SEM TÉCNICA, MAS COM RAÇA O SPFC CONSEGUE EMPATE EM RIBEIRÃO PRETO!

O tricolor foi até São José do Rio Preto enfrentar o Linense pela 13º rodada do Campeonato Paulista, e o resultado: uma partida dura e um empate conquistado por Kelvin na raça aos 47 do segundo tempo.

Tecnicamente ruim, o São Paulo já começou o jogo com diversos toques errados assim como a equipe do Linense, aos 12 minutos, Ganso tocou de letra para Bruno que cruzou e deixou Calleri livre na pequena área, mas o atacante chutou para fora.

 Na sequência, o time do interior respondeu com chute forte de Thiago Humberto, Denis saiu bem e fez a defesa. Dai em diante, o jogo seguiu morno, e o tricolor não aproveitou a posse bola superior. 

E quando Bruno sofreu um carrinho dentro da área e juiz marcou pênalti a favor do tricolor o jogo pareceu que iria melhorar, mas Michel Bastos foi quem pegou a bola para efetuar a cobrança e o resultado foi mais um desperdício. Só este ano o time comandado por Patón já perdeu 4 pênaltis em 5 batidos. O primeiro deles quem perdeu foi este mesmo camisa 7, porém, também foi ele quem bateu a única penalidade convertida em gol nesta temporada. 

Bastos que tem sido imensamente criticado pela torcida São Paulina no final do primeiro tempo desabafou:

(Foto: ESPN)

 “- Só erra quem bate, ainda mais na minha situação. Estou buscando reencontrar a paz comigo e com a torcida. Não posso fugir de determinadas situações. Foi por isso que peguei a bola para bater”

Como de costume, depois da perda do pênalti o time sentiu e caiu mais ainda de rendimento. 

No segundo tempo, o São Paulo voltou atacando e fazendo com que o Linense jogasse cada vez mais no campo de defesa. Aos 7 minutos da segunda etapa, Ganso cruzou e Hudson cabeceou por cima, em seguida o Linense quase abriu o placar com um chute forte de Leandro. Paton mexeu, colocou Kelvin, Kardec e Lucas Fernandes para tentar ganhar mais velocidade de jogo, mas nada adiantava e aos 39 minutos Zé Antônio marcou um golaço, um chute de fora da área indefensável 1x0 para os mandantes do jogo. 

E parecia que estava acabado. A torcida presente no estádio perdeu a cabeça novamente com Michel e xingou o jogador incansavelmente, mas por incrível que pareça o time apresentou vontade e resolveu buscar o empate, pressionou nos minutos finais no maior estilo raça. Primeiro Carlinhos e Kardec tabelaram, o atacante invadiu a área bateu com força, mas parou no goleiro Oliveira.

(Foto: Rubens Chiri)

 Logo após, Ganso bateu falta, que sobrou para Maicon que bateu cruzado e Kelvin de carrinho empatou o jogo. 
1x1 e mais um empate na temporada.

FICHA TÉCNICA

LINENSE 1 X 1 SÃO PAULO

Local: Estádio Anísio Haddad, em São José do Rio Preto (SP)
Data: 29 de março de 2016, quarta-feira
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias Araújo
Auxiliares: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Rafael Tadeu Alves de Souza
Público: 10.510 pagantes
Renda: R$ 518.000,00
Cartões amarelos: Oliveira, Rogério e Zé Antônio (Linense); Carlinhos, Alan Kardec e Ganso (São Paulo)
Gols:
LINENSE
: Zé Antônio, aos 40 minutos do segundo tempo
SÃO PAULO: Kelvin, aos 48 minutos do segundo tempo

LINENSE: Oliveira; Paulo Henrique (Marcão), Adalberto, Jorge Luiz e Rogério; Bileu, Zé Antônio, Leandro Brasília e Thiago Humberto (Filipe Soutto); Anderson Aquino (Ricardinho) e William Pottker
Técnico: Moacir Júnior

SÃO PAULO: Denis; Bruno, Maicon, Rodrigo Caio e Carlinhos; Hudson, Thiago Mendes (Lucas Fernandes), Michel Bastos, Ganso e Daniel (Kelvin); Calleri (Alan Kardec)
Técnico: Edgardo Bauza

A situação do São Paulo ficou ainda mais complicada, o time perdeu a liderança do grupo C, já que o Audax ganhou do Oeste e somou 21 pontos contra 19 dos tricolores. E o Linense somou 18 pontos e é terceiro colocado do grupo A.

(Foto: Agência do Esporte)

Tirando o jogo amistoso contra o Cerro Porteño no Paraguai, a equipe comandada por Edgardo Bauza ainda não venceu jogando como visitando nesta temporada, perdeu e principalmente empatou contra times considerados pequenos tanto na Libertadores como no Paulistão, Patón tem sido considerado conservador demais, pois  o técnico não consegue explorar seus jogadores. O time nem se quer tem uma base defina, tem errado taticamente e já começa a receber criticas da diretoria e parte da torcida também já demonstra insatisfação.

 Todos sabiam que Bauza precisava de tempo para ajustar a equipe, mas está foi a 18ª partida do comandante, que parece não fazer questão de corrigir erros básicos como de passe e de marcação, porém, tanto Leco como o novo diretor de futebol Luís Cunha defendem o treinador e dizem não haver possibilidade de demissão.

Jéssica Nogueira Gonçalves