SONHO ADIADO OUTRA VEZ!

 

 

Foto: Reprodução do vídeo da Rede Social do Clube

 

Que 2020 vem sendo um ano atípico, não temos o que discordar, mas parece que para o ASA foi 'mais do mesmo' (no sentido do objetivo maior).

Começamos o ano na euforia, levamos o título da Copa Alagoas, começamos a planejar um ano 'curto' (já que só teríamos o Campeonato Estadual para disputar), mas achávamos que a empolgação seguiria em campo.

Chegamos no Campeonato Alagoano, levamos um banho de água gelada, rodadas e tropeços, medo de acontecer o que nunca aconteceu (rebaixamento no estadual), e uma pandemia que desnorteou o país/mundo inteiro.

Com o Coronavírus no país, tememos sobre um possível retorno, tememos não ter elenco, nem verba, tememos tudo (afinal, alvinegro não tem um dia de paz).

O retorno aconteceu, em semanas o alvinegro precisou recomeçar, planejar o elenco do zero, já que precisou dispensar todo mundo. Mais uma vez tememos, pois os clubes da capital já vinham treinando bem antes, com o elenco do começo da competição, e disputavam a Copa do Nordeste.

Com o novo elenco, fomos do medo de rebaixamento à esperança de chegar na final, vencemos as duas rodadas que faltavam (CSA e CSE), chegamos na semifinal, empatamos no tempo normal, mas infelizmente pênalti também é sorte, e vimos o ASA dá adeus a final (mais uma vez diga-se de passagem).

Após mais uma frustração, não tinha tempo para deixar-se abater, o alvinegro disputou a terceira colocação do estadual contra a equipe do Murici, perdeu por 2x0, e com a vitória o Murici 'forçou' a ter outro confronto entre as duas equipes, já que o ASA ganhou a Copa Alagoas e tinha direito de participar da seletiva para a Copa do Brasil 2021. (Vale lembrar que pelo fato do ASA ter sido o campeão, garantiu a vaga na série D 2021).

As equipes decidiram que seriam duas partidas para a seletiva, uma no dia (09/08), e outra no dia (16/08). Ambas no Rei Pelé.

O primeiro jogo, o alvinegro começou perdendo, parecia que estava dormindo em campo, mas, no fim, empatou em 2x2.

Já a segunda e última partida (do campeonato e do ano), ocorreu mais um empate, forçando a ir para os pênaltis (que diga-se de passagem, nesse retorno, nada deu certo através deles), e o ASA voou mais uma vez, deixando a vaga para a Copa do Brasil 2021 para a equipe do Murici.

Por fim, esse é o 'balanço' do ano curto e ao mesmo tempo tão cheio de empecilho para o futebol Arapiraquense, e mais uma vez, o que podemos fazer é desejar que ano que vem seja diferente (mesmo sendo tão cansativo pedir isso e ver o mesmo filme no ano posterior).

É, meu ASA, confesso que não é nada fácil torcer por ti, na verdade, é bem difícil, afinal, você não tem tanto incentivo por ser de interior, você não é tão reconhecido, você nem vem em boa fase há anos, mas, quem explica o amor né? Quem explica essa loucura do verdadeiro torcedor alvinegro que abre mão de tudo para ir ver um jogo sem graça de Campeonato Alagoano? Mas é isso, ano que vem estaremos juntinhos mais uma vez.

VIDA LONGA A ORGANIZADA

Foto: Instagram da Mancha Negra

Para finalizar esse meu texto/despedida do ano, gostaria de parabenizar e homenagear a Mancha Negra pelos seus 20 anos de existência!

Parabéns para esses Gigantes que abrilhantam os jogos do alvinegro, sendo símbolos de resistência e de garra.

É através dessa organizada que não temos um estádio 'morto', e sim um estádio que canta, vibra e torce.

Obrigada TOMN! Que em 2021 estejamos mais unidos em prol do nosso amor maior, o ASA.

 

Por: Arielly Soares, torcedora do ASA GIGANTE

 

*Esclarecemos que os textos trazidos nesta coluna, não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Mulheres em Campo.