UMA SUCESSÃO DE ERROS CULMINOU NO ATUAL MOMENTO XAVANTE

 

 

(Foto: Carlos Insaurriaga)

 

O Brasil recebeu o Aimoré no Estádio Bento Freitas na tarde deste domingo (10) e concedeu mais uma amostra do time horroroso que possui, sofrendo uma derrota vexatória por 1x3. A situação culminou na demissão tardia do técnico Paulo Roberto Santos, pois aparentemente, para a direção xavante não basta só ter zero vitórias em cinco rodadas.

Mas para falar do momento geral vivido pelo Xavante, nós precisamos entender, justamente, que o técnico e o time de jogadores são apenas uma parcela do problema. É necessário subir um patamar para entender onde surge a raiz de todo o cenário turbulento que vem cercando aos poucos o nosso rubro-negro: a direção.

Simplesmente temos na gestão da terceira força do estado, um grupo completamente despreparado. Sabemos que tem dinheiro chegando, mas não vemos ele sendo investido de maneira alguma. Ao final do ano passado, mais de 90% do grupo foi desmantelado, sem falar na saída de Rogério Zimmermann. Remontaram um time com retalhos de equipes rebaixadas e um técnico que de gauchão não conhece nada.

Não é de se surpreender que estejamos nessa situação agora: lanterna do estadual. Os primeiros sinais já surgiram no ano passado, com a briga contra o rebaixamento no brasileirão. Ainda assim, foi possível se erguer e evitar que o pior acontecesse. E agora? Vão deixar que o time volte para aquele lugarzinho obscuro que chamamos de segundona? Deixa eu avisar uma coisa, se os senhores ainda não perceberam: estamos com um pé lá.

Presidentes, dirigentes, técnicos e jogadores entram e saem. Mas a maior e mais fiel permanece, não arreda o pé do estádio, faça chuva ou faça sol, esteja o time na melhor ou na pior. Afinal, é sempre o torcedor que paga o pato por toda essa desgraça. O torcedor que humildemente gasta o seu dinheirinho conquistado com suor por amor à camisa e vê ela sendo tratada de maneira que jamais deveria. Vocês deveriam o honrar, pois no final de tudo só quem vai sobrar é ele.

Na próxima semana, temos o jogo da Copa do Brasil fora de casa, contra o Tubarão. Gustavo Papa deve voltar à assumir o posto de técnico interino para este confronto e também para a sequência do Gauchão. Um comandante definitivo só deve surgir para o Brasileirão. E que o nosso presidente coloque a mão na consciência na hora da escolha, isso se permanecer. Afinal, como eu já disse acima, só tem alguém que jamais deixará o Brasil acima de qualquer circunstância.

 

Por Alice Silveira,

por você eu viverei