O Incrível Sorín

5 de maio de 1976, em Buenos Aires-Argentina, ninguém imaginava que esse dia se tornaria tão importante na história de um clube, nascia JUAN PABLO SORÍN, ídolo eterno celeste, o homenageado da semana!

Tudo começou quando, ainda garoto, jogava futebol nas ruas de Buenos Aires com o pai, quando de repente, um treinador o convidou para jogar em um clube da cidade.

Desde então, ele vem colecionando títulos, história e muitas vitórias.

"Pássaro Azul" era o apelido do mito, que chegou no Cruzeiro no ano de 2000, como a maior contratação do clube celeste. Nessa passagem, marcou 17 gols em 111 partidas, além de conquistar uma Copa do Brasil e duas Sul-Minas.

Deixou o Cruzeiro em 2002 e foi defender a Lazio, da Itália. Em 2003, se transferiu para o Barcelona e de lá para o Paris Saint-German, voltou em 2004 ao time mineiro, mas não teve estabilidade, e assim, indo para o Villarreal, onde por lá ficou de 2004 a 2006.

Seu penúltimo clube foi o Hamburgo, mas, em 2008 retornou ao Cruzeiro e marcou história.

Sorín era canhoto, de muita raça, de muita habilidade, era amado pelos torcedores cruzeirenses e se adotou mineiro “postiço”, como ele já dizia.

Belo Horizonte era sua segunda casa, Elisabetta, filha do ídolo nasceu em Bh, sendo assim uma mineira legitima, ele diz isso com muito orgulho. No estádio, nas ruas, se viam camisas argentinas para todo lado, isso era um encanto aos olhos de Sorín, que tinha escolhido os mineiros para serem a sua nova família.

Sorín escolheu o Cruzeiro para terminar sua linda trajetória, numa festa com mais de 44 mil ingressos vendidos, o Mineirão parecia pequeno para tanta festa, num amistoso entre Argentina x Cruzeiro, Sorín se despediu dessa linda carreira vivida com muito amor, amor pelo cruzeiro.

Fonte:  www.interiordabahia.com.br

Obrigada Sorín, pelas conquistas, pelo amor por nós, clube e torcedores, obrigada, pelas lembranças, você vai estar sempre na memória de um torcedor celeste.

É saudade, é admiração, é amor, todos nós esperamos que você brilhe, tanto quanto já brilhou, você fez com que a sua história se tornasse memorável por todos que te acompanharam.

Obrigada Sorín, você foi importantíssimo para a nossa história, obrigada por ser um ídolo celeste.

                         Ana Pacheco