SAUDADES DE VER A BOLA ROLAR? QUEM NÃO ESTÁ?

(Foto: Pexels/Folha de Londrina)

 

O ano novo de 2020 começou com a promessa de ser cheio de alegrias no cenário esportivo, afinal, teríamos além dos estaduais, o Brasileirão, a Copa do Brasil, a Copa Verde, sem falar na Libertadores e Mundial, e isso só no âmbito do futebol. Teríamos também o Pré-Olímpico, que certamente iria mexer com a alegria e emoção dos povos de diferentes Nações.

Infelizmente, nem sempre as coisas acontecem como a gente espera, e no final de fevereiro começo de março, as primeiras notícias de um vírus devastador começaram a fazer com que o sonho daqueles que amam o esporte se tornasse um pesadelo. Um vírus que atingiu primeiro a China e se espalhou rapidamente pelo mundo, chegou ao Brasil e acabou suspendendo todos os campeonatos, do mais humilde ao de maior destaque no país, sem que pudéssemos fazer nada para impedir. Com o alto perigo da contaminação em massa e a possibilidade de até mesmo perder vida, como já aconteceu com mais de 12 milhões de habitantes do planeta, não havia o que se fazer.

Eis que, de repente, além de confinadas, nos vimos na situação de não poder acompanhar de perto a atuação dos nossos principais jogadores. Cada grito de gol à beira do gramado ficou entalado. 

A saudade da arquibancada que fazia a festa durante toda a partida tentando empurrar a equipe, comemorando cada gol como se fosse o último (pareciam estar adivinhando), voltando para casa com o sorriso largo no rosto pela vitória da sua equipe, começou a aumentar dia após dia. Até mesmo da cara inchada de tanto chorar pela derrota sentimos falta, afinal, ganhando ou perdendo estávamos lá de qualquer forma.

O futebol retornou? Sim, mas de uma forma bastante inusitada: sem a presença da torcida, começando pelo Campeonato Inglês que foi o primeiro a retornar. Por aqui, alguns estaduais já voltaram ou estão se preparando para que isso aconteça, porém também sem a presença da torcida. 

Frustação? Sim, afinal de contas a gente ainda tinha aquela ponta de esperança e sonhava em poder fazer o pré-jogo da nossa equipe, vestir a camisa e postar a foto com a legenda “partiu Arena”, preparar o psicológico para ver o time entrar em campo, receber o carinho daquele jogador que admiramos tanto, cantar a partida toda, voltar praticamente sem voz praticamente para casa de tanto amor pelo time, quando de uma vitória ou de muito palavrão - sim, mulher também xinga para disfarçar a raiva nos estádios, principalmente quando é um jogo importante e o time perde, caracas, que ódio. Como colunistas, porém antes de tudo torcedoras fanáticas do nosso time do coração, era fácil notar quando alguém escrevia com raiva ou alegria pelo resultado da partida.

Que falta tudo isso faz!

Para terminar, deixo um recado às colunistas e também à todos aqueles que respiram e consomem o esporte, e principalmente o futebol: tenhamos ânimo e sigamos em frente, esse vírus que parou o mundo será derrotado e, em breve - mesmo que seja apenas em 2021 -, encontraremos nossos times amados e voltaremos a comemorar extasiados sua volta. O mundo parou, mas a vida, assim como o esporte, têm que continuar. Não desanimem.

Nunca será só Futebol!

Por Terezinha Alvarenga

 

*Esclarecemos que os textos trazidos nesta coluna não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Mulheres em Campo.