Último movimento no tabuleiro

 

Croácia disputa sua primeira final de Copa do Mundo

 

Torcida croata no dia da classificação para a final.

(Foto: FIFA)

 

O sentimento é de estar vivendo um sonho para os xadrezes. Depois de surpreender o mundo ficando na terceira colocação, em 98, os Bálcãs, tem finalmente a chance de conquistar seu primeiro caneco, neste domingo, contra a França, ao meio-dia em Moscou.

Que a Croácia não é a favorita, todos nós sabemos. Mas não a toa os comandados de Zlatko chegaram a esta final.

Com a força de Modrić e Rakitić no meio, usando Mandzukić e Perisic como elemento surpresa, os xadrezes tem o segundo melhor ataque da competição com 12 gols e chutando mais de 100 vezes a meta adversária.

Para conquistar o título inédito, as palavras de ordem são “deixar as emoções de lado e dar tudo em campo", como disse o camisa 10, Modrić. A questão física também preocupa. Se somarmos às prorrogações jogadas, o tempo equivale a uma partida “a mais” que os Bleus.

Quanto a escalação, Perisic sentiu novamente a coxa depois do triunfo sobre os ingleses, mas não deve ficar de fora da grande decisão. Assim a Croácia vai a campo com: Subasic; Vrsaljko, Lovren, Vida e Strinic (ou Pivaric); Brozovic, Modric e Rakitic; Rebic, Perisic e Mandzukic.

Está chegando ao fim a Copa do Mundo e com isso, minha cobertura dos xadrezes está à um passo do xeque-mate. Como enxadrista que fui, tratei todas as apresentações dos Bálcãs como uma partida alucinante de xadrez. A seleção ignorada, o patinho feio, foi muito além das potências, Brasil, Argentina, Alemanha e Espanha, e tem calado e encantado o mundo com sua garra e amor a camisa!

Que venha o caneco! A coroação de uma grande cobertura e de uma magnífica campanha!


 

Por Mariana Alves