SE NÃO FOR DIFÍCIL NÃO É O ATLÉTICO

 

“Se não for difícil não é o Atlético”, o jogo desta quarta-feira (05), deixou esta filosofia – por assim dizer -, em evidência.Ninguém sabe quem criou essa máxima, mas todos os atleticanos sabem que é bem verdade.

Tínhamos  ciência de que o jogo seria difícil. O Junior Barranquilla, mais conhecido como Júnior “TU PAPA” não chegou à final por acaso e também não por acaso está na final do Campeonato Colombiano que será decidido no próximo domingo (09). Mesmo assim, tínhamos aquela esperança de que o Furacão fosse o “PAPA” do Junior. Mas foi difícil para o Atlético, como tinha que ser.

Algumas peças não jogaram como deveriam e como poderiam. Alguns gols insistiram em não sair e apenas rezamos, aguardando por uma tragédia quando um dos nossos fez uma falta infantil na entrada da grande área, no que o juiz marcou o pênalti para eles.

COMO FOI O JOGO

O Junior começou a partida dominando o time do Atlético, que com Bruno Guimarães no lugar de Wellington e Jonathan jogando abaixo da média, não conseguia ultrapassar o meio de campo.

Foi um primeiro tempo bastante difícil. Sentimos falta do Furacão arrebatador e dominante que havia se apresentado outrora, nos demais jogos fora de casa deste mesmo Campeonato. O Junior, por outro lado se apresentou muito bem, anulando o ataque do “EL PARANAENSE” que teve que segurar a gigantesca pressão do time colombiano empurrado por sua torcida.

No segundo tempo, tomado por um provável incentivo de Tiago Nunes no vestiário – provável porque ainda não fomos agraciados com o vídeo dos bastidores de ontem -, o time surpreendeu.

Logo no início Léo Pereira perdeu um gol de cabeça. Aos 7 minutos, Nikão puxou o contra-ataque e tocou para Pablo chutar lindamente, abrindo o placar na Colômbia.

 

Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

 

Estávamos extasiados. Nosso Furacão estava de volta no segundo tempo. Mas o êxtase durou pouco tempo. Logo em seguida, após Jonathan tirar de qualquer jeito e fraco no meio da área, o González deles empatou o jogo no Estádio Metropolitano.

Aí os torcedores do Junior explodiram nas arquibancadas. E nós bem sabemos a força que uma torcida tem.

Para nosso desespero, aos 27 minutos Rony fez uma falta infantil na entradinha da grande área no que o juizão marcou a penalidade máxima. O Zagueiro Pérez foi para a cobrança. Neste momento, atleticanos viraram de costas, fecharam os olhos, rezaram para os seus santos, orixás e afins. Deu certo! O balaço do zagueiro “blanco i rojo” explodiu no travessão e os corações rubro-negros explodiram de felicidade.

Sorte de campeão, alguns diriam. Mas nós, sensatos que somos, preferimos – por enquanto – dizer apenas SORTE DO FURACÃO. Ao final, o time colombiano ainda deu trabalho para Santos que foi magistral, fazendo duas belas defesas ao final.

 

Foto: Miguel Locatelli/Site Oficial do CAP

 

Em entrevista ao Site Oficial do CAP, Santos ressaltou a força da torcida para o próximo jogo: “Temos 90 minutos ainda para consolidar esse título. Nós sabemos da força da nossa equipe dentro da Arena. Junto com nosso torcedor, esperamos uma grande festa e retribuir com uma grande apresentação e o título. Mas não tem nada decidido e vai ser muito difícil”.

Embora o empate em 1 a 1 fora de casa seja de certo modo favorável, o Atlético precisará rever os pontos de erro e acertar o time para a grande final.

O jogo de volta está marcado para a próxima quarta-feira (12), na Arena da Baixada. Os ingressos para a partida esgotaram-se na semana passada, em poucas horas. Considerando que os sócios terão que habilitar seus smarts cards para acompanhar o jogo, a probabilidade é que na segunda-feira sejam disponibilizadas novas associações e posteriormente, novos ingressos.

SOMOS O FURACÃO.

Por Daiane Luz