O coração pontepretano não foge à luta!

 

Washington Stecanela Cerqueira, um guerreiro alvinegro.



 

O coração pontepretano pulsa forte quando a Macaca entra em campo, mas nenhum foi tão valente e guerreiro quanto o de Washington. O atacante se tornou ídolo da torcida campineira depois de 82 gols em 102 partidas, sendo aplaudido até quando fez três gols contra a Ponte Preta em uma partida pelo Atlético-PR.


 

"Foi uma das coisas mais emocionantes da minha vida. Inesquecível"

 

Nome Completo: Washington Stecanela Cerqueira

Data de Nascimento: 1 de abril de 1975 – Brasília

Posição: Atacante

Período em que atuou na Ponte Preta: 1998 – 2000 a 2002


 

         

 

 

 

 

 

 

 

O Início

 

Um centroavante clássico pra alguns, um matador pra outros, Washington iniciou sua carreira em 1989 nas categorias de base do Brasília, time de sua cidade Natal. Aos 16 anos mudou-se para o Rio Grande do Sul onde defendeu a equipe do Caxias marcando naquele ano o gol do título da categoria Juvenil. Aos 18 anos, Washington se profissionalizou continuando sua trajetória no Sul, passando ainda pelo Internacional, Grêmio. Com poucas chances e uma série de lesões seguidas, acabou retornando ao Caxias.

 

   Ponte Preta e Seleção Brasileira

É então que a história do nosso ídolo começa – Em 1998, Washington teve sua primeira passagem pela Ponte Preta, marcando sete gols pela séria A2 do Paulista. Sem o rendimento esperado, retornara ao  Caxias, em seguida se transferiu ao Paraná Clube, retornando para Campinas em 26 de julho de 2000.

 

 

Foi então com 25 anos que Washington brilhou no cenário nacional, marcando naquele ano 16 gols pela antiga Copa João Havelange. Em 2001 foi artilheiro do Campeonato Paulista com 14 gols marcados, abrilhantando e deslanchando de vez sua carreira.

Foi sua boa atuação com a camisa da Macaca, que lhe rendeu em 2001 sua primeira convocação para vestir a camisa Amarelinha da Seleção Brasileira, estreando no dia 25 de abril de 2001, com 26 anos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2002, no empate de 1 x 1 contra a Seleção do Peru.

Convocado pelo então técnico Emerso Leão, defendeu a seleção pela Copa das Confederações de 2001, sendo titular durante toda a competição, marcando um gol contra Camarões na vitória de 2 x 0. Em 2002 já sob o comendo de Luiz Felipe Scolari, substituindo Luizão. Saiu do banco de reservas para marcar um gol na vitória da Seleção sobre a Bolívia por 6 x 0, em amistoso no Serra Dourada. Diante de todas as convocações, Washington mantinha a esperança de ser convocado para a Copa do Mundo de 2002, entretanto, isso não aconteceu fazendo com que seu último jogo com a camisa canarinha fosse no dia 07 de março contra a Islândia, com a vitória de 7 x 0 mas sem gols marcados pelo atacante.

 

Créditos: copa2014


 

Os Vários Problemas de Saúde

Durante toda sua carreira como jogador, Washington passou por vários problemas de saúde, que chegaram até a comprometer seu futuro no esporte. Ainda em 1996 quando defendia o Caxias, com 21 anos, sofreu uma lesão no tornozelo que o afastou por 40 dias dos gramados. Durante esse período perdeu 10 quilos e após uma série de exames foi diagnosticado com diabetes tipo 1, fazendo com que o jogador entrasse em uma dieta rígida e usasse doses de insulinas diárias.

Em 2002, já com 27 anos, quando defendia o Fenerbahçe, durante um dia normal de treinamento começou a sentir dores no peito. Realizou mais uma série de exames entre eles ergométricos que contataram anomalias nos batimentos cardíacos. O jogador foi então submetido a uma cirurgia de angioplastia para desobstruir uma de suas artérias que estavam entupidas pelo colesterol. Foi implantando uma pequena válvula de aço cirúrgico para dilatação fazendo com que o sangue voltasse a circular. De acordo com o cardiologista argentino, Constantino Constantini, ele correu um grande risco e estava prestes a ter uma parada cardíaca e à beira de sofrer um infarto.

Desligando-se do time Turco, retornou ao Brasil para se apresentar ao Atlético – PR, mas exames realizados antes da assinatura do contrato detectaram indícios que mais uma obstrução na artéria e o jogador foi submetido a mais uma intervenção cirúrgica para implantar mais duas novas válvulas.

