O BEM DO AMADO CLUBE

Hoje achei por bem escrever um pouco sobre a atual situação do Tricolor Mais Querido, que um dia foi Soberano, mas que ultimamente tem passado por maus momentos. Tanta coisa ruim explodiu em tão pouco tempo, e quem mais deveria estar ciente de tudo, não sabia de nada: os torcedores.

O São Paulo já passava por momentos de turbulência, mas com a chegada de Carlos Miguel Aidar, parece que a coisa desandou totalmente.

O ex-presidente passou a comandar o clube em Abril de 2014, propondo renovação e deixando os torcedores com um fio de esperança, acreditando que dias melhores estavam por vir. Isso tudo após São Paulo enfrentar um de seus piores momentos, quando chegou a amargar algumas rodadas na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, no último mandato de Juvenal Juvêncio, em 2013.

Foram os 18 meses mais conturbados que o clube já viveu. Desde inimizade com os dirigentes dos três grandes rivais paulistas, à discussão que culminou na briga com o vice de futebol, Ataíde Gil Guerreiro, Aidar fez e aconteceu enquanto esteve à frente da presidência. E o São Paulo, que antes era conhecido como “clube exemplar”, virou motivo de chacota e a cada dia vem sendo mais ‘humilhado’, por conta das atitudes do ex-presidente.

Além disso, após conquistar a presidência, rompeu com aquele que o tinha indicado (Juvenal Juvêncio), contratou Juan Carlos Osório, prometendo a ele mundos e fundos (o que não era verdade!), negociou grandes e importantes jogadores do elenco (que faziam parte dos planos do professor colombiano em busca do título do Brasileirão 2015) para tentar amenizar a dívida que o clube veio contraindo ao longo dos anos (e de nada adiantou, porque a dívida continua), isso em meio a dois campeonatos, foi desonesto quando se tratava de contratações (incluindo o caso do zagueiro Iago Maidana), levando o clube a ser julgado pelo STJD, podendo ser punido até com a pena máxima, que seria o rebaixamento para a série B, tudo isso por conta de comissões e mais comissões, falcatruas e corrupção. É tanto lixo podre, que dá medo remexer e acabar encontrando muito mais.

E como se isso já não fosse o bastante, houve o episódio entre ele e Ataíde, onde os dois acabaram se envolvendo em uma discussão, que terminou com o vice de futebol dando um soco no rosto de Aidar, fazendo-o ir ao chão. Com isso, o ex-presidente demitiu Ataíde, que preferiu ficar em silêncio, mas prometeu denunciar os podres de seu ex-patrão. Diretores que não eram a favor da política de Aidar também entregaram seus cargos, levando o mesmo a se ver sozinho, em meio a um turbilhão de denúncias contra o seu mandato e gestão. Sem forças para continuar comandando a presidência do clube, Aidar renunciou. Era o que muitos, se não todos, queriam.

O presidente do Conselho Deliberativo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, assumiu a presidência, e daqui mais uns dias (pouco mais de um mês) deverá convocar novas eleições, sendo ele, por enquanto, o único candidato, já que Paulo Amaral, conhecido desafeto de Rogério Ceni, desistiu de entrar na disputa.

Assim que Leco assumiu o cargo, trouxe de volta Ataíde Gil Guerreiro, e alguns diretores que haviam saído quando Aidar ainda estava no comando, voltaram.

O São Paulo, por enquanto, tem um futuro incerto. Não sabemos o que acontecerá ao “clube da fé”, que no momento briga para conquistar a última vaga do G4, e também o inédito título da Copa do Brasil. O que esperamos é que Leco, ou aquele que assumir a presidência, juntamente com os outros, lute para que o time volte a ser aquele time soberano, que era grandioso e que passava confiança. Que o atual presidente possa averiguar as denúncias (que são bem graves!) feitas, para que os envolvidos possam pagar por seus erros. Que ele não dê lugar para a impunidade, pois caso isso ocorra, a guerra vai estar declarada, já que todos nós queremos respostas e lutaremos para obtê-las. E que faça tudo isso sem deixar que toda essa crise política interfira no futebol dos atletas, dentro de campo, ou até mesmo em suas vidas pessoais.

Que o novo presidente, sendo ou não o Leco, aproveite o seu trabalho para proporcionar, de fato, uma renovação ao clube. E que possa fazer isso com louvor, tendo a oportunidade de marcar a história do São Paulo e, principalmente, sendo lembrado como alguém que fez de tudo para manter o São Paulo Futebol Clube como o “clube bem amado”!

Por Renata Chagas