"OS HUMILHADOS FORAM EXALTADOS"

(Divulgação/Twitter)

O título escolhido para este texto retrata bem a caminhada da Seleção Brasileira durante as Olimpíadas. Após duas atuações ruins logo de cara a qualidade da jovem equipe, Do trabalho de Micale e a escolha do capitão da Seleção foram julgadas e comparadas. Muitos torceram pelo fracasso do time canarinho e exaltaram Seleções de outros países. Muitos julgaram Neymar, que com 24 anos teve a responsabilidade de assumir a braçadeira do time olímpico. Muitos criticaram a convocação de Fernando Prass, que por uma lesão acabou sendo cortado.

O fato é que muitos não botavam fé na Seleção Brasileira mesmo antes dos jogos começarem e os primeiros dois empates sem gols para Seleções consideradas “fracas” era um fiasco. A expectativa era grande, não só nossa, mas dos próprios jogadores também.

Jogar uma Olimpíada com sede no seu país? Ter a oportunidade de se consagrar na história do esporte por um ouro inédito? É o sonho de qualquer jogador, era o sonho de Neymar, Gabriel Barbosa, Gabriel Jesus, Luan e de todo o elenco.

E ELES CONSEGUIRAM!

O adversário era um velho conhecido e apesar de se tratar de uma competição e um elenco completamente diferente ainda existia um certo receio por enfrentar a Seleção Alemã.

Não foi um jogo fácil, daqueles decididos em 20 minutos, foi um jogo digno da frase “Haja coração!”, e por falar nisso, o torcedor teve que ser forte para aguentar os 90 minutos iniciais. Golaço de Neymar, a euforia brasileira, as bolas na trave, o silêncio no momento do empate... Um jogo digno de final de campeonato.

Nas prorrogações, o cansaço nítido no rosto dos jogadores era uma preocupação, já deixando na cara que nada seria decidido ali. E para testar o coração de milhões de brasileiros, tudo seria decidido nos pênaltis.

Era o momento que Weverton, goleiro da Seleção e do Atlético-PR poderia se consagrar e se tornar um dos heróis. E ele se consagrou defendendo a cobrança de Petersen. Mas ainda não havia nada decidido, a última cobrança seria feita por nada mais e nada menos, Neymar Júnior, o capitão tão criticado. E O OURO VEIO! O gol de Neymar e as lágrimas do jogador após a cobrança contagiaram a quem assistia a partida. Lágrimas de alívio, de alegria, de dever cumprido.

Muitos disseram que o ouro não era mais do que a obrigação desta Seleção, mas só quem vestiu essa camisa sabe o peso que é defender uma nação inteira. Um trabalho que deu resultado graças ao elenco.

Um título inédito, que inúmeras gerações de craques tentaram e não conseguiram. Esses meninos, tão jovens entraram na história e isso jamais será apagado.

Os humilhados foram exaltados, e hoje, quem apontava o dedo para julgar, enfim, aplaude.

(Divulgação/Twitter)

RESPEITE QUEM PODE CHEGAR ONDE A GENTE CHEGOU!

Carolina Ribeiro