Em três segundos ele me convenceu de que se recuperaria. Ele disse: 'Presidente, eu quebrei as duas pernas e disseram que eu não voltaria a jogar. Eu disse que ia e voltei. Depois eu tive diabetes e falaram a mesma coisa e eu voltei. Agora, o coração. Mas eu vou voltar a jogar'. Assim, com uma força de vontade dessas, não tem quem não acredite.

Mário Celso Petraglia, ex-presidente do Atlético-PR.


 

Aposentadoria

 

Após o título nacional pelo Fluminense e sua reapresentação para pré-temporada de 2011, iniciaram-se as negociações para renovação de contrato, e mesmo com aprovação nos exames médicos alguns dias depois seu contrato não foi renovado pelo clube carioca. Foi então que no dia seguinte as especulações chegaram ao fim – O Coração Valente anunciava sua aposentadoria.

Quero comunicar a vocês todos que estou deixando o futebol. Estava me preparando para jogar esse ano ainda. Mas conversei com o Celso [Barros, presidente da Unimed], o Alcides [Antunes, vice-presidente de futebol do Fluminense], e pensei muito. Foi um momento difícil demais. Mas é preciso ter humildade e hombridade. O que dei para o futebol e o futebol para mim não vai se apagar. Realizei meu sonho. Queria deixar claro que não deixo o futebol por problema de saúde. Fiz os exames em dezembro e todos mostraram que eu estava liberado para jogar. Isso não me impediu. A decisão foi minha. Pensei assim: 'está bom'. Não vai ser um ano que fará diferença. Tenho outros projetos para o futuro", declarou.

—Washington, em seu discurso de aposentadoria.

 

créditos: planetaesportes


 

Coração Valente para a Torcida Pontepretana

 

Cristiano Honorato ”Um dos maiores matadores que já vi jogar, sem dúvidas meu maior ídolo na Ponte Preta. Jogou na melhor fase do time que vivi nas arquibancadas, Chorei junto quando ele fez o gol de número 50 e se ajoelhou no centro do campo pra agradecer. Foi artilheiro jogando em Campinas, honrou o nosso manto e sempre se lembra de citar o nome da Ponte Preta em suas entrevistas. Só teve azar de o Romário estar numa fase de apelo na seleção Brasileira e acabou sendo sacrificado por Felipão e não teve a oportunidade de fazer história também com a "amarelinha".

Gera Navegando Kpoera - Na estrofe de minha música, Nêga Véia do Meu Coração, quando diz: “Sua galera se espalha no mundo inteiro craques louvando seu nome pelos campos do estrangeiro”  .Esta parte dos craques refere-se principalmente ao Washington, pois quando ele estava no aeroporto indo para a Turquia, a Seleção estava embarcando e um amigo nosso o encontrou. Ele conversou com o Washington, que declarou seu amor pela Ponte e pela torcida.

Thata Bajano  - “Ele honrou, respeitou e representou ,merece o respeito que a torcida tem por ele.”

 

       A Ponte Preta para o Coração Valente

 

Pra mim, jogar na Ponte Preta é motivo de orgulho, é um time que eu tenho uma identificação enorme. A Ponte Preta é especial pois foi o time que me fez chegar na Seleção Brasileira, e me fez ficar conhecido no país – sendo artilheiro da Copa do Brasil e do Campeonato Paulista, chegando a Semifinal de Campeonato Paulista.Sempre nas finais dos campeonatos Brasileiros. O time da Ponte era muito forte, minha identificação com a macaca e com a torcida Pontepretana é muito grande. Eu agradeço aos deuses do futebol por ter vestido essa camisa de tanta tradição, uma equipe das mais antigas do país. Tive a honra de estar vestindo essa camisa quando a Ponte comemorou 100 anos de história, de estar jogando na Ponte em 2000. A história da Ponte Preta e do Washington é muito ligada e muito forte eu fico orgulhoso de ter vestido essa camisa e ter representado esse time em muitos campeonatos.”

Não Washington, nós é que agradecemos por tudo que você fez na nossa Ponte Preta. Agradecemos por cada gol, cada jogada, cada comemoração. Agradecemos pela garra, pela luta e por honrar nosso manto sagrado. Obrigada por não esquecer nunca o que a Macaca foi pra você. Se o seu sonho é um dia voltar ao futebol e ser treinador, por mim já esta contratado.

 

 

Obrigada, e sim – VOLTE SEMPRE!!!


por Li Zancheta