Torcida Bugrina sofre descaso em Varginha-MG.

 

 

13 minutos foi o tempo necessário para o time de Varginha encaminhar seu título. O primeiro gol do Boa Esporte saiu aos 9 minutos com Braian Samudio, livre entre Wesley e Gilton na área. O Boa ampliou em um belo gol de Fellipe Mateus, que recebeu em liberdade e tirou Leandro Santos da jogada com um belo chute com curva. Quando o Guarani acordou, já estava 2 a 0.

Não que o Bugre tenha feito uma primeira etapa toda ruim. Se o sangue nos olhos de outros jogos não apareceu, o time conseguiu criar oportunidades ao menos. Eliandro perdeu um gol cara a cara quando o placar era "só" de 1 a 0. Gilton, em uma bomba de canhota, e Fumagalli, de cabeça, também levaram perigo. O goleiro Daniel do Boa Esporte evitou todos os lances.

O time voltou sem mudanças para o segundo tempo, mas o jogo ainda não encaixava, o Guarani não era o mesmo. Marcelo Chamusca tentou algumas alterações logo em seguida. Mas a novidade foi o cartão vermelho recebido por Ferreira. O zagueiro, que não acertou Rodolfo, ficou inconformado a ponto de partir para cima do juiz e precisar dos companheiros para ser contido.

 

Foto: arquivo pessoal

 

O vermelho do zagueiro Ferreira acabou com o emocional do Guarani. Chamusca foi obrigado a usar a terceira substituição para preencher o espaço na defesa e ficou sem cartas na manga para mudar a história do jogo. Ao Boa, a partida que já o favorecia teve mais um lance: o gol de Kaio Cristian, no rebote de Leandro Santos, com o Bugre já sem energias para reagir.

A parte decepcionante surgiu ao fim do jogo em que a PM entrou em conflito com a torcida do Guarani, usando spray de pimenta, bombas de efeito moral e tiros de borracha. A covardia acabou com muitas pessoas feridas, entre elas crianças, homens e mulheres e transformou Estádio do Melão em um clima desnecessário de batalha.

Essa campanha não será marcada pela perda do título da Série C. Será marcada pelas viradas épicas. O acesso veio após uma enorme virada contra o ASA. Fomos para a final depois de uma das maiores viradas da história do futebol mundial sobre o ABC.

Poderia ter sido melhor? Poderia. Mas ganhar ou perder são coisas do futebol.

 

Em 20 anos de campo de futebol eu nunca vi o que vi nesta noite de sábado em Varginha. A polícia não me representa. Vocês são o câncer do futebol!

 
 

FICHA TÉCNICA

BOA ESPORTE 3 X 0 GUARANI

 

Local: Estádio Dilzon Melo, em Varginha (MG)

Data: 05 de novembro de 2016, sábado

Horário: 18h45 (de Brasília)

Árbitro: Marcos Mateus Pereira (MS)

Auxiliares: Eduardo Gonçalves da Cruz (Fifa) e Daiane Caroline Muniz dos Santos (ambos do MS)

Cartões amarelos: Romano e Kaio Cristian (Boa Esporte); Auremir e Pipico (Guarani)

Cartão vermelho: Ferreira (Guarani)

 

GOLS:

BOA ESPORTE: Braian Samudio, aos nove minuos do primeiro tempo, Fellipe Mateus, aos 13 do primeiro tempo, e Kaio Cristian, aos 47 do segundo tempo

 

BOA ESPORTE: Daniel; Leonardo, Edson Borges, Bruno Maia e Romano; Escobar, Itaqui, Felipe Mateus (Kaio Cristian) e Braian Samudio (Tchô); Daniel Cruz e Rodofo (Jean Henrique)

Técnico: Ney da Matta.

 

GUARANI: Leandro Santos; Lenon, Leandro Amaro, Ferreira e Gilton; Auremir, Wesley (Denis Neves) e Fumagalli; Pipico, Deivid (Régis Souza) e Eliandro (Genílson)

Técnico: Marcelo Chamusca.

 

MESMO SE PERDER, NÃO VOU CHORAR, O IMPORTANTE É VOCÊ EXISTIR!

 

Fernanda Martins, hoje e sempre Guarani.