O VERDADEIRO GREMISTA SABIA QUE ENCARAR O XAVANTE NÃO SERIA FÁCIL...

Jogos do Campeonato Gaúcho geralmente são lembrados pelas características “pesadas”, que muitas vezes seus contextos impõem. Seja pela qualidade dos gramados, pelas condições climáticas ou mesmo pela postura das equipes, é difícil encontrar quem diga que um jogo nessa competição será fácil. A partida entre Brasil de Pelotas e Grêmio, nesse domingo (31), exemplifica exatamente isso.

Para início de conversa, o dia em Caxias do Sul permaneceu chuvoso, com uma temperatura amena demais para a época e, para completar, até a neblina deu as caras durante o jogo. Se não bastasse o clima questionável, o gramado do Estádio Centenário dava a impressão de que também não ia colaborar muito. A casa do Brasil de Pelotas nessa tarde (vale lembrar que o time não jogou no Bento Freitas por punição) apresentou um campo com diversos buracos e que, molhado, não era o ideal para o toque de bola. Sob o ponto de vista dos gremistas, o último agravante era o adversário em si. Com um forte apoio de sua torcida mesmo longe de Pelotas, o Brasil entrou com o objetivo de jogo bem claro: aproveitar contra-ataques.

Entretanto, o Xavante não precisou de muitos esforços pra abrir o placar em Caxias do Sul. Logo aos 7 minutos do primeiro tempo, Xaro cobrou escanteio lançando a bola diretamente para Cléverson. A defesa gremista falhou e viu seu adversário largar na frente em sua estreia. O cenário parecia perfeito para o Brasil de Pelotas pois, atrás no placar, o Grêmio precisava ir para o ataque na busca pelo empate, o que poderia dar mais chances de contra golpe para o Xavante. Com os nervos à flor da pele, o Tricolor contabilizou 5 cartões amarelos antes dos 40 minutos do primeiro tempo. Tanto por faltas duras quanto por reclamações, foram amarelados Marcelo Grohe, Wallace Oliveira, Kadu, Maicon e Edinho.

O que ficava mais evidente no jogo proposto pelo Grêmio no primeiro tempo era o posicionamento do volante Maicon. Atuando de forma alternativa na ausência de Giuliano e com Edinho no seu lugar, o jogador muitas vezes não conseguia chegar ao fundo do campo de forma eficaz a ponto de um passe para a finalização dos companheiros. Mas com a aproximação do final da primeira etapa, o time Tricolor passou a se encontrar mais em campo, criando situações de ataque mais claras. Aos 42 minutos, o próprio Maicon avançou pela direita do ataque e fez um lançamento primoroso para Luan, na marca do pênalti. Estava feito o gol de empate.

https://fbcdn-sphotos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xpf1/v/t1.0-9/12642608_1144730875558961_1594916167457089325_n.jpg?oh=8d28f09ee59af6584a20749420e592a6&oe=5729D947&__gda__=1462190456_b86dfd6044f75b8e19cb4352e85eb9ef

Fonte: Facebook Grêmio FBPA

O fato de o Grêmio ir para o intervalo com a igualdade no placar parece ter feito bem à equipe. Em termos de substituição, o técnico Roger Machado definiu a entrada de Pedro Rocha e a saída de Edinho. Dessa forma, Maicon voltava automaticamente para sua posição central, auxiliando na saída de bola tricolor. Além da troca de jogadores, o time de Porto Alegre entrou no segundo tempo com a convicção de quem queria a vitória. Deu certo, pois aos 2 minutos da volta do jogo, Éverton recebeu cruzamento da direita do companheiro Luan, em condição perfeita para cabecear e marcar a virada do Grêmio. A partir daí, ficou evidente a superioridade técnica do Grêmio em relação ao adversário. O Tricolor aproveitou de forma mais eficiente a posse de bola e ataques mais elaborados foram aparecendo.

Para garantir uma tranquilidade maior ao torcedor gremista, Maicon se livrou de dois marcadores de forma sensacional na entrada da grande área para fazer um passe preciso para Pedro Rocha marcar o terceiro gol de sua equipe, na marca dos 14 minutos do segundo tempo. A partir daí, o Xavante não apresentou maiores perigos para o Tricolor, que soube administrar o resultado no decorrer da partida. No que diz respeito às outras substituições, Maicon (o líder em assistências da tarde) saiu para a entrada de Moisés, e Luan fez a troca com Bobô. Encerrava-se o primeiro desafio do Tricolor no Gauchão, com o placar vitorioso de 3 a 1.

https://fbcdn-sphotos-h-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xap1/v/t1.0-9/12644703_1144733002225415_4436762006294090451_n.jpg?oh=6a66d9e42a04ecb6809c030bb705e851&oe=57316FAA&__gda__=1462534547_9dc09fc1974a0ce5574fa780995ef777

Fonte: Facebook Grêmio FBPA

Em termos práticos, é inegável que mais uma vez a postura da zaga gremista preocupou o torcedor, que compareceu em bom número no Centenário. Entre amistoso e jogos oficiais, o Grêmio já tomou quatro gols na temporada. Desses, três tiveram como origem a bola parada. Questionado sobre esse ponto após o jogo de hoje, o treinador Roger afirmou que cada caso deve ser analisado individualmente, pois podem possuir características diferentes. Mas que, assim como outros quesitos no time, vai receber as devidas atenções. De forma positiva, vale ressaltar a postura do time na volta do intervalo, que demonstrou de todas as formas que queria virar o resultado e trabalhou para isso. Um jogador que chamou atenção foi o estreante Wallace Oliveira. Atuando pela lateral direita, o jogador mostrou segurança na maior parte das divididas que disputou, e por vezes chamou a torcida para apoiar o time.

Após estrear com vitória no Campeonato Gaúcho 2016, o próximo desafio do Grêmio acontecerá na quinta-feira (04/02). A partida será contra o Aimoré, no Estádio do Vale, em Novo Hamburgo. Será a vez do Tricolor cumprir punição, pois em função do episódio da quebra de cadeiras no Estádio Beira-Rio, na final do Campeonato passado, o time perdeu o direito do primeiro jogo como mandante na Arena do Grêmio.

Esse início de Gauchão veio com o pacote completo dos fatores complicados que os times do Rio Grande do Sul tanto conhecem. A torcida gremista viu tudo isso bem de perto, na tarde desse domingo, em Caxias. Resta ao Tricolor usar a experiência e a impressão que ficou do jogo contra o Xavante para tentar imaginar como será o desenvolvimento do Grêmio no decorrer dos desafios de 2016. E já se pode perceber que será tudo, menos fácil.

 

Cíntia Menzomo