Não tem como negar, existe uma mística entre São Paulo, Morumbi e Libertadores da América.

O que aconteceu ontem (13), vai muito além de jogar bem ou não, vai além de Calleri, vai além de Ganso, vai além de mais de 50 mil torcedores. O que vimos ontem foi a história e a camisa do São Paulo Futebol Clube pesar!

O clima nas redondezas do estádio Cicero Pompeu de Toledo era de festa, antes mesmo da partida começar, quando o ônibus que trazia os jogadores chegou, já se notava o que cada torcedor queria ver em campo, e ele viu! 

A entrada principal do estádio virou um corredor de fogo, os jogadores foram recebidos da melhor maneira possível, com bandeiras, sinalizadores, fumaça, bateria e o grito do torcedor! 

(Foto: Marcelo Hazan)

O elenco São-Paulino demonstrou raça, vontade e força. Não sei se o treinador Patón fez ou falou algo diferente para os jogadores ou se foram os mais de 50 mil torcedores que com seu apoio passou o espírito de Libertadores para eles. Mas, alguma coisa aconteceu e essa coisa tem que continuar a acontecer, pois o time precisa jogar assim, na Libertadores, no Paulista e principalmente em clássicos, afinal, este é o São Paulo que o torcedor quer e merece!

Em campo, o Tricolor começou dominando o jogo, a primeira etapa só deu São Paulo. A torcida, mesmo que punida (as organizadas do São Paulo foram impedidas de entrar com faixa e instrumentos), cantou o tempo todo, na palma da mão e na voz empurrava o time em direção ao gol. E aos 28’ da primeira etapa, Bruno cruzou para Calleri que matou no peito, a bola chegou a pegar em Ganso, mas sobrou novamente para o argentino que finalizou de voleio, fazendo com que a arquibancada soltasse mais uma vez a música que vem virando hit “TOCA NO CALLERI QUE É GOL”. 1 X 0 São Paulo. 

Não tinha bolada perdida no jogo não, Hudson desarmou como nunca, Maicon comandou a defesa como vem fazendo nas últimas partidas e até o contestado Michel Bastos que vinha fazendo corpo mole, mostrou atitude.

No segundo tempo o time voltou pressionando, porém, um pouco relaxado, deu espaço para o River começar a jogar, mas antes dos argentinos começarem a gostar do jogo, Michel Bastos cruzou e o também argentino (só que este são-paulino) JHONATAN CALLERI, subiu sozinho e cabeceou no fundo do gol.

 2 x 0 São Paulo e o pedido do amigo Pablo Oswaldo, atacante do Boca Juniors, atendido com sucesso!

"Atuais principais jogadores do time, Ganso e Callerri comemoram no Morumbi" 

(Foto: CidadeNewsOnline)

E como já era previsto, o clima esquentou, Bruno estava caído no chão e Vangioni chutou a bola no jogador. Hudson que estava por perto chegou junto e começou a se estranhar com o zagueiro, mas o alvo era mesmo Calleri. Assim que o jogador se aproximou, a confusão se voltou para ele e Vangioni soltou um tapa na cara do atacante, daí em diante foi o maior empurra-empurra. D’Alessandro discutia com todo mundo e até Lugano que estava se aquecendo na reserva entrou no meio para acalmar os nervos. A situação foi resolvida com a expulsão do camisa 21 do River Plate e cartão amarelo para o camisa 12 São Paulino. 

Na sequência da confusão, Bruno deu um chapéu em D’Alessando que fez a torcida ir à loucur! O meio campo foi logo substituído por Lucho González e o Calleri também saiu (inclusive Ganso pediu a substituição do atacante a Bauza, já que era mais que óbvia a perseguição dos rivais em cima dele), apesar de contrariado, o camisa 12 deixou o campo ovacionado para a entrada de Alan Kardec.

O River não conseguia ter qualidade com um a menos e precisou mexer ainda mais, tirou Ignacio Fernández e Alario para a entrada Iván Alonso e Bertolo. Cresceu na partida e voltou a chegar ao gol, mas a zaga São-Paulina trabalhava bem demais. 

