PELO RIO GRANDE, PELO NOSSO AMOR!

 

 

Nesta quarta (12), o Internacional enfrenta um velho rival. A equipe Colorada vai a campo contra o Corinthians, pela quarta fase da Copa do Brasil, às 21h45, no Gigante da Beira-Rio, em um confronto no qual, a vitória vai muito além da vantagem na disputa da vaga para a próxima fase.

 

Como todo mundo sabe, os confrontos entre Inter e Corinthians vão muito além das 4 linhas. É um dos maiores clássicos do Brasil. Uma vitória não dá ao Inter apenas a vantagem no jogo de volta, que vai ser na Arena Corinthians, valendo a vaga para a próxima fase. Uma vitória contra o Corinthians é sempre uma questão de honra. É sempre uma oportunidade de lavar a alma do torcedor colorado.

 

Quem não lembra do mais polêmico Campeonato Brasileiro da era de pontos corridos, disputado em 2005? Em que há quase 12 anos, o Corinthians foi ''campeão brasileiro'', diga-se de passagem?

 

A edição da competição foi marcada pela chamada ''máfia do apito''. Na manhã do dia 24 de setembro de 2005, o árbitro Edilson Pereira foi preso em casa, em Jacareí, no interior de São Paulo. Ao mesmo tempo, a Polícia Federal deteve em uma boate na capital do estado, o empresário "Gibão", apontado pelas investigações como mentor da operação que tinha também o árbitro Paulo José Danelon.

 

De acordo com as investigações, Edilson e Danelon interferiram nos resultados dos jogos em que eram escalados para que favorecessem apostadores, comandados por Fayad. Os juízes recebiam cerca de R$ 10 mil por partida fraudada. As suspeitas fizeram com que os 11 jogos apitados por Edilson no campeonato fossem anulados e disputados novamente. Anunciada por Luiz Zveiter, presidente do STJD na época, a decisão beneficiou o Corinthians, que pôde enfrentar novamente Santos e São Paulo. Nas novas partidas, o Timão mostrou nova cara e superou o Peixe por 3 a 2, enquanto empatou com o tricolor paulista em 1 a 1. Ou seja, recuperou quatro dos seis pontos perdidos. Enquanto isso, o Inter precisou voltar a enfrentar o Coritiba e conseguir manter os três pontos do jogo.

 

Com a decisão em 2 de outubro de 2005, o Campeonato Brasileiro ganhou um novo líder antes mesmo da realização da 29ª rodada. Como perdeu seus dois jogos apitados por Edílson Pereira de Carvalho, para Santos e São Paulo, o Corinthians manteve seus 50 pontos. Já o Internacional, que venceu o Coritiba em jogo comandado pelo árbitro, perdeu três pontos e caiu para a terceira colocação, com 48 pontos.

 

Ainda, em um dos jogos mais polêmicos da edição e na vice-liderança, o Inter chegaria para enfrentar o Corinthians com três pontos de desvantagem para o adversário. A meta era de superar o time paulista em território adverso e tentar consolidar a conquista do título nas duas rodadas finais. Tarefa que parecia impossível, diante da temida equipe paulista.

 

Tevez havia aberto o placar aos 37 do primeiro tempo para o Timão, enquanto Rafael Sobis igualava na segunda etapa. Mas o lance que ficaria eternizado na história ocorreria aos 28 minutos da etapa final. Da intermediária, Perdigão fez lançamento para Tinga. Dentro da área, o meia aplicou um toque na bola e acabou atropelado pelo goleiro Fábio Costa. Estirado no gramado, escutou o apito de Márcio Rezende de Freitas, com a certeza de que seria pênalti. Mas o árbitro havia assinalado simulação e de quebra, acabou expulsando o jogador colorado.

 

Mesmo com tantos obstáculos, o Inter chegaria vivo na última rodada da competição. Para sonhar com o título, a equipe necessitava superar o Coritiba no Couto Pereira e torcer por um resultado adverso do Corinthians diante do Goiás. No Serra Dourada, o Timão acabou superado – levou 3 a 2. No entanto, o time de Muricy Ramalho não teve forças para vencer. Logo no início da partida, Elder Granja cometeu pênalti, que acabou por ser convertido por Alcimar. A equipe gaúcha tentou pressionar, mas no final não conseguiu a igualdade.

 

Assim que o juiz decretou o apito final, aconteceu uma das maiores particularidades daquele campeonato. No vestiário, os atletas ficaram sabendo da derrota corintiana. Pela combinação de resultados, o Inter seria campeão com um ponto de vantagem, se os 11 jogos não tivessem sido anulados. Assim, os atletas foram orientados a retornar ao campo do Couto Pereira e comemorar. E o fizeram. Deram a tão merecida volta olímpica no gramado, mesmo sem troféu.

 

Desde então, cada confronto entre Inter x Corinthians tem uma busca pela justiça. Cada vitória em cima deles é uma oportunidade de lavar a alma do torcedor, que ainda não engoliu essa sujeira. E nada mais justo do que vencer, dentro de casa, em um mês marcado por mais uma derrota do Inter para CBF E STJD, as duas instituições mais PODRES do esporte.

 

HOJE É GUERRA. HOJE É DIA DE INTER. DIA DE JOGAR PELO RIO GRANDE E PELOS MAIS DE 30 MIL COLORADOS CONFIRMADOS NO GIGANTE. RESPEITA O TIME DE SÉRIE B, QUE A GENTE ESTÁ CHEGANDO.

 

 

Foto: Diego Guichard

 

 

 

DETALHES DA PARTIDA:

 

LOCAL: Gigante da Beira-Rio, em Porto Alegre/RS.

DATA E HORÁRIO: quarta-feira (12), às 21h45 (de Brasília).

 

PROVÁVEL ESCALAÇÃO DO INTER: Marcelo Lomba, William, Léo Ortiz, Victor Cuesta,  Rodrigo Dourado, Edenílson, Uendel, D'Alessandro, Nico López e Brenner.

 

DESFALQUES DO INTER: Danilo Fernandes, Paulão, Charles e Eduardo Sasha.

 

PROVÁVEL ESCALAÇÃO DO CORINTHIANS: Cássio, Fagner, Balbuena, Pablo, Guilherme Arana, Gabriel, Maycon, Romero, Rodriguinho, Marquinhos Gabriel e Clayton.

 

DESFALQUES DO CORINTHIANS: Jadson, Jô e Kazim.

 

ARBITRAGEM: Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa-RJ), auxiliado por Luiz Cláudio Regazone e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (ambos do RJ).

 

 

 

Pra cima deles, meu INTER.

 

Saudações,

Melina Bölner.