O MELHOR DIA DE NOSSAS VIDAS – É CAMPEÃO!

 

 

Albari Rosa/Gazeta do Povo

 

O dia 12 de dezembro de 2018 ficará marcado para sempre nos corações rubro-negros. Durante a temporada, o técnico de guerra já profetizava: “O Atlético precisa parar de comemorar classificações e passar a comemorar títulos”.

Foi neste dia que os atleticanos choraram, gritaram, emocionaram-se e comemoraram o inédito título de campeão da Sul-Americana.

 

Foto: Reprodução/Internet

 

Foi neste dia que recordes foram quebrados, afinal, é para este o fim a que se destinam. Neste dia a camisa do Atlético Paranaense pesou e se agigantou, fazendo do Clube, de uma vez por todas, EL PARANAENSE, o Furacão das Américas.

O Junior Barranquilla, colombiano aguerrido, como deve ser, lutou até o fim. Jogou bem melhor no segundo tempo, pressionou, e sua competência deu ainda mais mérito à conquista do Furacão.

“TU PAPA” não conseguiu vencer a força rubro-negra que se apoderou da Arena da Baixada neste dia. A força rubro-negra estava arraigada em cada um dos 40.263 torcedores que foram testemunhas oculares da grandiosidade deste feito do Furacão.

 

Foto: Reprodução Internet




 

A força rubro-negra estava investida em cada um dos jogadores e comissão técnica, inclusive daqueles que emanavam as boas energias do banco de reservas.

A força rubro-negra estava principalmente com Tiago Nunes, que nunca deixou de acreditar na equipe e na possibilidade de se almejar esse título.

Não sabemos o que se passou na cabeça de Barrera, ainda na prorrogação, ou de Fuentes e de Téo Gutiérrez no momento em que se viram desperdiçando seus respectivos pênaltis.

Mas sabemos o que se passava na cabeça dos atleticanos em cada cobrança de pênalti do adversário: promessas, empenhos, luta, dedicação, dias de choro, dias de risos, abraços, parcerias. E tudo isso tomou uma proporção tão imensurável que não tenho dúvidas: Fomos o décimo terceiro e o décimo quarto jogadores da noite.

 

Dos momentos mais marcantes da vida de um atleticano, quiçá o desta noite, estará encabeçando o rol.

Arrisco dizer que esta noite, foi, o melhor dia de nossas vidas – até aqui.

 

Podem achar que esse foi o pós jogo “mais fácil” até hoje. Porém faltam palavras para expressar o que estamos sentindo. É uma mistura de sentimentos, sentimento que mudou nosso semblante desde o último pênalti, desde o momento do último gol, todo aquele grito que estava “guardado” por anos naquele momento podemos soltar. Gritar, chorar, cantar misturando com a sensação de alívio e dever comprido. Depois de todo aquele início de ano ruim, enfim terminamos 2018 feliz, conquistando nosso maior objetivo.

 

QUE VENHAM OS PRÓXIMOS!

PELOS FEITOS DO PRESENTE AS GLÓRIAS DO PASSADO.

SOMOS CAMPEÕES.

 

Por Aline do Valle e Daiane Luz