O que temos pra hoje é saudade...

Esse trecho da música do saudoso Cristiano Araújo resume nosso sentimento no dia de hoje. Dia este que completa uma semana da tragédia que vitimou nossos heróis, uma semana da maior dor do nosso futebol, futebol esse que tem como sua maior característica a alegria. A uma semana abriu-se uma lacuna, ou melhor, uma cratera no esporte que nos proporciona tanta felicidade. A uma semana levantamos com esperança de que tudo isso fosse um pesadelo... Mas infelizmente não foi.

29 de novembro, o dia do ano mais esperado por mim, o meu aniversário. Como de costume acordei cedo para mais um dia de trabalho e logo que abri as minhas redes sociais me surpreendi com a notícia da queda do avião que levava a delegação da Chapecoense, ''Que brincadeira de mal gosto'', pensei. Numa pesquisa rápida pela web vi que a notícia era verídica... Que dor, e no dia do meu aniversário chorei, e quis como meu maior presente que tudo fosse mentira.

Um choro incontrolável me tomou, parecia que eram amigos próximos e na verdade eram. Parceiros de futebol, parceiros de narração, que estavam ali na telinha toda semana e que o encontro era marcado, aos sábados e aos domingos. E no dia 30 tínhamos um dos maiores eventos, mas eles não compareceram. Estava tudo tão lindo para o primeiro jogo da final no estádio do Atlético Nacional e mais de 40 mil torcedores compareceram, não para uma partida de futebol, mas para uma homenagem aos 71 mortos na tragédia. 

Tributo aos mortos da Chapecoense no estádio do Atlético Nacional.

FOTO: Imagem extraída da internet.

A homenagem mais linda que já vi em toda minha vida! Não teve bola na rede, não teve apito inicial, não teve gritos da torcida, não tiveram dois times em campo. Só a torcida pela recuperação dos salvos com vida e um tributo aos mortos na tragédia. Em 90 minutos com uma vela em punho, com os gritos de "Vamos, Vamos Chape" e com o canto, "Que escutem em todo o continente, para sempre lembraremos da campeã Chapecoense" - a música que eles próprios fizeram em homenagem ao time brasileiro. O que dizer do povo colombiano? Dos torcedores do Atlético Nacional? Dos jogadores desse clube, e toda delegação? MUITO OBRIGADA! POR TUDO! O time que abriu mão da taça da Sul-Americana, fazendo um pedido para que a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) declarasse a Associação Chapecoense de Futebol como Campeã da competição em 2016. Uma atitude linda, espetacular e, sobretudo, humana! Nos faz acreditar que nem tudo está perdido e que ainda existe esperança. Eles ainda não disputaram o Mundial, mas já conquistaram o mundo!

As lágrimas também vieram do céu

No último sábado (03) ocorreu em Chapecó (SC) o velório coletivo de 50 dos 71 mortos. Como choveu na arena Condá, parecia que todas as lágrimas do Brasil caíram sobre o gramado. Transportado por caminhões, os corpos chegaram à arena... Não era assim que pensávamos que seria a volta dos nossos meninos.

Último adeus na Arena Condá, o coração do Brasil estava lá.

FOTO: Imagem extraída da internet.

Ah, o futebol!

Semana difícil para os amantes de futebol, quem ama esse esporte esteve de luto, respirou fundo para não chorar com as inúmeras homenagens pelo mundo. Ou fez como eu e se entregou a emoção, que nunca foi tão dolorida e tão devastadora. Essa semana não tem rubro-negros; alvi-negros; tricolores; cruz-maltinos, somos todos Chapecoense. O verde da esperança de que tudo voltará ao seu lugar e de que a Chape vai se reerguer e seguir levando alegria a seus torcedores. #FORÇACHAPE

Apenas uma das inúmeras homenagens à Chape, Cavani do PSG, ao marcar o segundo gol da partida.

FOTO: Goal.com

CHAPECOENSE CAMPEÃO DA SUL-AMERICANA 2016

Chorei de alegria ao saber dessa notícia, eles merecem! Obrigada ChapeTerror por unir e trazer ao futebol moderno a humanidade e o respeito, vocês uniram o mundo com o verde da esperança. Aos que nos deixaram, jogadores, jornalistas, dirigentes e simpatizantes do clube, que Deus os ilumine e que dai de cima nos deem força pra continuar e erguer a Chape!

FORAM POR UM SONHO, PARTIRAM COMO LENDAS.

Chapecoense campeã da Sul-Americana 2016.

FOTO: uol.com

 

Por Ingrid Souza.