Somos Palmeiras e isso basta! Palmeiras x Santos

Somos Grimaldi, Di Biasi, Oberdan, Ademir, Maluco, Edu e Leão!

Somos Djalminha, Animal, Evair, Sampaio, Tonhão, Marcos e Valdívia!

Somos Prass, Zé Roberto, Dudu, Robinho, Barrios, Jesus e Marques!

Somos os nossos pais, nossa família e os nossos amigos!

Somos a nossa história, em cada poro do corpo!

Somos o Palmeiras e nada mais!

 

Manhã de quarta-feira... "É hoje", foi a primeira coisa que o torcedor palmeirense pensou ao abrir os olhos sonolentos... O café com pão tinha um gosto diferente... Era gosto de ansiedade! Ele sabia que o dia seria longo...

No trajeto para o trabalho, as lembranças da trajetória do time na Copa do Brasil, assaltaram a sua mente e um frio na barriga o fez lembrar: "É hoje!" Chegou o dia da grande decisão!

O dia não passa, e o relógio inimigo, parece nem se mexer! À medida que as horas se arrastam, a ansiedade aumenta e o coração começa a palpitar...

Novamente cenas lhe vem à mente, agora do jogo de ida na Vila Belmiro, "Conseguimos segurar a pressão e só tomamos um gol. Agora em casa, é só virar... E o Palmeiras é o time da virada...", diz para si mesmo, na tentativa de se acalmar! Não funciona! O coração, velho de guerra, está cada vez mais descontrolado.

O tão esperado fim do expediente chega enfim... E tudo é deixado para trás. A camisa social dá lugar ao manto sagrado e a bandeira alviverde, toma o lugar das planilhas de contas... Agora, só quer contar as horas que faltam para a grande decisão!

E ainda falta muito tempo... Mas de longe, ele consegue ver, o mar de torcedores apaixonados que vai se aglomerando rapidamente ao redor da Arena. A emoção de ver os amigos Palmeirenses, todos cantando numa só voz em apoio ao time, dá um nó na garganta... E o jeito é tomar aquela gelada! Na televisão do bar, a retrospectiva do time no campeonato e o repórter que fala da difícil tarefa do Palmeiras, que precisa empatar o jogo e virar, sem tomar gol do forte adversário. O coração dispara mais uma vez, e ele se lembra do grito da torcida: "Tem que jogar com a alma e o coração..."

Chegou a hora! Dentro do estádio, ele já não consegue conter as lágrimas, que escorrem livremente pelo rosto, quando vê a sua casa completamente tomada de torcedores enlouquecidos, como ele, por aquela vitória. Não... Não existe nada que explique aquela cena! Todos estão unidos num só pensamento: ser campeão.

Começa o espetáculo e o Palmeiras vem pra cima, impondo o seu ritmo de jogo, era tudo que a torcida queria ver e logo aos seis minutos, o menino Jesus perde um gol, cara a cara com o goleiro. O coração? Já está na boca faz tempo... O estádio inteiro se levanta e quase grita gol. O primeiro tempo segue com o time dominando e anulando as jogadas adversárias, mas o gol não sai.

No intervalo, que pareceu durar uma eternidade, mil coisas passou pela cabeça... E uma delas, foi a lembrança do último título do Palmeiras, em 2012, também pela da Copa do Brasil. Uma noite que ele não consegue esquecer.

O segundo tempo veio rápido, e o tão esperado gol, também; Barrios toca para Robinho e o meia, para Dudu, que tem apenas o trabalho de colocar a bola para dentro do gol. O coração explode de alegria, junto aos gritos alucinados, dos quase 40 mil torcedores presentes. O Santos que volta um pouco melhor, não consegue parar o Verdão, que mantém uma atuação ofensiva e determinada.

A torcida "que canta e vibra" faz um show à parte e ensurdece o estádio, cantando em uma só voz "Ô vamos ganhar Porco" Agora, ele nem sente mais o coração, porque o corpo inteiro parece estar em campo para buscar o segundo gol! O gol da vitória! O gol do título!

E este vem! Gol lindo! Gol laço! Aos 39 minutos! Robinho levanta na pequena área, Víctor Hugo cabeceia para o meio e novamente o craque Dudu, atento à jogada, completa, estourando a rede. Momento mágico, o gol que daria o título, aconteceu. O estádio ficou pequeno, para conter tanta emoção! Uma festa linda!

Mas o grito de campeão foi subitamente paralisado... O Santos consegue empatar o jogo, depois de uma falha de atenção da defesa, "sempre a defesa", pensa ele, desesperado... O momento que seria de pura alegria, se transforma em pesadelo.

O juiz apita o fim do jogo: a decisão irá para os pênaltis. Boca seca, mãos frias, lágrimas nos olhos... A torcida, que não parou de cantar um só minuto, o fez lembrar-se de toda a história do Palmeiras e do quanto o seu time é grande. Para nós, pênalti não é sinônimo de loteria! Para nós, pênalti é sinônimo de Prass!

Reunindo as últimas foças, ele olha para tudo ao seu redor e pensa: “É hoje" e enchendo-se de uma esperança que não tem explicação, grita: "Vai Palmeiras”.

E foi justamente a muralha do Verdão, o grande goleiro Fernando Prass, que faz o gol do título. O tão esperado grito de campeão, sai embargado pelas lágrimas, que voltam a cobrir o seu rosto! O Palmeiras é o campeão da Copa do Brasil 2015!

paranáonline.com.br

Torcedores na arena e espalhados pelo mundo, cantam em uma só voz o hino do Palmeiras, como uma verdadeira oração!

Não há palavras que possam explicar esse sentimento. Não há nada que possa nos defina! Porque somos o Palmeiras e isso basta!


Ale Moitas