No carnaval do Flamengo, teve bacalhau sim!

 

 

Um dos blocos de carnaval mais famosos do Brasil é o Bacalhau do Batata, que acontece em Olinda na quarta-feira de cinzas, mas no Rio de Janeiro também teve bacalhau e no sábado gordo de carnaval. Isso porque o Flamengo venceu o Vasco por 1 a 0, com gol de Diego. Mas o mais gostoso que a vitória, foi ver que o Flamengo venceu com autoridade. Foi superior ao adversário e mandou no jogo, bem diferente do último Flamengo e Vasco na Arena da Amazônia onde tudo o que se via era um Flamengo perdido em campo, pilhado e entrando na provocação do rival.

 

 

Foto: Gilvan de Souza/Flamengo


 

E como Zé Ricardo falou durante a semana. O Flamengo fez uma nova história e colocou um ponto final na sequência vascaína de nove jogos sem perder para o Fla. Pois, aos 41 minutos, de pênalti, Diego acabou com o tabu do rival. Outra coisa diferente dos últimos jogos foi ver que Guerrero não entrou na pilha de Rodrigo. Se em outros jogos, o zagueiro aterrorizou o centroavante do Fla e fez o peruano perder as estribeiras, dessa vez, Guerrero focou no jogo. O gol não saiu, mas demonstra bem a mudança de espírito da equipe.

Antes do gol, a melhor chance do Flamengo havia sido aos 26 minutos, quando Everton recebeu bola enfiada por Rafael Vaz e partiu pela esquerda chegando cara a cara com Martín Silva, mas ao tentar passar a bola, a zaga do Vasco cortou. Poucas chances foram criadas no primeiro tempo, que foi bem amarrado. As duas equipes mostravam vontade, mas com uma marcação forte e muitas faltas, o jogo acabou parando muito.

No segundo tempo, o Vasco voltou com a marcação adiantada para tentar conter a posse de bola do Flamengo e tentar virar a partida. Mas o Fla foi o primeiro time a ter uma chance boa na etapa complementar. Aos 13 minutos, Diego tocou para Guerrero passar a bola de primeira para Willian Arão. Porém, pegou por baixo da bola e chutou por cima do gol de Martín Silva.

Após a parada técnica, o Vasco voltou mais determinado e passou a manter a bola em seu campo de ataque. Aí que entra o destaque da defesa, que bem postada afastava o perigo. Rafael Vaz e Rever tiravam o perigo. Rômulo fez desarmes importantes. Willian Arão quando não conseguia na habilidade, ia na raça mesmo. E o que falar de Gabriel, que ao desarmar uma bola vibrou como se tivesse feito um gol? Raça exalando dentro de campo. Muralha, todas as vezes que foi solicitado, fez boas defesas. Fez jus ao apelido.

Os ataques do Vasco deram espaço para o Flamengo sair no contra-ataque. Foi aí que a velocidade de Berrio (que entrou no lugar de Everton) foi uma das armas do Flamengo. Em uma das jogadas, o colombiano deixou o marcador no chão.

Poderíamos ter feito o segundo gol com Diego, que chutou para Martín Silva espalmar. Poderíamos ter feito o segundo gol quando no rebote Rever tocou para o gol, mas o zagueiro do Vasco salvou em cima da linha. Poderíamos ter feito o segundo gol quando Vaz pegou a sobra, passou para Romulo tentar encobrir o goleiro uruguaio, mas a zaga tirou. Dava pra ter aumentado aos 29, quando Diego recebeu de Berrio e chutou forte. A bola foi no pé da trave. Martín Silva só olhou.

Mas era pra vitória ser por 1 a 0 com direito a “olé” da torcida, com um time jogando e dando gosto à nação que acompanhava a partida, com direito à classificação e uma alma lavada por ver acabar  zoeira vascaína após o clássico, algo que estava virando uma dura rotina. Que venha o Fluminense no dia 5 de março.

 

No Futebol somos rivais, não inimigos

 

SRN

 

Flamengo 1 x 0 Vasco

 

Local: Estádio Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)

Árbitro: Leonardo Garcia Cavaleiro

FLAMENGO: Muralha, Pará, Revér, Rafael Vaz e Trauco, Rômulo, William Arão e Diego; Mancuello (Gabriel), Guerrero (Felipe Vizeu) e Everton (Berrío). Técnico: Zé Ricardo.

VASCO: Martin Silva, Gilberto, Rodrigo, Luan e Henrique; Jean, Douglas (Guilherme, aos 12'/2ºT), Wagner (Escudero) e Nenê; Kelvin (Muriqui) e Thalles. Técnico: Cristovão Borges.


por Camila Leonel