O ataque tricolor caiu de qualidade, Kardec errava demais, só não mais que Centurión que entrou no lugar de M.Bastos ao 37’ da segunda etapa, antes disso, Bauza já tinha tirado Kelvin que fez uma excelente partida para a entrada de Thiago Mendes.

E aos 38 minutos, Denis saiu mal, falhou grotescamente mais uma vez e Iván Alonso antes de completar 10 minutos em campo marcou para o River Plate. Então os argentinos chegaram a sonhar com o empate, ainda mais quando o João Schmidt que já havia levado amarelo por besteira (reclamação), recebeu o segundo cartão por chegada dura em Bertolo e foi expulso. 

O jogo ficou tenso, Bauza pedia calma aos jogadores, o coração de cada um dos mais de 50 mil torcedores tricolores já quase saia pela boca em cada ataque dos argentinos. Devido a toda confusão e inúmeras substituições o árbitro uruguaio André Cunha deu 4 minutos de acréscimos.

 

(Arquivo Pessoal)

Kardec ficou cara a cara com o goleiro e chutou para fora, Ganso ainda avançou com velocidade e tocou para Centurión marcar, mas o argentino finalizou mal e a bola foi por cima do gol. O River tentou pressionar nos minutos finais, o zagueiro Maicon ainda deixou o braço no cara do argentino Mora esquentando novamente o clima e na última chance, já aos 50 minutos do segundo tempo, a zaga tricolor afastou a bola de qualquer jeito e o juiz apitou o final do jogo!

Vitória suada e merecida tanto para os jogadores como para a torcida! Agora o São Paulo soma 8 pontos e só precisa de 1 ponto na difícil altitude de La Paz contra o The Strongest no próximo dia 21 para conseguir a classificação para as oitavas da competição continental!

O River Plate, por sua vez, recebe o Trujillanos em casa no mesmo dia e horário. Os argentinos também somam 8 pontos e são lideres do grupo devido ao saldo de gols.

E fica mais que claro que o São Paulo no Morumbi cresce demais e quando a torcida resolve comparecer as coisas melhoram significativamente. 

Sobre os 51.342 torcedores e recorde de publico no Brasil no ano é preciso dizer que isso acontece primeiramente porque temos um estádio da grandeza do Morumbi. Segundo que a maior parte da torcida do São Paulo é acomodada e torcida de final SIM! Independente dos motivos que cada um dê, o jogo de ontem foi às 21h45 na quarta-feira, sem feriado e com tudo contra, mas como era importante o torcedor resolveu sair do sofá e ir! Claro que isso não se aplica a todos os torcedores (principalmente os membros das organizadas) que estão com o São Paulo em todos os momentos, nos bons e ruins, mas grande maioria só quer saber de final! Sabemos que a partir de agora cada jogo é uma final então o publico vai comparecer! No mínimo na Libertadores da América.

FICHA TÉCNICA 
SÃO PAULO 2 X 1 RIVER PLATE 


Local : estádio do Morumbi, em São Paulo (SP) 
Data-Hora : 13/4/2016 - 21h45 (horário de Brasília) 
Árbitro : Andrés Cunha (URU) 
Auxiliares : Carlos Pastorino (URU) e Nicolás Tarán (URU) 
Público/Renda : 51.342 pagantes / R$ 2.550.465,00 
Cartões amarelos : Calleri e João Schmidt (SAO), Mercado, Domingo (RIV) 
Cartões vermelhos : Vangioni e João Schmidt 
Gols : Calleri 28' 1ºT (1-0); Calleri 14' 2ºT (2-0); Iván Alonso 38' 2ºT (2-1) 
SÃO PAULO : Denis; Bruno, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; João Schmidt, Hudson, Kelvin (Thiago Mendes 33' 2ºT), Ganso e Michel Bastos (Centurión 37' 2ºT); Calleri (Alan Kardec 26' 2ºT). Técnico : Edgardo Bauza 
RIVER PLATE: Barovero, Casco, Mercado, Balanta e Vangioni; Mayada, Nico Domingo, Fernández (Bertolo 29' 2ºT) e D'Alessandro (Lucho González 23' 2ºT); Mora e Alario (Iván Alonso 29' 2ºT). Técnico : Marcelo Gallardo 

(Foto: Fernando Nunes)

Jéssica Nogueira Gonçalves