TRIUNFO TRICOLOR GARANTE VAGA NA SUL-AMERICANA

 

(Foto: Mailson Santana)

 

Todo Tricolor já vivenciou situações onde o time fez o que parecia impossível, como neste duelo contra o Corinthians, na tarde do último domingo (08), em Itaquera. Depois de uma fraca campanha e atuações pífias em diversos jogos, onde as falhas nas finalizações foram ponto alto, o elenco venceu o Timão na última rodada do Brasileiro, por 2 x 1, e garantiu sua vaga na competição continental em 2020. O resultado colocou o Fluminense na 14ª colocação da tabela com 46 pontos feitos.

 

Novamente vimos em campo outra jóia da nossa base brilhar e marcar os dois gols que selaram a vitória do Tricolor carioca. Evanilson é o nome dele e, com apenas vinte anos, mostrou uma garra descomunal e fez partida primorosa em sua primeira participação como titular. Um delicioso prazer ver nosso moleque fazer o que mais gosta: jogar bola.

 

Cria do clube, Evanilson foi artilheiro no campeonato Sub-20, o que levou o técnico Marcão a escalar o menino para fazer dupla de ataque com Marcos Paulo, outro tesouro de Xerém. Uma escolha certeira e que fez brilhar a estrela do jogador.

 

(Foto: Mailson Santana) 

 

O primeiro gol saiu logo aos sete minutos do primeiro tempo com um passe lindo de Nenê, aproveitado com a precisão de um chute rasteiro e colocado que balançou as redes de Cássio. Muitos depois, Nino quase ampliou o placar quando subiu mais alto que a zaga adversária, e cabeceou para a bola raspar na trave. O segundo gol veio aos 27, depois de um bate-rebate dentro da área onde a bola parou em Evanilson que fez uma pintura de gol.

 

(Foto: Mailson Santana)

 

Na segunda etapa, o rival descontou com Gustagol, aos 17, e pouco depois teve um pênalti marcado, de Marcos Felipe em cima de Jadson, pelo árbitro. Como o lance foi duvidoso,  o VAR foi consultado e, com as bênçãos do nosso amado João de Deus, apontou apenas uma falta em Nino no início do lance.

 

Em coletiva de imprensa depois da partida, Marcão declarou: "Temos que agradecer aos jogadores, os que vieram e os que não puderam estar juntos com esse grupo maravilhoso. Destacar a entrega e o comprometimento deles. Foi um ano muito difícil para eles e honraram demais essa camisa. Fico muito feliz em poder contribuir um pouquinho com esse grupo".

 

Passada a euforia da conquista faz-se necessário um momento de reflexão sobre os rumos do nosso elenco para a próxima temporada. João Pedro já foi negociado, Caio Henrique deve ir para o Grêmio, como anunciado em diversos veículos. Será que a intenção do presidente estagiário do Peter é desmontar o elenco e contratar meia dúzia de pernas de pau para defender nossa camisa?

 

Será que o vaidoso estagiário do Peter continuará com sua perseguição e vetos ao seu Diretor de Futebol, Celso Barros,  um estopim nesta segunda fase da competição. As restrições ganharam destaque na mídia especializada e, com certeza, afetou ao elenco, assim como o atraso dos salários.

 

Lembro de uma frase do vaidoso "presidente" durante a campanha: "No meu mandato, o Fluminense vai lutar para ser campeão de todos os campeonatos que disputar."

 

Recordo também das promessas de um trabalho feito em parceria, onde Celso Barros teria total autonomia para resolver assuntos ligados ao futebol. Diz aí estagiário do Peter,  quando vai cair na real e perceber que foi eleito pela estrela de Celso com nossa Torcida e que sem esse apoio ele não teria a menor chance. Sei que o vaidoso tem plena consciência de que grande parte dos Tricolores o viam com olhar enviesado, muito pelos seus "feitos ", durante a gestão de seu mentor Peter.

 

Um time com a tradição do Fluminense definitivamente não merece passar anos e anos a contar pontos para não descer. Nosso Tricolor tem fidalguia e merece seu lugar de destaque no futebol brasileiro. Nesse ponto, a Torcida terá que se unir e cobrar seriedade nas novas contratações e reivindicar nas redes sociais seu descontentamento com essa gestão.

 

Para fechar a participação do estagiário do Peter na resenha, destaco sua declaração, em tom jocoso de que o clube fechou o ano "com dignidade". Aonde?

 

Como gosto de dizer: "A vaidade nunca pode ser maior do que o amor pelo clube."

 

Por Carla Andrade