UM ALVIRRUBRO GIGANTE

 

Sílvio Luiz Borba da Silva, ou apenas Kuki, dentro de campo carregou no peito o escudo e as cores do time da Rosa e Silva, e hoje, na área técnica, segue sendo um dos maiores ídolos do Clube Náutico Capibaribe. O terceiro maior artilheiro do Clube (184 gols marcados) e o jogador que mais vezes vestiu a camisa Alvirrubra (387 partidas), Kuki tem apenas 1,67m, mas foi e é um gigante em campo e representa um exemplo para cada coração que pulsa na arquibancada e o desejo de que, algum dia, outro atleta consiga amar e respeitar tanto o Náutico como o baixinho sempre fez.

 

Foto: Edvaldo Rodrigue/DP/ D.A Press

 

COMO TUDO COMEÇOU

Nascido na cidade de Cratéus, no Ceará, em 30 de abril de 1971, Kuki – apelido dado pelo avô – ainda jovem se mudou para o Rio Grande do Sul, mas sua carreira teve um início tardio. Apenas aos 23 anos, na cidade de Encantado, Kuki atuou como atleta no futebol profissional. Sua estreia foi no discreto Esporte Clube Encantado.

Ficou dois anos no Encantado (1993-1994), tendo sido emprestado no primeiro ano ao Taquariense. Em 1995 foi ao Palmeirense e em 96, ao Ypiranga de Erechim, onde ficou até 97. Nesse período foi emprestado ao Veranópolis e seguiu trocando de clube até 2000, depois de passar por Lajeadense, Palmeirense, Grêmio Santanense, Inter de Lages e Brusques.

Artilheiro e campeão da segunda divisão do campeonato catarinense pelo Inter de Lages em 2000, o baixinho desembarcou em Recife em 2001, ano do Centenário do Clube Náutico Capibaribe e fez desse clube, mais que um trabalho, uma paixão. Já em 2001, o baixinho compôs o elenco da única equipe na capital Pernambucana campeã do centenário.

 

Em 2001 Kuki foi  Campeão e artilheiro pelo Timbu  no Campeonato Pernambucano, com 14 gols. Foto: superesportes

 

UM ÍDOLO NO NÁUTICO

 

Pelo Náutico, Kuki foi campeão pernambucano três vezes e deixou suar marca até quando a equipe não conquistava o título. Em 2001, foi campeão e artilheiro no ano do centenário da equipe. Em 2002, como capitão da equipe, conquistou o bicampeonato. Em 2003, apesar de não conquistar o título pelo clube, Kuki foi novamente o artilheiro do campeonato. Em 2004, o jogador se destacou na conquista do Pernambucano daquele ano, sendo esse o último título oficial que a equipe conquistou até a data presente. Já em 2005, apesar do Timbu não conquistar o título, o camisa 11 foi novamente artilheiro do Campeonato Pernambucano.

 

CARREIRA

Após alguns conflitos com a torcida Alvirrubra, Kuki deixou o Náutico e, em seguida, anunciou seu empréstimo ao rival Santa Cruz. Na época, os dirigentes dos dois clubes concordaram em dividir o salário do atleta, que girava em torno de R$40 mil por mês.

Foto: diario de um pernambucano

 

Mesmo após o fato com o Grêmio na Série B de 2005 – fato conhecido até hoje como “Batalha dos Aflitos” – Kuki permaneceu ao clube mas não resistiu à derrota por 4x1 para o Cruzeiro, na Série A do Campeonato Brasileiro 2007. Após as vaias da torcida, o atleta pediu um tempo para viajar e visitar a família, retornou afirmando que permaneceria no clube mas, dias depois foi anunciado no Santa Cruz.

 

O RETORNO DO BAIXINHO

 

Após a má fase na Série A pelo Náutico e a disputa da Série B pelo Santa Cruz, em 2008 Kuki foi reintegrado ao elenco Alvirrubro e, na ocasião, afirmou: “A felicidade de voltar ao Náutico é enorme, pois o clube que me projetou não só para o futebol brasileiro como para o mundial".

O Náutico seguiu sem conquistar títulos, mas Kuki continuou quebrando marcas pessoais, terminando sua carreira com 387 jogos e 179 gols marcados pelo Náutico. Mas, não parou por aí e em abril de 2010, Kuki se tornou auxiliar técnico do Timbu para trabalhar junto do treinador Waldemar Lemos. O baixinho segue na área técnica do clube, segue como ídolo, um exemplo a ser seguido e um dos maiores Alvirrubros que essa geração pôde conhecer.

 

Desde de 2010, Kuki passou a trabalhar como auxiliar técnico. Foto: superesportes

 

TÍTULOS

 

Náutico:

  •  Campeonato Pernambucano: 2001, 2002 e 2004
     

Inter de Lages:

  • Campeonato Catarinense Série B: 2000

 

Prêmios individuais:

  • Campeonato Gaúcho - 2ª divisão • Artilheiro com 22 gols: 1997
     

  • Campeonato Catarinense – Série B • Artilheiro com 32 gols: 2000
     

  • Copa do Nordeste• Artilheiro com 12 gols: 2001
     

  • Campeonato Pernambucano • Artilheiro com 14 gols: 2001
     

  • Campeonato Pernambucano • Artilheiro com 16 gols: 2003
     

  • Campeonato Pernambucano • Artilheiro com 17 gols: 2005



Por: Clara Castro