POSSE DE BOLA NÃO GANHA JOGO

 

Na teoria e nos números: um Santos, na prática só o goleiro salvou

 

(Foto: Ivan Storti/SantosFC)

 

O empate saiu de bom tamanho para o alvinegro, que não conseguiu se encontrar em campo hora nenhuma, aliás como quase sempre acontece em jogos que o adversário parece "fácil" demais. 

Pela sexta rodada do Campeonato Paulista, após uma vitória e uma semana para se preparar para esta partida, o Santos foi até Araraquara enfrentar a equipe da Ferroviária, voltou para a casa com um mísero ponto que deve ser comemorado como se fossem três. Que noite! 

 

O jogo:

Vamos começar cornetando: Everson voltou para o time titular (imaginem aqui aquele emoji revirando os olhos)! Jesualdo já disse que quer testar alguns jogadores, por isso Vladimir defendeu a meta santista na partida anterior. Não sei exatamente o que ele viu nesse jogo, mas decidiu que Everson deveria voltar, para salvar o Santos e queimar minha língua. Mereço!

O primeiro tempo foi morno, devagar quase parando. A Ferroviária tentou de todas as formas abrir o placar, deu vários chutes ao gol e em alguns destes conseguiu arrancar gritos dessa louca e mini infartos desse pobre coraçãozinho. Tenho que admitir, mesmo contra minha vontade, que em muitas dessas tentativas adversárias Everson salvou o Peixe de ir para o vestiário atrás no placar. O Santos foi massacrado pelos donos da casa, sem querer desmerecer o adversário, mas não era jogo para tudo isso.

Finalzinho de primeiro tempo, Raniel caiu no gramado e pediu para ser substituído, juro que não roguei praga e dessa vez nem xinguei o menino. O departamento médico do Santos anda bem movimentado nesses primeiros meses, acho bom mandar benzer aquele lugar. Arthur Gomes entrou no lugar de Raniel. Seis por meia dúzia. Agradeci aos céus quando o árbitro apitou o final da etapa inicial.

Voltamos igual para o segundo tempo, e quando digo igual, digo em todos os sentidos. O adversário continuou ignorando a existência santista e o Peixe assistia ao jogo sem muita interferência. Aos 16’ o técnico decidiu fazer mais uma mudança, saiu Pituca e entrou Jean Mota. Aqui uma pequena observação: Jean foi o autor do gol santista contra a mesma Ferroviária ano passado, só uma leve ilusão para o torcedor. Voltando para a realidade, a melhora foi na equipe mandante que me deu mais uns belos sustos, primeiro com Mazinho e, um minuto depois, com Patrick. Deos, o que está acontecendo com esse time? 

Com 26 minutos de bola rolando Jesualdo fez sua última tentativa de mudança, na esperança de conserto, Kaio Jorge entrou no lugar de Eduardo Sasha. Tudo igual, o objetivo santista era mais segurar o empate (pasmem!!) do que tentar vencer o jogo. Oremos!

Nos últimos minutos Max foi expulso após falta dura em Kaio Jorge, aí você pensa: dá tempo de aproveitar a vantagem de ter um jogador a mais. Nada, afinal é o Santos e a gente meio que espera essas atuações horrendas quando é para jogar bem. Às vezes acho que deve ser algum tipo de castigo com a torcida, só pode. Final de jogo, obrigada Deus! Com este resultado, o Peixe se mantém na liderança com onze pontos, mas não dá né gente. É inadmissível um jogo desses. 

 

Palavras de Carlos Sánchez após a partida deixa claro que não foi só a torcida que não gostou do jogo.

"Faltou atitude. Com time grande isso não pode acontecer, temos que trabalhar, fizemos uma partida difícil hoje. Temos que trabalhar e não ter desculpas, porque ainda faltam coisas. São pontos que às vezes valem muito. É levantar a cabeça, apesar de não ter saído com a vitória”, disse o meia santista.

 

De olho no adversário:

Sou torcedora apaixonada e escrevo sobre o Santos, mas meu coração também bate mais forte por um rubro negro "caseiro" e pela Copa do Brasil, o adversário do Águia Negra-MS na próxima fase é justo a equipe da Ferroviária. Assistimos a esta partida com um outro olhar, tentando descobrir o que esperar para o próximo dia 26. Simples, só observar bem o comportamento alvinegro e fazer totalmente diferente que voltaremos para a casa classificados. Seguimos. 

 

Por Andra Jarcem, com o Santos onde e como ele estiver.

 

*Esclarecemos que os textos trazidos nesta coluna, não refletem, necessariamente a opinião do Blog Mulheres em Campo.