QUEM MANDA NESSA CIDADE SOU EU!!

 

Foto: Reprodução da Internet

Meus amigos, que domingo foi esse?

Eu não sei descrever para vocês qual o sentimento nesse exato momento. 

Se a gente não morreu de infarto até agora, é sinal que o coração e a macaca ainda consegue nos surpreender.

Depois de quatro meses aguentando toda zoação possível, a Ponte Preta entrou em campo hoje para enfrentar o Mirassol, precisando ganhar para não depender de ninguém ou empatar e depender de todo mundo.

Com um primeiro tempo sem mostrar muita coisa, Ponte Preta e Mirassol pouco criaram e com a soma de todos os resultados, a macaca se livrava do rebaixamento.

Na volta para o segundo tempo, a água normal esquentou e a macaca partiu pra cima. Brigatti fez as duas primeiras substituições e já logo em seguida, Bruno Reis marcou para a alvinegra de Campinas. Com Água Santa e Oeste perdendo, foi só administrar o placar, e no final depois de tanto sofrimento amargando a zona do rebaixamento, passamos de matematicamente rebaixados à classificados. Final de jogo, Ponte Preta classificada 1 x Mirassol 0. 

Mas partida à parte meus amigos, quero enfatizar que não me vanglorio pela classificação. Acho realmente que só escapar do rebaixamento seria suficiente. Mas depois de mais de 120 dias, aguentando a torcida rival encher o saco, aguentando comentários do presidente rival que não queríamos a volta do campeonato com medo, aguentando o técnico rival debochar da nossa situação, ver a Macaca classificada depois da “suposta” entrega deles para nos prejudicar e ver nossa classificação e a deles não, é motivo suficiente para toda comemoração do mundo.

Pés no chão, meu rival. 

Menos arrogância, menos soberba.

Deu a lógica, o maior de Campinas está classificado.

Quem manda nessa cidade sou eu!

A Macaca enfrenta agora o Santos, quarta ou quinta-feira, pelas quartas de final na Vila Belmiro, com horário a ser definido. 

 

Por Li Zancheta

Preto e branco é minha cor. 

 

*Esclarecemos que os textos trazidos nesta coluna não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Mulheres em Campo.