VEM AÍ O BRASILEIRÃO FEMININO 2017

 

 

 

A 5º edição do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, contará com as séries A1 e A2, com 16 times em cada uma. Com um calendário maior e com mais jogos, o apoio financeiro e a criação da segunda divisão darão um ânimo a mais para a competição.

 

FORMATO DE DISPUTA:

SÉRIE A1

Ainda sem data para estrear, a competição começará em março e irá até o fim do ano. Serão dois grupos, de oito clubes cada, com turno e returno. Avançarão às quartas de final os quatro times melhores colocados de cada grupo. Nesta fase, serão disputados jogos de ida e volta, assim como na semifinal e na final. Portanto, as equipes que chegarem à decisão terão feito 20 partidas. Os times eliminados na primeira fase terão atuado 14 vezes.

Os participantes foram definidos da seguinte forma: uma vaga será para o campeão da Copa do Brasil de Futebol Feminino 2016, o Audax/Corinthians; outra para o vencedor do Brasileirão deste ano, o Flamengo/Marinha; além de oito vagas, para os oito primeiros colocados do Ranking Nacional de Clubes de Futebol Feminino de 2017 e seis para os seis primeiros da classificação final do Campeonato Brasileiro Masculino da Série A 2016. Se ainda houverem vagas, seriam preenchidas pela sequência da classificação da Série A e depois da Série B do Brasileiro Masculino 2016. Caso necessário ainda assim, o Ranking Nacional de Clubes de Futebol Feminino de 2017 voltaria a ser utilizado como critério.

No grupo 1 estão: Audax-SP, Vitória-PE, São Francisco-BA, Iranduba-AM, Kindermann-SC, Corinthians-SP, Grêmio-RS e Sport-PE.

No grupo 2 estão: Flamengo-RJ, São José-SP, Foz Cataratas-PR, Ferroviária-SP, Rio Preto-SP, Santos-SP, Ponte Preta-SP e Vitória-BA.

Palmeiras, Atlético-MG, Botafogo, Atlético-PR, São Paulo, Chapecoense, Cruzeiro e Fluminense optaram por não participar.

A premiação prevê que o clube que se classifique para esta competição ganhe 15 mil reais, quem avançar para as quartas, mais 20 mil; 30 mil para quem chegar às semis; 60 mil para o vice e 120 mil para o campeão.

SÉRIE A2

Também sem data marcada para estrear, a competição começará em março e vai até julho. Serão dois grupos de oito clubes cada, com turno único. Chegam às semifinais as duas equipes melhores colocadas de cada grupo. Nesta fase e na final, serão confrontos de ida e volta. Assim, os times que chegarem à final terão disputado 11 jogos, enquanto os eliminados na primeira etapa terão jogado sete partidas.

Os participantes foram definidos através da sequência do Ranking Nacional de Clubes de Futebol Feminino de 2017.

Para 2018, são duas vagas para os clubes rebaixados da Série A1, uma vaga para a federação número #1 do Ranking Nacional de Federações de Futebol Feminino 2017 e mais 13 para demais federações. Haverá uma fase preliminar para classificação para a Série A2. As 26 federações se enfrentam entre si em jogo único na sede da melhor ranqueada, em que o vencedor conquista a vaga. A definição dos confrontos será em 2017.

Os clubes participantes serão: ADCO-SP, Caucaia-CE, Duque de Caxias-RJ, Viana-MA, Pinheirense-PA, Tiradentes-PI, Portuguesa-SP, Vasco-RJ, América-MG, Botafogo-PB, Mixto-MT, Turna Luso-PA, CRESSP-DF, UDA-AL, Náutico-PE e JV Lideral-MA

A premiação da competição será de 10 mil reais para quem se classificar à A2; 15 mil para os clubes que chegarem às semis; 30 mil para o vice e 50 mil para o campeão.  

INVESTIMENTOS

A CBF custeará tudo no Campeonato Brasileiro Feminino das Séries A1 e A2: passagens aéreas ou de ônibus (dependendo da distância, consultar o Regulamento Específico da Competição); hospedagem e alimentação.

 

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

 

Além dos valores citados acima (de premiação por classificação e avanço na competição), o clube mandante receberá R$ 10 mil por jogo para gastos com a partida, e a equipe visitante receberá R$ 5 mil reais por jogo para despesas que tiver.

A CBF anunciou que investiu nas transmissões do Campeonato Brasileiro e, além de contratar uma empresa para isso, contará com apoio do SporTV, Band Sports, Band e Enterplay.

 

Informações retiradas do site www.cbf.com.br

Por Beatriz Cunha