TÃO RUIM QUANTO O CAMPEONATO

 

(Foto: Mailson Santana/FFC/GloboEsporte.com)

 

Na noite desta quarta-feira (15), Fluminense fez o último jogo do campeonato carioca e acabou derrotado nos minutos finais. O jogo se encaminhava para um lamentável 0x0, que também não daria o título ao Fluminense, mas uma infelicidade de Nino, nos acréscimos, decretou a derrota.

 

O jogo começou muito ruim e terminou pior ainda. No primeiro tempo, víamos um Flamengo marcando adiantado, indo pra cima, mas sem criar chances claras, contra um Fluminense  bem postado na defesa, e só! O time tinha muita dificuldade em sair jogando e já não alugava o meio de campo como no jogo anterior, sempre cedendo espaço para o adversário.

 

Com o passar dos minutos, o Fluminense conseguiu equilibrar mais o jogo, conseguia sair um pouco mais, nas enfiadas de bola de Nenê e velocidade de Marcos Paulo. O time chegou a ter umas duas boas chances, mas desperdiçou. O panorama não se alterou até o fim da etapa inicial.

 

Na volta para o segundo tempo, o Fluminense tentava buscar o jogo, mas novamente sem eficácia. O time apresentava dificuldades em chegar, errava muito no último passe, principalmente com Egídio, muito mal no jogo.

 

Além disso, a equipe parece ter sentido bastante o desgaste físico, obrigando o treinador Odair Hellman a fazer alterações até questionáveis. A entrada de Felipe Cardoso e Caio Paulista, desagradaram muito a torcida, que acreditava que a melhor aposta seria os garotos da base.

 

O Fluminense nem de longe foi o time reconhecido pela torcida no jogo passado. Um time muito desorganizado, que não concluía jogadas de ataque e não oferecia perigo praticamente. Apenas ajustou a marcação, conseguiu neutralizar os ataques adversários, mas levava pressão.

 

Já  nos acréscimos, após um chute de Vitinho, Nino desviou, enganou Muriel e a bola entrou. 1x0. Fim de jogo e fim de campeonato. 

 

Um campeonato polêmico, cheio de manchas, não poderia terminar diferente. Um jogo péssimo, padrão FERJ, que, aliás, deve estar bastante satisfeita.

 

Por Viviany Marinho

 

*Esclarecemos que os textos trazidos nesta coluna não refletem, necessariamente, a opinião do Blog Mulheres em Campo.