O eterno Moicano!

O começo de tudo. E se inicia uma história.

 
foto:Flamengo oficial

  

Foi no dia 12 de junho de 2005 que tudo começou. Leonardo da Silva Moura, nascido em 23 de outubro de 1978, natural de Niterói, começava a escrever sua história no Rubro Negro carioca, história essa, que irei contar para vocês. E que história hein? Que história!

Em 518 jogos, foram 51 gols anotados, marca considerada boa para um lateral. Capitão absoluto, adorado pela maior parte da torcida, dono de uma velocidade que não diminua com o passar do tempo. Muitas vezes criticado, mas sempre sensato, eis Léo Moura que carrega consigo grandes títulos por um único clube. Na verdade Léo é quase um clube. Segue a lista de triunfos:

Campeonato Carioca (2007, 2008, 2009, 2011 e 2014) 

 Copa do Brasil (2006 e 2013) 

 Campeonato Brasileiro (2009)  

 Torneio Super Series (2015). 

  

O começo do fim. A despedida.  

 

A saída do Léo Moura foi para mim como uma facada nas costas, tanto na minha quanto na dele, e sei que muitos compartilham do mesmo pensamento. Depois de 10 TEMPORADAS, não 10 jogos, 10 temporadas, 10 anos do que a torcida diz: “respeito e comprometimento”, o clube que eu amo descartou um dos jogadores que mais amei e amo na história do Flamengo e do futebol.

D E S C A R T O U, assim mesmo, em letras maiúsculas, seco e grosso. Simplesmente descartou, assim como fez com Ronaldo Angelim (outra história que não desce ao torcedor Rubro Negro, mas enfim...)

Não era questão de salário, isso nunca existiu, Léo jogou em épocas críticas em que o salário nem sempre vinha no mês certo. Alegar que seu desempenho dentro de campo não era mais o mesmo, está fora de cogitação, pois nem Messi, jogador top das galáxias vive uma vida cor de rosa desde o início da sua carreira, então o que aconteceu?

Desde toda aquela confusão inicial, em 2014, do “renova ou não renova”, já me senti incomodada, desrespeitada na verdade e depois daquele prazo RIDICULO de renovação vem a notícia do desligamento, com direito a despedida e tudo.

Passei semanas tentando entender o motivo desta decisão e porque diabos despedida. A despedida, era para ser feita daqui a alguns anos, quando ele saísse do clube direto para a aposentadoria.

Como já disse em outro texto e pretendo fazer outro diretamente falando sobre isso, morro de amores por essa diretoria, mas nesse ponto, achei pura hipocrisia e falta de respeito com o jogador e com a nação Rubro Negra. Não tive forças nem para assistir aquela despedida pela TV, era uma mistura de tristeza e raiva que até hoje me desmontam. 

foto:globo esporte

O começo de uma guerra. Flamenguistas x Léo Moura no Vasco.

 

Era um dia como outro qualquer, passo o dia no trabalho e como de costume, sem internet. Depois de uma longa jornada diária cheguei em casa e liguei meu wi fi e de repente, uma enxurrada de mensagens e prints com o mesmo assunto e eu? Apenas não acreditava: LÉO MOURA ESTARIA PERTO DE ACERTAR COM O VASCO e como diz o titio Eurico, 'ponto'. Como assim? Não é o Goiás, não é o Santos, não é o Cruzeiro, é o Vasco, um dos ou se não o maior rival do nosso amado clube. 

As redes sociais do atleta foram lotadas de xingamentos, mas também de muto apoio (gente que não acreditava, assim como eu). Ele desmetiu tudo e até hoje ninguém sabe se é verdade ou não, mas quer saber? Mesmo se fosse, qual problema? O Flamengo o descartou e ele estava livre para acertar até com o Íbis, e o melhor argumento de todos: Ele jogar no Vasco apagaria tudo o que ele fez pelo Flamengo? Nunca! 

foto: folhadoes.com

  

O começo de uma nova vida. O restart de uma vida.

É um recomeço, foram 10 anos vestindo o peso de uma mesma camisa, e isso jamais se apagará da vida de Léo Moura, nem dos Flamenguistas e nem da história do Clube de Regatas do Flamengo. Hoje vejo fotos nas redes sócias e fico feliz em ver você aparentemente feliz, com a sua família, e principalmente fazendo o que você gosta e sabe muito bem fazer: defender e atacar, tomar conta de qualquer lateral. Tudo que está escrito neste texto é o que se passa no meu coração e tenho certeza em outros milhões de corações vermelhos e pretos. Deixando claro que o especial do mês se chama ÍDOLOS ETERNOS, e você sempre será um eterno ídolo, eterno capitão, eterno moicano.  

 

Barbara Lima