Pérolas aos Porcos

 

Chegadas muito bem-vindas, saídas com sabor de “já vai tarde”, a matemática de Cuca, “toma lá dá cá” com o Cruzeiro e muito mais… Confira a agitada preparação do Palmeiras para o Brasileirão!

 

A saída precoce do Alviverde Imponente da Libertadores e a derrota na semifinal do Paulista já ficaram para trás. O clima na Academia de Futebol é de expectativa e muito foco para o início da nova temporada.

O torcedor palmeirense já está preparado para começar tudo de novo, mas enquanto o sábado não chega, vale a pena conferir os principais lances que agitaram os bastidores do Verdão!

Selecionamos algumas “pérolas” que os Porcos vão gostar de saber, ou nem tanto assim…

 

A arrancada na frente

 

É claro que ninguém gostou de sair na fase inicial da Libertadores e também não há quem tenha comemorado a derrota no mata-mata do Paulista, à um passo do título. Mas os amantes do futebol sabem que ele é assim, cheio de momentos de alegria, mas recheado de passagens que a gente quer apagar da memória.

Sendo assim, o jeito é encontrar o "lado bom" e usá-lo a nosso favor. Foi isso que o técnico Cuca fez. Assim que o apito final do jogo contra o Santos foi dado, ele viajou com o elenco para Atibaia, onde começou uma longa fase de preparação. Os jogadores não tiveram folga. Na primeira semana, o trabalho foi físico, visando o fortalecimento dos atletas e nessa semana, o foco são os treinos táticos, com ênfase em técnica e posse de bola. Exigindo dedicação e muito trabalho da equipe alviverde.

No jogo-treino contra o Guarani de Campinas, nessa quarta-feira, o time pôde colocar em prática todo o treinamento e Cuca gostou muito do que viu.

 

Lucas Barrios pede dispensa da seleção Paraguaia para priorizar o Verdão

E não é que o nosso Silvestre Stallone surpreendeu todo mundo, quando resolveu não disputar a Copa América pelo seu país? Barrios deu uma entrevista muito consistente, falando sobre o baixo-rendimento nos últimos jogos. Avaliou que a falta de constância em jogos pelo Palmeiras e o fato de acabar ficando no banco, nos jogos da seleção paraguaia, acabaram por deixá-lo destreinado e fora de ritmo, o que se expressou em campo: um futebol muito abaixo daquilo que ele pode produzir. Cuca concordou e foi honesto em dizer ao atacante, que esperava muito mais dele, mas a justificativa dada pelo jogador convenceu o técnico: com mais frequência em campo, ele pode ser tudo aquilo que se espera dele.

 

A chegada dos craques Tchê Tchê e Mina

 

Em clima de muita euforia, os novos reforços do Verdão foram muito bem recebidos pela torcida e pelo elenco.

O primeiro a aportar em território verde, foi a sensação do campeonato estadual: Tchê Tchê. Vindo do time que impressionou e conquistou fãs em todo Brasil e que quase foi campeão paulista, o Grêmio Osasco Audax, o jogador mostrou muita felicidade por poder vestir a camisa do Verdão.

Descontraído e com muito à vontade, conquistou a torcida quando disse que pretende ser o “Romarinho ao contrário”, referindo-se ao ex-jogador corintiano, que se dizia o carrasco do Palmeiras. Ele, que foi o autor de um dos gols que levou a partida contra o time alvinegro, para os pênaltis e garantiu a vitória do time de Osasco, quer continuar fazendo gols no maior adversário do Verdão.

Já o zagueiro Yerri Mina, veio de longe. O ex-jogador do Santa Fé da Colômbia, fechou com o Palestra nessa Terça-feira e também promete ser um grande nome na zaga. E como dizem os internautas, ele “mitou” ao tirar o tênis antes de pisar no gramado do Allianz Parque, como sinal de respeito à nova casa.

 

Já vai tarde!

 

Entre as metas para o ano, Cuca tem batido numa tecla que considera importante para o futuro do Palmeiras: desinchar o elenco! De fato, esse é um problema crônico e que acaba por atrapalhar muito qualquer planejamento estratégico.

Alguns atletas jogaram tão pouco, que a torcida até já esqueceu o nome. É o caso de Fellype Gabriel, que teve o contrato rescindido. Outros, até jogaram, mas não fizeram tanta diferença assim, como o zagueiro Nathan e o lateral Taylor, ambos foram emprestados ao Criciúma.

 

Toma lá, dá cá!

 

Mas sem dúvida, a maior polêmica da semana passada, foi a troca inesperada com o Cruzeiro. Mesmo sendo quase que unânime a opinião de que o futebol de Robinho e Lucas, já não era mais o mesmo, ninguém poderia imaginar que eles fossem negociados com o time mineiro. Uma parte da torcida discordou, principalmente porque na troca, vieram Fabiano e Fabrício, os dois laterais, apesar de terem nome de dupla sertaneja famosa, são desconhecidos para a maioria dos torcedores.

Ao saber do alvoroço gerado pela negociação, Cuca disse firmemente: “Não tem nada de pessoal. Só ficará no Palmeiras, o jogador que estiver no seu melhor aproveitamento. Só está começando. Deve sair mais.”

 

Enquanto isso no departamento médico…

 

O queridinho da torcida, Dudu e o argentino que vem conquistando o coração do torcedor, Allione, continuam se recuperando de lesões e treinaram separados da equipe. Já o meia Moisés, que sofreu uma grave lesão, logo após sua estreia no time, está recuperado, bem antes do prazo previsto e celebra a possibilidade de voltar aos gramados e defender as cores alviverdes.

 

CX10 pronto para retornar

 

Finalmente a torcida vai poder ver Cleiton Xavier como titular! Foram muitos meses de espera e uma torcida que de tão irritada, já não queria mais o seu retorno, até vê-lo jogar novamente. Com apenas alguns minutos em campo, o meia deu nova cara ao time e lembrou o craque de 2009. Mesmo com muita desconfiança ainda, os palmeirenses, resolveram apostar junto com o técnico Cuca e estão torcendo para que ele seja o tão esperado “camisa 10” que faltava em campo.

 

A matemática de Cuca

 

Ele gosta de experimentar e testar. Tem um estilo muito próprio de imprimir aquilo que acredita no elenco. Essa semana, nos treinos táticos, mudou a posição dos jogadores e apostou na movimentação. Começou com o 4-2-3-1 e depois propôs o 4-4-2. No quesito matemática, o professor já mostrou que entende do riscado.

 

foto:gazeta esportiva

 

É, muita coisa aconteceu nesses quase vinte dias de trabalho intenso e muito se falou sobre o “jeito Cuca de ser”. Não dá para garantir nada antes da bola rolar e antes de ver o desempenho do time nos confrontos, mas já dá pra ver os resultados advindos da forma de trabalho proposta pelo novo técnico.

Se de matemática Cuca entende bem e de português também, visto as longas conversas que tem com os jogadores, a torcida espera que o novo comandante seja bom em outra matéria: química! Para que haja um encaixe perfeito com o elenco e um casamento vitorioso.



 

Por Alê Moitas