PRESENTE DE GREGO

Buscando alcançar a 4ª vaga do G4, o São Paulo foi até Belo Horizonte para o duelo com o Cruzeiro, que também sonha em conseguir um lugarzinho na zona de conforto e classificação para a Libertadores 2016.

{Antes da bola rolar, os cruzeirenses deram um show de solidariedade! Fizeram uma campanha e arrecadaram muitas doações, que serão encaminhadas para o município de Mariana, após duas barragens de rejeitos da mineradora Samarco, localizadas no distrito de Bento Rodrigues, se romperem e uma enxurrada de lama tomar conta da cidade, deixando mortos e causando total prejuízo para aqueles que perderam tudo, inclusive suas casas.}

Na 5ª colocação da tabela, com 53 pontos, o Tricolor precisava apenas de uma vitória, torcendo por um empate, ou derrota do Santos para o Joinville, o que o faria dormir no G4, pelo menos por uma semana e meia. Após treinar por uns dias, e vindo de uma vitória razoável, mas não convincente, o técnico Doriva resolveu escalar praticamente o mesmo time que usou no jogo contra o Sport: Denis; Bruno, Lucão, Rodrigo Caio e Reinaldo; Thiago Mendes, Paulo Henrique Ganso e Wesley; Michel Bastos, Luis Fabiano e Alexandre Pato.

Jogando fora de casa, e pressionado pela torcida adversária, o time paulista, apesar de tentar sair pro jogo, se viu acuado pelas investidas dos anfitriões, que fizeram um bom primeiro tempo. Os cruzeirenses criaram várias chances de gol, que só não foram convertidos por conta do ótimo (pra não dizer excelente) desempenho de Denis, que substituiu (muito bem) o goleiro Rogério (ruptura do ligamento tíbio-fibular do pé direito) e fez, pelo menos, 4 incríveis defesas.

É bem certo que os são-paulinos puderam ter uma noção do que vem por aí, e é bem provável também que muitos tenham “visto” o Mito em cada uma das defesas feitas pelo camisa 12. Aos 13 minutos, 14, 17, 18... verdadeiros milagres! Pra completar a atuação, aos 41 minutos, o aluno do camisa 01 saiu do gol e foi cobrar uma falta no campo de ataque, como faz seu mestre. E apesar do gol não ter saído, ele foi bem (pra uma primeira vez... rs). O moço estava realmente inspirado. Uma inspiração “à la Ceni”!

Foto: https://p2.trrsf.com

Com tantas chances perdidas pelos cruzeirenses, e defesas espetaculares do goleiro tricolor, o São Paulo passou a chegar mais no campo de ataque, e em sua primeira finalização (a 8ª do jogo), aos 30 minutos, numa cobrança de escanteio de Alexandre Pato, Luis Fabiano, o aniversariante do dia, subiu mais alto que os defensores e mandou de cabeça para o fundo da rede de Fábio, abrindo o placar no Mineirão. Os companheiros de equipe do camisa 9, correram para cumprimentar o dono do 100º gol tricolor na temporada, e comemoraram cantando parabéns, batendo palmas.

Para o aniversariante do dia, um gol. Para o time, uma vitória. Para os são-paulinos, um sonho.

Foto: https://s02.video.glbimg.com

Querendo ou não, o placar parecia injusto, por tudo o que foi o início do jogo. E bastou apenas 2 minutos para que o brilho da festa fosse apagado. Willian recebeu a bola de Gabriel Xavier na entrada da área, e bateu no canto, fazendo seu 10º gol no Campeonato Brasileiro, e empatando a partida.

Vale lembrar que o professor Osório, quando comandou a equipe do Morumbi, sempre foi enfático ao dizer que os 5 minutos após o gol são essenciais para o bom andamento da partida, já que é durante esse intervalo de tempo que os jogadores são tomados pela euforia, o que os leva a ficarem mais propícios à falta de atenção. Desse modo, é bem provável que cedam o empate ou a virada, justamente por não estarem concentrados.

Então, dito e feito. 1x1 no placar.

Superior em campo, o Cruzeiro ditava o ritmo do jogo, principalmente no meio-campo, onde era visivelmente perceptível o domínio dos jogadores tricolores pelos cruzeirenses. E assim foi até o fim do primeiro tempo.

No início da segunda etapa, o São Paulo conseguiu equilibrar um pouco a partida, trocando passes com tranquilidade. Doriva fez sua 1ª substituição aos 8 minutos, quando sacou o lateral Bruno, para a entrada do meia Hudson. E a sorte, mais uma vez, não parecia estar com o Tricolor. Aos 11 minutos, Alexandre Pato perdeu um daqueles “gols feitos” na pequena área, perdendo também a chance de desempatar a partida e, quem sabe, encaminhar o time pra mais uma vitória. Mas não. Aos 22, Alan Kardec entrou no lugar de Luis Fabiano e o jogo seguiu quase da mesma maneira. E o que era pra ser um jogo de comemorações, com direito a gol do aniversariante do dia e belíssimas defesas do goleiro Denis, que substituiu com louvor o Mito, acabou em uma amarga derrota. Aos 35 minutos, Leandro Damião, que entrou aos 27, recebeu um belo lançamento de Ariel e invadiu a área, batendo forte, sem chances para o camisa 12. Um presente de grego para o São Paulo, que viu o Cruzeiro cravar a vitória, e ainda por cima, quebrar o tabu de não vencer o Tricolor no Mineirão há 11 anos.

O atacante Alan Kardec ainda levou um cartão amarelo, e aos 40, Doriva ainda promoveu Centurión no lugar de Wesley, mas de nada adiantou. Talvez a mudança surtisse mais efeito se o atacante Rogério entrasse no lugar do camisa 19.

Com um público pagante de 33.417 pessoas, o São Paulo viu escapar mais uma vez a chance de entrar no G4, e não aproveitou a oportunidade, uma vez que o Santos empatou em 0x0 contra o Joinville. A equipe do Morumbi continuou na 5ª colocação com seus 53 pontos, e viu seu rival ficar 1 ponto à frente na tabela, com 54. Já o Cruzeiro, ocupa o 10º lugar, com 48 pontos, 6 a menos que o Peixe.

A equipe de Mano Menezes jogará novamente dia 15 de novembro, às 17h (horário de Brasília), no Mineirão, contra o Sport. O São Paulo, dia 19, receberá o Atlético Mineiro, às 22h (horário de Brasília), no Morumbi.

Com tantas chances de entrar no G4 perdidas, o Tricolor Mais Querido ainda está na briga, e terá pela frente 4 finais que decidirão o rumo do vermelho, branco e preto... Para o time, quatro vitórias. Para os são-paulinos, o despertar de um sonho.

 

Por Renata Chagas