Uma Seleção acostumada a perder

 

 

Foto: publikador

 

  No último domingo dia 12, a Seleção Brasileira foi eliminada da Copa América Centenário, na fase de grupos, feito que não acontecia desde 1987. Foi com gol de mão, péssima arbitragem, sim,  porém a Seleção nunca precisou recorrer as desculpas das quais citei acima. Sempre conseguimos com nossa raça, nosso futebol mostrar em campo o quão somos guerreiros.

  Culpa do Dunga? Ele não entrou em campo, porém é claro que passamos pela pior crise da Seleção Brasileira em campo e administrativa. Não jogamos pra ganhar, foi um time medíocre que jogou pelo empate e que de certa forma menosprezou o time peruano, e que vem caindo desde a Copa de 2006 quando fomos sim eliminamos pela França, mas jogamos, tentamos e perdermos pois assim é o futebol.

 Eliminado pela Holanda na Copa de 2010, eliminado  nos pênaltis pelo Paraguai na Copa América do Chile, sem contar no maior vexame da história da Seleção,  o inesquecível 7 a 1 sofrido para a Alemanha, no Mineiro em Minas Gerais  frente centenas de torcedores, na Copa disputada no Brasil. Vimos ali um time apático, que não honrou a camisa e que não representou a massa que cantou a todos pulmões antes do jogo, "[...]Pátria Amada Brasil".

 

 

Foto: salgueirofc

 

"Haja coração ", frase eternizada pelo narrador mais patriota o ilustre Galvão Bueno, frase na qual foi pela primeira vez reproduzida em um desses jogos que não há cardíaco que aguente. Jogo truncado, disputado e quase sempre vencido pela nossa seleção. Jogadores inesquecíveis tais como: Tafarel, Sócrates, Romário, Pelé, Bebeto, Rivaldo, Dida, Falção, Ronaldo, Ronaldinho, Cafu e outros tantos. Que lutaram para tornar nossa camisa respeitada e temida, hoje vêem um Federação destruída, torcedores que não sentem mais prazer em reunir a família e assistir a seleção 6 vezes campeão do mundo.

 Logo após o jogo Neymar que desfalcou o Brasil na Copa América para jogar as olimpíadas deu uma declaração tão infeliz quanto o resultado de domingo. Com palavras de baixo calão, se referindo a críticos da Seleção. O mesmo é o nome do atual grupo, a falta de respeito e de maturidade é o retrato do Brasil, à menos de 50 dias para as olimpíadas do Rio de Janeiros esse é o incentivo que temos. Rimos pra não chorar, essa é a verdade. Infelicidade e displicência palavras comuns a uma seleção que perdeu o gosto de jogar.


Ingrid Souza