NO SUFOCO, DEU PEIXE!

(Twitter/Santos FC)

Foi no sufoco! Um sofrimento desnecessário para quem estava jogando dentro de casa e deveria comandar a partida. O Santos Futebol Clube teve uma atuação apática, principalmente no primeiro tempo, onde aparentemente, apenas a torcida e o time adversário pareciam acordados, pois o alvinegro estava dormindo em campo.

O Coritiba, jogando com tranquilidade, conseguia chegar na área do time santista com facilidade, criando jogadas perigosas e deixando o torcedor alvinegro com o coração na mão.

Além de diversos erros que o Peixe cometia, para “ajudar” ainda mais, o trio de arbitragem  errou muito, prejudicando a equipe em jogadas que o time santista poderia levar a melhor.

Fazendo o jus ao ditado “quem não faz, toma”, aos 19 minutos do primeiro tempo, Kléber abriu o placar para o Coxa.

Lucas Lima, que vinha se recuperando de uma contusão, levou uma pancada no início da partida e teve uma atuação apagada, o que contagiou o restante de seus companheiros, já que todos estavam apagados – ou quase todos – já que Gabriel, apesar de suas jogadas não terem sido finalizadas com sucesso, parecia ser o único que estava buscando jogo.

Ao final do primeiro tempo, na saída do gramado, Gabriel olhou em direção à torcida e disse: “Calma, nós vamos ganhar!”. E nós só queríamos que ele estivesse certo!

No retorno para a etapa complementar, Lucas Lima não retornou à campo, e em seu lugar, entrou Paulinho. Aos poucos, a equipe começou a aparentar uma melhora e criar jogadas perigosas.

Aos 16 minutos, Vitor Bueno marcou para o Peixe em cobrança de falta, empatando a partida na Vila Belmiro. O gol do meia animou a equipe, que passou a ir mais pra cima do time do Coritiba que foi obrigado a jogar mais recuado.

O tempo foi passando, Dorival mexeu mais duas vezes na equipe, colocando Ronaldo Mendes e Matheus Nolasco no lugar de Joel e Vitor Bueno, respectivamente. Matheus, merece destaque! Entrou bem na partida, mostrando vontade e chamando o jogo, ajudando a equipe a ir em busca do segundo gol, que quanto mais o tempo passava, ficava mais distante.

Aos 38 minutos, Renato recebeu uma pancada e começou a sentir. Dorival não poderia mais mexer na equipe, pois já havia utilizado as 3 alterações. E assim, Renato permaneceu em campo na base da superação!

O árbitro deu 7 minutos de acréscimo, SETE! Era a hora do “tudo ou nada”. O Santos pressionava, mas sem sucesso nas finalizações.

No último minuto de jogo, no último lance, Victor Ferraz cruzou e Renato subiu cabeceando a bola que foi direto para o gol. 2x1. O GOL DA VIRADA! Marcado por aquele que permaneceu em campo sentindo dores, pelo capitão da equipe! Renato... Aquele que sempre será um “menino da Vila” mesmo não sendo mais tão menino assim...

Fim de papo, fim de jogo. No sufoco, deu Peixe.

Com uma atuação muitíssimo abaixo do esperado e com erros que devem ser ajustados neste início de campeonato, caso a equipe queira buscar algo maior. Pois sabemos que iremos sofrer  - e muito - com as ausências dos jogadores que irão para a Seleção.

Em partidas como a de hoje, ficou claro de que não se deve deixar de acreditar em uma vitória até que o juiz apite o fim da partida. Afinal, o futebol é uma caixinha de surpresas!

“Jogue o que jogar, és o Leão do Mar!”

Carolina Ribeiro