POR TRÁS DA DISTÂNCIA, UM SENTIMENTO.

"Juventude um passado de glórias, o teu nome querido tornou" um hino que se eterniza na cabeça de cada torcedor, a ponto da tua grandeza ser lembrada em cada canto do Brasil, tendo como prova disso os torcedores que mesmo distantes ainda tem orgulho de vestir o teu manto alviverde. Um deles é Daniel Victor Diógenes Soares, de 21 anos, que mora na cidade de Mossoró-RN, do outro lado do país, a milhares de quilômetros de distância do clube que escolheu amar, melhor dizendo, que foi escolhido para amar. Desde os 7 anos de idade, quando Daniel ainda estava aprendendo a jogar futebol, já demonstrou interesse pelo clube de Caxias do Sul.

Com a dificuldade de morar tão longe do clube, aderiu ao que estava a seu alcance e pesquisou a história do Juventude, a torcida, os ídolos e tudo que tinha direito, e foi assim que a sua paixão pelo clube foi aumentando. E foi a torcida o que mais chamou a sua atenção, ao ver que cada torcedor era por si só um craque com um espírito torcedor sempre gritando alto, e ao mesmo tempo o maior patrimônio que o clube poderia ter.  Apesar de torcer para um time que não se encontra nem um pouco perto da cidade onde mora, Daniel diz nunca ter sido julgado por amigos ou familiares por essa "escolha" e que sempre houve respeito.

Em entrevista, Daniel falou que o jogo que mais marcou sua vida foi o jogo contra o Metropolitano-SC, que terminou empatado em 0 x 0 no Alfredo Jaconi e garantiu o acesso do Juventude a série C, não pelo resultado em si, mas pela simbologia de renascimento do clube que aquele dia proporcionou, pois as dificuldades mais uma vez ficaram pequenas diante da euforia da torcida com aquela mera conquista. Daniel diz que para 2016 espera um time competitivo que possa proporcionar as merecidas alegrias, e que não se intimide com os altos e baixos que todos sabemos que são naturais no mundo do futebol, mas, sobretudo espera ter mais momentos bons para recordar.

Um sonho de criança ainda não realizado é de um dia poder viajar até Caxias do Sul e conhecer o grandioso Alfredo Jaconi, e quem sabe até presenciar uma bela vitória do verdão. Uma prova de que não existem barreiras para o futebol, para o amor que envolve esse esporte tão emocionante.

Fernanda Andreazza