Ricardo Gomes perde mais uma fora de casa e torcida teme pela sua permanência em 2017

 

O São Paulo entrou na Arena Condá às 19h30 (BSB) deste domingo para enfrentar a Chapecoense pela 36ª rodada do campeonato brasileiro de 2016, e o resultado foi mais uma derrota fora de casa, livre do perigo de rebaixamento e sem chances de G-6 parece que o time comandado por Ricardo Gomes não quer mais saber de nada além de cumprir a tabela.

 

Foto: Giba Pace Thomaz – Chapecoense

 

 

Quem assistiu ao jogo desde o início e viu Thiago Mendes (duas vezes), Robson e David Neres ameaçarem a chape antes mesmo dos 10 minutos de partida, com toda certeza imaginou que São Paulo faria uma grande atuação, mas ficou mesmo na imaginação, depois da pressão inicial o time caiu de rendimento e o goleiro Danilo só voltou a trabalhar em um chute fraco de David Neres aos 29’ e em uma bomba de Buffarini que exigiu um pouco mais do camisa 1.

 

Os donos da casa também não demostravam perigo, não tinham domínio do jogo e não conseguiam ficar com a bola no pé, porém ao contrário dos visitantes jogaram no erro do adversário e aproveitarem as oportunidades. Aos 39’ Thiago Mendes falhou e só observou o belo passe de Thiaguinho para Dener que bateu forte e cruzado sem chances para Denis que chegou até a encostar-se à bola, mas não conseguiu evitar o gol.

 

 

Foto: Giba Pace Thomaz – Chapecoense

 

Camisa 6 comemora gol que abriu o placar na Arena Condá.

 

Pouco mais de 5 minutos depois foi a vez do autor do passe marcar, Thiaguinho que estava em noite inspirada aproveitou a falha da zaga paulista e bateu de pé esquerdo de fora da área com liberdade, dessa vez o camisa 1 não viu nem a cor da bola 2x0 Chape!

 

Na segunda etapa mesmo diante do já “natural” desânimo dos jogadores são-paulinos quando estão atrás no placar, os donos da casa não ampliaram e novamente quem chegou com perigo foi o São Paulo com chute de Cueva rasteiro aos 3’. Depois aos 26’ na melhor oportunidade, quando Mena levantou na pequena área, Thiago Mendes apareceu de cabeça, mas o zagueiro Thiego fez seu papel e tirou em cima da linha, aos 39’ Gilberto desperdiçou o passe de Cueva batendo em cima da defesa e por último aos 40’ o camisa 20  tricolor Jean Carlos bateu falta de longe, mas Danilo espalmou para fora.

 

A Chape preferiu ficar na dela na segunda etapa e só administrar a vitória conquistada no primeiro tempo.

 

Com mais essa derrota 14ª da competição o São Paulo continuou com os mesmos 46 pontos estagnado na 13ª colocação, já a Chapecoense chegou aos 52 pontos ocupando a 8ª colocação com apenas 3 de diferença para o botafogo que é o último do G-6, ou seja, além de tentar a vaga que seria histórica na final da sul-americana o time de Chapecó ainda irá brigar até o final por uma vaga na libertadores de 2017.

 

Na próxima rodada o tricolor paulista terá que viajar até Belo Horizonte para enfrentar o Atlético-MG, já a Chapecoense fará um duelo Alviverde na Arena Palmeiras em clima de final, já que uma eventual vitória dá o titulo aos donos da casa. Ambos os jogos às 17h00 de Brasília.

 

FICHA TÉCNICA

 

CHAPECOENSE 2 X 0 SÃO PAULO

 

Local: Arena Condá, em Chapecó (SC)

Árbitro: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)

Auxiliares: Leirson P. Martins e Mauricio Coelho S. Pena (ambos do RS)

Público/renda: 8.163 torcedores / R$ 122.910,00

Cartões amarelos: Neto (Chapecoense); João Schmidt (São Paulo)

Gols: Dener Assunção, 39'/1ºT (1-0) e Thiaguinho, 46'/1ºT (2-0)

 

CHAPECOENSE: Danilo, Caramelo, Thiego, Neto e Dener Assunção; Josimar, Matheus Biteco (Arthur Maia - 30'/2ºT), Cleber Santana (Gil - 17'/2ºT) e Thiaguinho (Ananias - 17'/2ºT); Lucas Gomes e Bruno Rangel. Técnico: Caio Júnior.

 

SÃO PAULO: Denis, Buffarini, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; João Schmidt, Thiago Mendes e Cueva; David Neres (Daniel - 35'/2ºT), Robson (Jean Carlos - 19'/2ºT) e Pedro (Gilberto - intervalo). Técnico: Ricardo Gomes.

 

 

 

Faltou comprometimento!

 

Ao final da partida o técnico Ricardo Gomes demonstrou bastante insatisfação ao ser questionado sobre a entrevista coletiva dada antes  mesmo da partida por Rodrigo Caio que na ocasião afirmou:

 

“É falta de comprometimento. A gente entende que tem momento do jogo que o desgaste é muito grande, mas tem de correr e se dedicar” o zagueiro ainda completou dizendo que em muitos momentos a equipe não teve união para sair dos momentos difíceis.

 

Foto: Rubens Chiri/SPFC

 

Irritado R.Gomes não deixou não que repórter finalizasse sua pergunta referente a falta de comprometimento da equipe.

 

Para o treinador essa falta de comprometimento nunca existiu, mas sim uma “ressaca de libertadores” e por incrível que pareça Ricardo continua com mesmo discurso barato de que “Time jogou bem, mas pecou nas finalizações”.

 

Mas sensação que o torcedor tem é exatamente a expressada por Rodrigo Caio, parece mesmo que do jeito que está, está bom. Como quem pensa “Ok não caímos”. E isso é pouco, muito pouco para o São Paulo e o mais vergonhoso é saber que quando o elenco tem o mínimo de esforço como no caso do clássico contra o Corinthians, consegue jogar bem e vencer, mas de repente de um jogo para o outro decide não apresentar mais futebol nenhum e simplesmente cumprir a tabela.

 

Se tem algo para aprender com os seguidos erros é que em 2017 o time precisa continuar utilizando os garotos de Cotia e urgentemente recompor o elenco, o maior medo é a diretoria do Soberano continuar sustentando um trabalho (ou falta dele) de um treinador que já demonstrou não ter capacidade para treinar o São Paulo nesse momento.

 
 
 

Jéssica Nogueira Gonçalves.