TÁ CHEGANDO A HORA DESSA ZICA ACABAR!

Em seu centésimo jogo,  Timão tem a chance de exorcizar de uma vez por todas os fantasmas da Arena Corinthians.



 

Foto: Arena Corinthians

 

Durante anos a Fiel torcida sofreu com chacotas dos rivais por não ter sua casa. O Corinthians ia alternando, entre o Pacaembu, nossa eterna e saudosa Maloca e o Morumbi, nosso maior salão de festas, já que nosso primeiro estádio, a Fazendinha, já não comportava o tamanho da nossa torcida.

 

"Nosso campo, sejamos sinceros, não está à altura do Corinthians. É inadiável a construção de um estádio de verdade, do qual possamos nos orgulhar", dizia o editorial publicado na Revista Corinthians, órgão oficial do clube. (Extraído do Portal UOL, texto de 18 de maio de 2014)

 

Pra piorar, todos os anos ou a cada eleição no clube, uma nova maquete ou projeto de estádio era lançado, enchendo os corações alvinegros de esperança e de ilusão. Sim, não passava de ilusão! Nada saia do papel, aliás se tornava um gigantesco papelão, e os rivais riam à toa da Fiel.

A primeira promessa veio do Presidente Wadih Helu, nos anos 60, mas ele logo desistiu e propôs a compra do Pacaembu, que era usado pelo clube desde 1940. Essa ideia por muitos anos foi analisada e em 2009, o clube tentou viabilizar a compra junto a Prefeitura de São Paulo, que se negou.

Vicente Matheus, louco e apaixonado, queria um incrível estádio para 100 mil pessoas. Em meio a seus devaneios, Matheus chegou a conseguir um terreno em Itaquera, onde um palco para 200 mil pessoas seria erguido. Apesar da festa, o projeto não saiu da maquete, por falta de financiamento.

 

O estádio Alfredo Schurig, também conhecido como Fazendinha ou Parque São Jorge.

Foto: BIBLIOTECA S. C. CORINTHIANS PAULISTA

 

A Fazendinha foi reformada várias vezes, comerciais com Sócrates foram lançados, maquetes e mais maquetes, parcerias atrás de parcerias… e NADA! Coringão 1, Vicentão, Fielzão, Corintião, Coringão 2… projeto atrás de projeto de estádio novo que fracassava, e a frustração da Fiel só aumentava.

Em nosso centenário, mais uma vez, a promessa foi feita pelo então presidente Andrés Sanches. Orçamentado em 350 milhões e para 48 mil torcedores, o estádio seria erguido no terreno de Itaquera. No ano seguinte, finalmente o sonho da Fiel ganharia forma.

 

Obra da Arena Corinthians. Foto: Paulo Whitaker / Reuters

 

Inaugurada oficialmente em 18 de Maio de 2014, na derrota por 1x0 do Corinthians para o Figueirense, a Arena serviu como palco para a Abertura da Copa do Mundo de 2014, e como sede das Olimpíadas do Rio, em São Paulo.

A Arena foi essencial na nossa campanha do Hexa Brasileiro em 2015, quando chegamos a ficar um ano invictos. Mas em jogos de mata-mata, o Corinthians pena em sua casa nova, e decepciona a Fiel. Ao todo foram seis eliminações em casa, a última contra o Internacional, pela Copa do Brasil deste ano, nos pênaltis, apesar de ter jogado muito melhor, e ter perdido um caminhão de gols.

Mas é chegada a hora dessa zica acabar! O momento de fazermos festa e soltar o grito de campeão em nossos domínios chegou!

Três milhões de Fiéis já passaram pela Arena, ao longo desses 99 jogos, e neste domingo um novo recorde de público será batido. Os mais de 44 mil ingressos para a Final contra a Ponte Preta foram vendidos em 45 minutos. O maior público pagante do Corinthians em Itaquera é do Majestoso dos 6 a 1, partida da entrega da taça do Hexacampeonato Brasileiro, em 2015. Naquele dia, 44.976 pessoas pagaram ingresso para assistir ao show alvinegro.

Para a festa acontecer, o Corinthians poderá perder por até dois gols de diferença, já que venceu em Campinas por 3x0. Para acalentar ainda mais os corações alvinegros e espantar o medo das penalidades máximas em Itaquera, o Corinthians nunca levou 3 gols em seus domínios, o que, se for mantido, evitará as decisões por pênaltis.

Outro ponto a nosso favor é a consistência defensiva da equipe. Este ano, o time este ano não levou três gols numa única partida nenhuma vez, duas equipes marcaram dois gols na gente - Santo André e Mirassol, lá no comecinho do ano, quando o trabalho estava recém começando. O esquema 4-2-3-1 e a excessiva cobrança pela marcação dão forma à uma defesa bastante segura, comandada por Balbuena e Pablo.

O futebol pode até ser uma caixinha de surpresas e reservar jogos antológicos, mas  o 28º Paulistão já é quase uma realidade! Esperamos raça e amor à camisa no domingo, e dos onze atletas em campo, o capitão já foi escolhido. Caberá ao Cássio levantar a taça!

Pra cima deles! E Festa na Favela! Festa em Itaquera!


 

Por Mariana Alves, pelo Corinthians, com muito Amor, até o Fim!

Revisado por Victor Farinelli

 

Fontes: Globo Esporte

           Corinthians Oficial