Soma +3 e segue o líder

19458472_1367470986702285_1771156157_n.jpg
Fumagalli marca seu 87º gol com a camisa do Bugre (Fonte: Globo Esporte)

Uma noite de Fumagalli. O Bugre venceu o lanterna Náutico por 2x1 dentro do Brinco de Ouro da Princesa e é o mais novo líder da Série B. O mais otimista torcedor bugrino acreditaria em ver o Guarani líder do campeonato após dez rodadas disputadas? Essa é a nossa realidade. Não somos o time com grandes nomes. Não temos a maior folha salarial. Nem ao menos temos a maior cota de televisão. Pelo contrário, nossa cota é uma das mais baixas. Mas aqui tem raça, tem luta, tem entrega, tem garra, tem suor, tem muita camisa. Tudo isso graças ao comprometimento dos jogadores e uma grande parcela de Vadão e sua comissão técnica. A caminhada ainda é longa, restam 28 rodadas. Os pés devem estar firmes no chão, mas comemorar o bom momento não faz mal a ninguém. Nunca duvidem do que o Guarani é capaz de fazer.

Vadão sabe conduzir um vestiário como ninguém. Tem diálogo extra-campo e tenta extrair o máximo de seus jogadores. Tem bala na agulha para falar com a imprensa e defender seus companheiros de trabalho nas entrevistas.

É fato que a vitória poderia ter sido faturada por um placar mais elástico, afinal o Timbu teve um jogador expulso no final do primeiro tempo. O Bugre bem que tentou ampliar, mas não conseguiu transformar as chances em gols.

Falando do que foi o Guarani em campo, vamos começar com Fumagalli, o autor dos dois gols. Ele organizou o meio-campo, deu sustentabilidade e confiança aos seus companheiros. Além de cobrar os dois pênaltis com uma enorme tranquilidade e maestria.

cdg20170624017.jpg

Fumagalli foi decisivo para o Guarani, com dois gols de pênalti (Foto: Agência Estado)

Bruno Nazário foi mais uma vez intenso, apesar de não deixar sua marca, é o jogador que faz os adversários terem pesadelos. Muito rápido e objetivo, acelerou nossas jogadas de ataque e deu classe aos toques de bola.

Lenon, sempre digo que é o jogador mais regular da equipe. No jogo de ontem, sofreu o primeiro pênalti, foi muito bem na defesa e apoiou o ataque. Para mim, o melhor jogador da partida.

Destaco a atuação de Evandro. Com os espaços dados pelo Náutico por ter um jogador a menos, o volante foi agressivo e bateu seu recorde de passes no campeonato. Parecia estar atuando mais como um meia do que como um volante. Não precisou proteger tanto a zaga nas descidas de Salomão e desarmou pouco. Resumindo: não foi exigido defensivamente.

A variação de jogadas foi outro ponto positivo na vitória. O time que era totalmente dependente do lado direito, passou a usar muito bem o lado esquerdo. Salomão foi exigido e se saiu bem na função. Isso torna o time imprevisível. Os adversários terão trabalho.

Tudo bem que atacante vive de gols, mas os problemas de Eliandro não são só esses. Ele tem tido dificuldade no domínio de bola e suas finalizações tem incomodado. Foram 3 erros em 4 tentativas. Aguardando a regularização de Rafael Silva, a briga por uma posição no ataque será interessante.

Após a maratona de jogos, o Guarani terá uma semana para se preparar para o confronto em Natal, onde enfrenta o ABC. É tempo de recuperar quem precisa ser recuperado, avaliar quem está de fora pedindo passagem para ser titular e comemorar a liderança. SIGAM-ME!

 

Por Fernanda Martins.