TINHA UMA PONTE NO CAMINHO

 

Café bem forte para tentar assistir (e engolir) esse jogo. Ser santista está cada vez mais estressante. Espero que minha estadia por aqui seja longa, porém tenho certeza que quando partir será graças a esse time. 

Pelas quartas de final do Campeonato Paulista, o Santos recebeu a Ponte Preta, na Vila Belmiro, na noite desta quinta-feira (30), e o resultado foi o pior possível, no entanto, já esperado. 

 

(Foto: Ivan Storti/SantosFC)


 

O jogo:

A partida começou com os visitantes assustando, mas com cinco minutos de bola rolando Marinho abriu o placar depois de passe de Soteldo. No momento em que saiu este gol, estava ouvindo o áudio de um amigo dizendo com todas as letras e com ar condescendente que meu time será rebaixado este ano no brasileiro. Santista realmente nunca tem paz e este foi só mais um jogo para certificar o fato.

O primeiro tempo foi marcado por faltas, empurrões, poucas oportunidades criadas e alguns cartões, e nos minutos finais, como maldição anunciada, Marinho tomou o segundo amarelo e deixou o campo bem mais cedo do que pretendia. 

Nos últimos jogos, todos os resultados foram previsíveis. Com um a menos, o alvinegro recuava e entregava o jogo. Neste instante, aceitei a derrota. E foi aí que a desgraça começou...

O Peixe voltou para a segunda etapa sem mudanças na escalação, até porque não havia muito o que ser feito. E como aconteceu nos jogos anteriores, a inferioridade numérica pesou nos ombros da equipe santista. Não demorou muito para o adversário perceber e explorar os benditos erros. Aos quatro minutos veio o empate, em falha horrorosa do goleiro e gol de Bruno Rodrigues. E aos quinze, em outra falha de Vladimir  (essa pior que a primeira), veio o gol da virada, Moisés ampliou para a Macaca. Do céu ao inferno em quinze minutos. Devo estar em falta grande com aquele lá de cima.

Jesualdo Ferreira assistiu inerte. O jogo seguiu sem muita expectativa de empate e longe de ser o que esperávamos desses incompetentes, que mesmo depois das mudanças feitas, não mudaram a postura em campo. Nos minutos finais da partida, João Paulo marcou um golaço sacramentando a eliminação alvinegra. Desta vez não posso criticar meu goleiro, era impossível defender. Final da linha para o time da Vila Belmiro, nos resta chorar e lamentar, talvez, mas sem perder muito tempo porque temos um brasileiro para começar. Quem sabe seja menos sofrível. Seguimos!

 

Por Andra Jarcem, com o Santos onde e como ele estiver.


*Esclarecemos que o conteúdo trazido nesta coluna não reflete, necessariamente, a opinião do Blog Mulheres em Campo