O Atlético para os atleticanos

 

O apito soa.

E é então que a visão de milhões se resume em apenas duas cores: o preto e o branco. Os olhos sempre atentos agora só enxergam o gramado, a bola e os 22 jogadores em campo. A garganta emite o grito da alma, as vozes são o combustível que embala o amado Clube Atlético Mineiro para mais uma vitória.

Não, não é só um jogo de futebol.

FOTO: Site Oficial Atlético-MG

É quando nos sentimos em casa. É quando somos nós mesmos. O peito se abre para sentir o turbilhão de sensações que só quem é atleticano sabe como é. Mesmo depois daquele pé esquerdo aos 48 do segundo tempo contra o Tijuana ou quando a fé de cada alvinegro fez com que Ferreyra escorregasse frente ao gol já em aberto. Mesmo após viradas históricas e defesas inimagináveis o coração do atleticano ainda se prepara para cada batalha, sempre pulsando no ritmo que os jogadores impõem em campo, sem nunca deixar de acreditar.

É o que acontece ali, entre as quatro linhas, que faz de nós seres humanos completos. O atleticano se sacia de Atlético. O nosso humor compactua com o time, toda a força que temos daremos sempre à ele, porque essa incrível simbiose que existe entre torcida e equipe é que torna o nosso time imortal.

A vitória é o que queremos, apoiaremos os 90 minutos para que isso aconteça, mas se a derrota vem, nos fortalecemos de novo e sempre lembramos que ao perder uma batalha, ainda não perdemos a guerra. O espírito que o Atlético carrega é como se diz no hino sempre entoado em coro, com aquele som que vem da alma: “Lutar, lutar, lutar, com toda a nossa raça pra vencer”.

Jamais abaixamos a cabeça, a fé do atleticano é inabalável.

E a cada novo jogo que começa, o atleticano se faz presente, em alma, em corpo, em coração. Vivemos o Galo e fazemos dele a nossa religião. O amor nunca acaba, bem como a glória do Clube Atlético Mineiro.

 

Por Júlia Campos - Por você e com você até o final, Galo!