ÚLTIMA VEZ QUE O PALMEIRAS PERDEU NO BRASILEIRÃO? FAZ 84 ANOS!

 

O Palmeiras foi até a Arena Condá para enfrentar a Chapecoense, em partida válida pela sétima rodada do Brasileirão e venceu por 2 a 1. A vitória nos garantiu mais uma rodada na liderança, além de manter o recorde de partidas sem derrota, agora são 30.

 

Claro que o jogo não foi fácil, a Chape sempre nos deu trabalho. Mas o Verdão conseguiu superar os donos da casa, e um dos principais fatores para isso foi o setor defensivo, que mais uma vez se manteve compacto e fechado, tanto que o único gol do adversário foi de pênalti.

 

Felipão conseguiu fazer com que o time jogue de maneira regular, e mesmo que não apresente o futebol mais bonito, feio também não está. E é essa regularidade que os adversários vêm tendo dificuldade de quebrar. O que temos visto nestas últimas rodadas é um time que entra em campo sabendo que precisa vencer, e, independente de jogar bonito, precisa ser eficiente.

 

Palmeiras vence em Chapecó e chega a 30 jogos de invencibilidade.

Foto: Facebook Oficial do Palmeiras

 

O jogo

 

O primeiro tempo começou bem agitado, e a Chapecoense veio melhor que o Palmeiras. Logo aos 9 minutos, Rildo arrancou tinta do travessão de Weverton. O Verdão paulista respondeu aos 14’, com Dudu, que arrancou pelo meio deixando 3 adversários para trás e bateu forte em direção à meta de Tiepo, porém a bola saiu à esquerda do gol. Os donos da casa tentaram travar o jogo, mas aos poucos os visitantes iam se soltando.

 

O time da casa estava completamente fechado, e o Palmeiras apostou em velocidade e inversões de posições dos jogadores no decorrer da partida, na intenção de encaixar jogadas e chegar à área adversária. A Chapecoense tentava pressionar, e após um chute de Arthur Gomes, Rildo ficou com a sobra e chegou a marcar, mas após consultar o VAR, o gol foi anulado por impedimento.

 

Mas o Palmeiras não se intimidou e revidou à altura. Aos 24 minutos, Zé Rafael cortou e bateu forte, mas parou na boa defesa de Tiepo.

 

O goleiro da Chape precisou trabalhar novamente para defender um lindo chute de primeira, de Lucas Lima. O arqueiro conseguiu espalmar no cantinho e salvar a Chape de levar o primeiro gol. Em um contra-ataque, foi a vez do goleiro alviverde trabalhar para pegar um chute de fora da área, numa tentativa de Márcio Araújo. Weverton agarrou firme e não deu o rebote. Lei do ex aqui não.

 

A partida definitivamente estava movimentada. E de tanto inverter posições, o Palmeiras conseguiu acertar o toque de bola e encaixar o ritmo do jogo, e aos 31 minutos veio a recompensa. Zé Rafael tabelou com Deyverson bem próximo à área adversária, passou por Gum e foi derrubado. Mas o camisa 8 provou que quem acredita sempre alcança,  não desistiu do lance e, mesmo já estando caído, insistiu dando um passe para Dudibres, que conseguiu tirar de Tiepo e abrir o placar o para o Alviverde paulista. Ufa, ficamos mais aliviados.

 

Dudu não desperdiça esforço de Zé Rafael e abre o placar para o Palmeiras. Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

 

O Verdão (paulista) conseguiu abrir o placar, porém mal deu tempo de comemorar. Na saída de bola, a Chapecoense foi para o ataque, e Márcio Araújo sofreu falta. Na cobrança, Deyverson atrapalhou a jogada abrindo os braços, e o árbitro assinalou o pênalti após novamente consultar o VAR. Everaldo cobrou e converteu.Lá se vai nossos 6 jogos sem levar gol. Estávamos com 35 minutos da primeira etapa. Tenho certeza que neste momento muita gente odiou o menino Deyverson.

 

O jogo ganhou um ares de vai-não-vai, com a marcação pesada dos dois lados, e tudo indicava que os times iriam empatados para o intervalo. Mas já no finalzinho, e no último lance do primeiro tempo, Dudu cobrou lateral para dentro da área, Felipe desviou e Marcos Rocha apareceu para emendar um belo chute, no ângulo e sem defesa para Tiego. Um golaço que voltou a deixar o Verdão na frente no marcador.

 

O segundo tempo foi bem menos movimentado que o primeiro, e o Palmeiras conseguiu manter a tranquilidade trocar mais passes no meio de campo. A duas equipes retornaram sem qualquer alteração.

 

Aos 4’, o time paulista conseguiu chegar novamente com perigo, com um chute colocado de Dudu, mas o arqueiro da Chapecoense estava abençoado e fez a defesa.

Daí em diante vimos um jogo feio e recheado de faltas. Rodolpho Toski Marques mostrou o cartão amarelo 6 vezes, sendo quatro para jogadores palmeirenses: Antônio Carlos, Zé Rafael, Deyverson e Felipe Melo.

Os técnicos querendo mudar esse cenário, resolveram então fazer suas alterações, e Felipão começou substituindo Zé Rafael por Hyoran, que inclusive é cria da Chape. A dinâmica do jogo mudou um pouco, mas para os donos da casa, que assustaram a defesa alviverde com uma bomba de Diego, aos 25 minutos. Weverton conseguiu salvar.

 

Aos 36’, foi a vez de Everaldo testar nosso setor defensivo, com um chute que passou bem pertinho da trave. Os minutos finais pegaram fogo, mas o Palmeiras conseguiu se segurar e garantir mais uma vitória.

 

Para nossa alegria, Marcos Rocha amplia para o Verdão.

Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

 

Palmeiras x Chapecoense

Após a tragédia ocorrida com o avião da Chape em 2016, o duelo entre os Verdões carrega uma certa emoção. O Palmeiras foi o último time a enfrentar a Chapecoense antes do acidente. O embate entre as duas equipes é sempre um reencontro, e entendemos que o Palmeiras sempre terá um papel especial na história na Chape, pelo amistoso jogado quase dois meses depois do acidente.

 

Foi um momento para agradecer pelos sobreviventes, homenagear as vítimas e se confortar. Tenho certeza que daquele dia em diante, os confrontos nunca mais foram os mesmos, e deixaram de de ser apenas futebol. Amo meu Verdão paulista, mas tem um parte no meu coração que sempre será “Vamo vamo Chape”.

 

Chapecoense x Palmeiras fizeram o "Jogo da Amizade" em 2017.

Foto: Agência Estado

 

#AvantiPalestra #Brasileirão2019 #VamosVerdão

Por Vânia Souza