Um jogo com muitos desfalques

 

 

 

FLUMINENSE ENFRENTA O GRÊMIO PELA SÉTIMA RODADA DO BRASILEIRO NESTA QUINTA-FEIRA (15), ÀS 21H, NO MARACANÃ

 

 

 

unnamed (4).jpg

Foto: Internet

 

 

Abel Braga tem a difícil missão de escalar seu time sem contar com oito jogadores para encarar a equipe gaúcha, uma das melhores da competição. O técnico concedeu entrevista coletiva na tarde da última quarta (14), depois do treino que encerrou a preparação do elenco para o combate.

 

“Tenho muitos problemas. Essa é a terceira equipe que eu monto no ano. A primeira equipe tinha o meio-campo com Orejuela, Sornoza, Douglas e Scarpa, Wellington Silva e Dourado. Perdi Scarpa e logo depois, o Douglas. Entrou Richarlison e a descoberta do Wendel. Não tive Orejuela e entrou o Luiz Fernando, depois entrou o Henrique em duas posições. Não rendeu aquilo que esperava, mas joga muito como volante. No jogo passado, foram nove ausentes. Pode ter algum clube com o departamento médico igual ao do Fluminense, mas melhor, não tem”, disse ele.

 

O comandante disse que pode usar o zagueiro Henrique no meio campo, como volante, e garantiu a presença de Richarlison em campo. Ele aproveitou para colocar um ponto final sobre uma possível venda do jogador para o Palmeiras.

 

“Ele que conversou comigo dizendo que se sentiu mal ao ver os colegas correndo e ele sabendo que poderia ter ido lá ajudar e as lágrimas correram. Eu tenho que fazer com que essas lágrimas tenham um caminho positivo, de grandeza, um caminho digno que queremos para todos aqui, na conduta como homem e como atleta. Tenho 100% de certeza que ele foi manipulado. A conversa com ele foi excelente. Eu gostaria de que o torcedor pensasse como eu estou pensando. Eu sou um cara que nunca tenho rancor. Eu sei o que o torcedor pensa pois já fui de arquibancada. No tempo que vocês convivem comigo, digo que o torcedor é soberano. O ideal, neste momento, é o apoio. O torcedor tem de incentivar, isso é legal. Quando se tem muito menino, a vaia atrapalha. Uma vaia a um passa ao outro. Nunca questionei a representatividade do torcedor em um time de futebol. Tudo aqui é feito pelo torcedor”, comentou.

 

 

unnamed (3).jpg

Foto: Nelson Perez

 

 

Abel afirmou que tinha total consciência de que teria um ano de trabalho árduo pela frente e que, muitas vezes, não sabia até onde conseguiria chegar com um plantel tão limitado pelos desfalques. Mesmo assim pareceu otimista.

 

“Sei que nós vamos surpreender ainda e logo, logo vai estar todo mundo inteiro. É questão de mais um ou dois jogos. Me vi sem Pierre, Douglas, Orejuela, Luiz Fernando, tudo numa posição só, fica complicado. Treinador perde tempo de seis meses. Já joguei com Renato no meio-campo no jogo passado, estava num sufoco tão grande que coloquei o jogador com um treino. Não é que vá jogar bem ou mal, mas ainda não sabe o posicionamento da equipe, porque ele está acostumado a fazer isso de trás para frente como lateral”, contou.

 

E tantas mudanças na escalação são prejudiciais para manter a qualidade do grupo. Abel sabe disso e disse que no começo da temporada foi mais fácil contornar essas situações.

 

“Essa dificuldade agora se acentuou com a saída do Sornoza. Com o Scarpa, fica mais imprevisível para o adversário, pois é um jogador de qualidade técnica extraordinária. Mas hoje, sem dúvida, meu coletivo está bem mais fraco que tempos atrás. A minha equipe na parte ofensiva tem uma maneira muito legal de jogar. Sempre uso um jogador de referência e trabalho o time para ele. Agora está sendo o Dourado. Esse jogador é fundamental porque é ele que vai na bola parada na frente, que protege, faz o pivô. O Richarlison faz esse complemento também, sabe usar muito bem porque é rápido e tem uma postura tática legal para isso” disse.

 

Abel não liberou a escalação do Fluminense e eu arrisco aqui que entrará em campo com: Júlio César; Lucas, Reginaldo, Henrique e Léo; Mateus Norton, Wendel e Gustavo Scarpa; Marquinhos Calazans, Richarlison e Henrique Dourado.

 

 

COPA SUL-AMERICANA

 

A Confederação Sul-Americana de Futebol definiu o adversário do Fluminense na segunda fase da Copa Sul-Americana. Depois de eliminar o Liverpool-URU, o Tricolor das Laranjeiras medirá forças com a Universidad Católica-EQU. O confronto, e os demais 15 jogos, foram definidos por um sorteio realizado no centro de convenções da CONMEBOL, em Assunção, no Paraguai, na noite de ontem (14).

Assim como aconteceu na primeira fase, o Fluminense terá o mando de campo na partida de ida, definindo a classificação para as oitavas na casa dos equatorianos. As datas e os locais dos confrontos ainda não foram definidos.

 

 

Fonte: Site Fluminense FC

 

Carla Andrade