Tabu, liderança e mini-meta

A 11ª rodada da Série B vem com mudança no plano tático do Guarani.

35429774342_8fc9e7e465_k.jpg
O Bugre treinou no SESI, na tarde de quarta-feira (Foto: Guarani F.C)

O Bugre enfrenta o ABC neste sábado (01), às 19h, no Estádio Frasqueirão. 

Fumagalli pediu para não viajar com a delegação para acompanhar o nascimento de seu segundo filho. Portanto, Richarlyson ganhou vaga no time titular. Vadão mudará a equipe taticamente, passando a jogar com três volantes, Evandro, Auremir e Richarlyson. Com isso, Bruno Nazário e Braian Samudio terão mais liberdade para encostar em Eliandro.

“O Vadão sabe do meu potencial. Claro que não vai esperar um meia como o Fumagalli. A responsabilidade é até maior, porque o Fumagalli tem sido decisivo e é um ídolo aqui. Dentro do que eu sei, darei o meu melhor”, disse o jogador, um dos principais reforços para a Série B.

ricky1.jpg

Richarlyson recebe o carinho de crianças antes de estreia como titular no Guarani (Foto: Márcio de Campos / EPTV)

A partida em Natal vale três coisas. A primeira delas, é o tabu do Guarani de nunca ter vencido o ABC em seus domínios. A segunda, vale a liderança do campeonato e a terceira delas, é a conclusão da segunda mini-meta estipulada.

“Teoricamente, um empate estaria de bom tamanho, mas não podemos sair daqui pensando em empatar. Empatar é circunstância do jogo. Vamos continuar jogando da mesma maneira, as coisas estão acontecendo. Se considerar os dois pontos de gordura da primeira mini-meta, falta um ponto só. Sem a gordura, faltam três. No momento, estou contando com a gordura. Se ganhar do ABC, deixamos a gordura de lado, porque aí conservaríamos dois pontos e ainda teríamos mais um jogo”, analisou o técnico Vadão.

 

ESCALAÇÃO

Leandro Santos; Lenon, Genilson, Diego Jussani e Salomão; Evandro, Auremir e Richarlyson; Bruno Nazário, Braian Samudio e Eliandro.

 

ARBITRAGEM

Gilberto Rodrigues Castro Júnior (PE) apita, auxiliado por Marcelino Castro de Nazaré (PE) e Fabrício Leite Sales (PE).

 

RELEMBRAR É VIVER

O duelo marca o reencontro das duas equipes semifinalistas da Série C de 2016. O alvinegro pode até trazer boas lembranças ao torcedor bugrino, mas antes da boa lembrança, sofremos um tremendo sufoco. Lembrando que esse confronto foi uma das maiores viradas já vistas no futebol.

“Tenho felicidade de lembrar o último jogo contra eles. Apesar de agora ser lá, e lá o resultado foi adverso. A gente com certeza vai comentar no vestiário, porque sabemos a força que eles têm. A gente vai montar uma boa estratégia para fazer um grande jogo”, afirmou o volante Auremir, presente nos dois confrontos de 2016.

Desde 1977, quando se enfrentaram pela primeira vez, 5 jogos foram disputados em Natal. Sendo três vitórias potiguares e dois empates.

 

Raça meu Bugre!

Por Fernanda Martins.