Raça, luta e sangue consagram São Paulo campeão Sul-Americano em 2012

 

O dia 12 de Dezembro de 2012 é com toda certeza o dia mais marcante e mais inesquecível da última geração são-paulina, não só pelo titulo da Sul-Americana, o mais novo da nossa galeria, mas sim porque naquele dia vimos um capitão de 39 anos ceder lugar a uma estrela de apenas 20. Lucas Moura o menino humilde da Periferia paulistana ganhou o mundo e fechou sua trajetória no Soberano com chave de ouro e faixa de capitão.

 


Lucas Moura comandou a festa no Morumbi (Foto: Bruno Santos/ Terra)


 

O jogo que não teve fim...


67 mil são-paulinos fizeram o Morumbi tremer na noite daquela quarta-feira (12), o time brasileiro conseguiu um empate por 0x0 no La Bombonera uma semana antes diante do Tigres, e só a vitória consagraria a equipe campeã.

Apesar de sobrar em campo e ter todo domínio do jogo,  os donos da casa passaram sufoco para cruzar a defesa argentina, só aos 22' o Tricolor chegou de fato ao gol; Jadson iniciou uma jogada rápida com Wilian José que acionou Lucas para finalizar com excelência 1x0 no Morumbi. Lágrimas caíram dos olhos do menino que fazia sua última partida com a camisa do São Paulo.

Não demorou muito para o camisa 7 mais uma vez aparecer, dessa vez como garçom, serviu Osvaldo que invadiu a área, para fazer o segundo dos dono da casa 2x0.

 

Era tudo que a torcida precisava para soltar o grito de É CAMPEÃO!


O Tigres passou a não suportar a pressão das arquibancadas e as belas jogadas dentro de campo e como todo mau perdedor passou a bater, o alvo não podia ser outro a não ser: LUCAS MOURA. Aos 39’ o garoto tomou uma cotovelada do argentino Orban que não foi nem ao menos sinalizada pelo árbitro, que chegou a insinuar que o atacante são-paulino estava encenando.


(Foto: Leonardo Soares/Uol)


No fim do primeiro tempo Lucas tirou o algodão do nariz que ainda sangrava e mostrou para o agressor foi a gota que faltava para a confusão começar. Os argentinos se irritaram e partiram para cima do atacante, outros jogadores tricolores entraram na briga, que envolveu seguranças e até policiais militares que trabalhavam no jogo. No fim da confusão Paulo Miranda e Diaz, foram expulsos.

Passado os minutos tradicionais de intervalo o time do Morumbi voltou ao gramado, já os argentinos não deram as caras. O juiz esperou por mais de meia-hora, então decidiu decretar o fim de jogo, a vitória do São Paulo e com isso O TÍTULO.

 

NÃO ESTRAGARAM A FESTA

 

Mesmo após a confusão as 67 mil pessoas que estavam no Morumbi gritavam “O campeão voltou” em alusão aos 4 anos sem títulos, além disso a torcida também se despedia de Lucas, que pode levantar o caneco, após ato de imensa generosidade de Ceni, que passou a faixa de capitão para o menino que conseguiu contagiar a todos com a sua alegria.


FOI INESQUECÍVEL - Bia Souza

 

“Para mim torcedora que não vi o São Paulo de Telê. Que de 2005 à 2008 ainda era muito nova, ver em 2012 o meu time de coração vencer um título internacional depois de 7 anos foi maravilhoso, me senti dentro do Morumbi junto com aqueles 67 mil torcedores, lágrimas de felicidades rolaram, de tristeza também pela saída de Lucas, mais nada apaga aquele brilho de todos os jogadores.”

 

FOI INESQUECÍVEL - Jéssica Gonçalves

 

“Particularmente foi um momento ímpar, porque meu filho tinha nascido a menos de três meses, e mesmo assim eu larguei tudo e decidi estar presente naquela final, porque eu sabia que mais um pedaço importante da historia do meu grande amor seria escrita, e vencer da forma que vencemos, com o adversário não voltando para o segundo tempo, coisa que EU nunca havia vivido na arquibancada foi maravilhoso, mais do que um titulo foi inesquecível ver o Lucas deixar literalmente o sangue dele em campo”.


 


Homenagem da Torcida Tricolor Independente a Lucas (Foto: Rodrigo Coca / Fotoarena VEJA)



 

FICHA TÉCNICA


 

SÃO PAULO 2 x 0 TIGRE-ARG

 

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rafael Toloi, Rhodolfo e Cortez; Denilson, Wellington e Jadson; Lucas, Willian José e Osvaldo (Douglas). Técnico: Ney Franco.

TIGRE-ARG - Damián Albil; Paparatto, Echeverría, Erik Godoy e Lucas Orban; Galmarini, Gastón Díaz, Diego Ferreira e Ramiro Leone; Rubén Botta e Ezequiel Maggiolo. Técnico: Néstor Gorosito.

GOLS - Lucas, aos 22, e Osvaldo, aos 27 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS - Denilson, Galmarini, Rogério Ceni, Godoy.

CARTÕES VERMELHOS - Paulo Miranda e Díaz.

ÁRBITRO - Enrique Osses (Fifa/Chile).

RENDA - R$ 3.942.800,00.

PÚBLICO - 67.042 pagantes.

LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).

 

Por: Bia Souza e Jéssica Gonçalves - As tuas glórias vêm do passado