentamos e lutamos por um pavilhão, de uma forma que nenhuma outra torcida faz igual, e digo isso, considerando os verdadeiros loucos do bando, considerando aqueles que de fato sabem- e sempre souberam, o que é o Corinthians.

O Corinthians não é título, não é Arena, não é apenas um clube de futebol, mas sim um estilo de vida!

Para muitos pode até parecer que este não seja o momento de questionar o trabalho de Roberto de Andrade, Alessandro, Flávio Adauto e companhia, e devo lhes confessar, que este texto foi postergado por muito tempo, e hoje mesmo com a boa fase da equipe é chegado o momento de “colocar os pingos nos is”. Sabemos bem, que a atual  situação do time é feito exclusivo de Fábio Carille e sua comissão, e não da cúpula alvinegra. Digo isso, porque todos os alvinegros têm a ciência de que Carille foi apenas um tapa buraco emergencial, que em nenhum momento a diretoria lhe deu crédito e que ele viveu, e talvez ainda viva, sob a sombra da desconfiança. Quando em 2016 a torcida pediu uma chance para Osmar Loss e Carille, nossa diretoria bateu os pés, trazendo técnicos de campanhas pífias, sem a menor chance de dar certo no Timão, jogando mais uma vez, o dinheiro do clube ralo abaixo e pagando um alto preço, com campanhas e eliminações desastrosas.

 

Apresentação de Carille como treinador. Foto: Globo Esporte

 

Como miséria pouca é besteira, os dirigentes do clube conseguiram nos surpreender mais uma vez de forma negativa, com seguidos agradecimentos aos “nãos” recebidos em negociações, apequenando o Corinthians. Quando via as notas emitidas, só conseguia pensar: será que eles têm dimensão do que é o Corinthians? Pois tenho a certeza de que nem ao menos um terço, eles conheçam!

Não posso passar por este texto, sem citar a posição omissa dos gestores do clube, ao verem os direitos da Fiel serem lesados. Ahhh que saudade do velho Vicente Matheus! Ele sim, louco e inconsequente valorizava a Nação e o clube, acima de sua própria vida!

Corinthiano de coração, Vicente tirava de seu próprio bolso, para suprir o clube e de tão grande que era o seu sentimento, trocou de endereço para ficar perto do Corinthians, deixando a zona leste e vivendo no Tatuapé. Sócio desde 1934 e ocupando o cargo mais alto por quase 20 anos, o eterno presidente, era capaz de dar sua vida pelo clube. Sabe quando Vicente permitiria que o Corinthians jogasse sem a Fiel? NUNCA! É dele a famosa frase: NO DIA EM QUE A FIEL NÃO PUDER ENTRAR NO ESTÁDIO, O TIME NÃO VAI ENTRAR EM CAMPO! E hoje, nossos dirigentes, simplesmente assistem, sem reação, e quando se posicionam, não tem afinco, aceitam calados as imposições da federação e da PM.

O emblemático Vicente Matheus, só deixou de lutar pelo Corinthians, quando o câncer lhe tirou as forças. E assim, uma nova figura surgia em nossa história: o controverso Alberto Dualib.

 

Vicente e Dualib, chegaram a ser aliados, porém a luta pela presidência, causou a discórdia entre os dois. Foto: Gazeta Press

 

Que o fim da era Dualib foi desastroso, todos nós sabemos, mas o presidente ficou quase 15 anos no poder, tendo a gestão mais vitoriosa de nossa história. Milhões foram colocados no clube, algo em torno de 12 milhões e de tanto que pensava no Corinthians, Dualib perdeu todas as suas empresas. Tudo começou a naufragar no clube, quando o mandatário, deu ouvidos a um certo jovem...a Andrés Sanches.

E daí pra frente você provavelmente conhece a história….passamos pelos mandatos de Andrés, a de Mario Gobbi, até o começo da nossa desgraça, com Roberto de Andrade no poder.

Sob o comando de Roberto, o clube entrou em decadência. A transição foi malfeita, nosso caixa esvaziado e vivemos a saga do Naming Rights da Arena. Um estádio sem identidade e afundado numa dívida bilionária. Com seu estilo autoritário, Roberto rachou com seu padrinho Andrés para bancar Oswaldo de Oliveira e o clube sofreu as consequências, uma vez que o time não se classificou para a Libertadores, e a torcida se afastou do estádio. Sem público, disputando campeonatos menores, os torcedores de momento, passaram  a cancelar seu sócio.

Por falar em sócio, o sistema do Corinthians é outro erro gigantesco da gestão, afinal alguém entende como o time que tinha o maior número de sócios torcedores do Brasil, recebia menos que o terceiro colocado do ranking? como podia o clube receber menos de 50% do dinheiro pago pelo torcedor?

Roberto alega que sua missão é sanar as dívidas do clube, mas os balanços divulgados, são mais hilários do que espetáculos circenses. Além disso, Roberto surgiu do nada com o garoto propaganda Flávio Adauto, após a saída de Eduardo Ferreira, que pediu demissão quando Andrade, passou por cima de suas decisões ou sequer o comunicou da contratação de Oswaldo. Alguém por favor me diga de onde ele saiu! Mas o melhor é a dupla “DebiLoide” formada com Alessandro! Quando as coletivas são anunciadas é impossível não rir das desculpas esfarrapadas dada por eles.

 

Trio parada dura! Foto: Jovem Pan

 

Na base, muitos atletas ainda são perdidos por contratos mal feitos, jogadores saem sempre criticando o mal caratismo da gestão do clube e o torcedor, segue pagando a alta conta.

Depois de sofrer com a possibilidade de impeachment, Roberto ficará no poder até 2018 e já disse em entrevista que por ele, o diretor e o gerente de futebol “DebiLoide”, seguirão no poder. É nessa hora que me apego a existência de um Deus Fiel, e peço a ele que não nos castigue! Pelo menos Alessandro tem proposta de se juntar a equipe de Tite na seleção.

A verdade é que nos falta um Corinthiano no poder, alguém que compreenda o que cada louco sente. Tenho a certeza que essa representatividade, colocaria o Corinthians novamente nos eixos. Mas simplesmente ser Corinthiano, não resolveria o problema! Precisamos de alguém completamente preparado e que não queira somente lucrar e enriquecer às custas do clube. Isso não quer dizer que devemos ter outro Vicente ou outro Dualib, injetando dinheiro no clube e estabelecendo gestões longínquas, mas sim, que pelo menos 1% do amor ao clube, ele tenha igual.

Não me sinto representada, sinto que falta brio e a gana do Fiel torcedor aos que hoje formam a cúpula Corinthiana, mas acima de tudo falta humildade! Para piorar, temos uma oposição fraca e o lobo em pele de cordeiro, Andrés Sanches, parece estar novamente à espreita para assumir o poder no clube.



por Mariana Alves, pelo Corinthians, com Muito Amor, até o Fim!